Semanal

Entenda a relação do desmatamento com a nuvem que mata

Crédito: Reprodução/MetSul Meteorologia

O interior de São Paulo registrou nuvem de poeira de mais de 103km/h. Minas Gerais e o Sul do País também registraram o fenômeno que já deixou seis mortos no País desde o final de setembro (Crédito: Reprodução/MetSul Meteorologia)

Valdir Greter, empresário, 68 anos; Genival Miguel de Mello, 63, agricultor; Fábio Castro, 42, operário da construção civil; Valter Aparecido Balbo, 56, construtor; Gilson Marques de Souza, 55 anos, e Valdeilson da Conceição Santos, 32 anos, ambos brigadistas. O que essas pessoas têm em comum? Todos foram vítimas fatais de um fenômeno natural (até hoje) raro no Brasil que tem origem na mudança climática: as nuvens de poeira ou os haboobs.



Comuns nas savanas africanas pelas condições geoclimáticas naturais de lá, os haboobs são formados pela combinação de poeira acumulada no chão durante longos períodos de estiagem com o surgimento de fortes ventos que precedem a volta de temporais. Nas últimas semanas se tornaram comuns por aqui. Seu surgimento assustou os moradores de Minas Gerais, São Paulo e de cidades do Sul do País. E os meteorologistas já são taxativos em dizer que devem ser mais e mais frequentes nas cidades brasileiras.

Nuvens de poeira são alerta para extremos climáticos

A culpa é do homem. Ou, para ser mais preciso, de sua ação na natureza e o ciclo perverso que se cria a partir daí. Ao desmatar a Amazônia, o homem prejudica a formação dos rios voadores que levam a umidade da floresta para o Centro-Oeste, Sudeste e Sul do País. A consequência é a redução na formação de chuvas, o aumento das temperaturas, a diminuição dos reservatórios de água e mais seca. Com a estiagem, aumentam os casos de incêndios, os haboobs e as mortes. Mais uma triste estatística na realidade brasileira.

Essa última resultado de outra que o brasileiro já conhece bem e que vale lembrar: somente este ano mais de 390 milhões de árvores da Amazônia foram derrubadas, isso representa 6,4 mil km² desmatados de janeiro a outubro. No total do ano passado foram outros 7,3 mil km², segundo o site Plenamata.org. Se a conta for de 1988 – início do monitoramento pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) – até hoje, cerca de 729 mil km² já foram desmatados, o que corresponde a 17% da área total do bioma.

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022



Diante das evidências chega a ser desumano defender que as mudanças climáticas não existam. Mas Brasília segue dando as costas para o assunto e até agora nenhuma palavra de consolo ou de providência diante de mais brasileiros cujas mortes poderiam ter sido evitadas.


Saiba mais
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto