Solidez e resiliência

Enquanto Nubank e Stone ‘sangram’, este ‘bancão’ paga dividendos robustos e lucra com a alta da Selic; entenda

Solidez e resiliência das grandes instituições bancárias brasileiras se reafirmam em cenário de alta dos juros, enquanto fintechs sofrem nas bolsas de valores

Em um contexto de Selic a 2% a.a., os investidores estavam dispostos a apostar em empresas do tipo, que não geram caixa no presente mas prometem resultados exponenciais no futuro. Os juros baixos davam apetite ao risco.

Mas, com a Selic a 13,25% a.a., pré-fixados rendendo 1% líquido ao mês e produtos de renda fixa performando bem, fica bem mais difícil para o investidor comprar a tese de investimento a longo prazo em fintechs. Ninguém está disposto a colocar dinheiro em risco quando é possível ganhá-lo sem fazer muito esforço.

Ainda mais quando existem empresas resilientes dando resultados no presente e ainda pagando dividendos robustos periodicamente.

E se, por um lado, a alta da Selic prejudica as fintechs, por outro, os bancos tradicionais brasileiros reforçam sua força e pujança.

Historicamente, os “bancões” se beneficiaram da taxa de juros altas por conseguirem aumentar o chamado spread bancário que, basicamente, é a diferença entre os juros que os bancos pagam para captar recursos e os juros que eles cobram em empréstimos e outras operações de crédito. Consequentemente, eles aumentam sua margem de lucro (e pagam mais dividendos).

Somado a isso, essas instituições de maior porte também se destacam na oferta de produtos de renda fixa, que atraem os investidores em períodos de Selic alta.

TCHAU, FINTECHS? ESTE ‘BANCÃO’ ESTÁ DISTRIBUINDO DIVIDENDOS ROBUSTOS; CLIQUE PARA DESCOBRIR QUAL

Nesse cenário de “retomada” dos “bancões” e derrocada (ao menos, temporária) das fintechs, uma instituição em especial ganha destaque por estar com as ações baratas e pagando bons dividendos.

Renda extra na B3? Conheça esta ação

Os dividendos são uma parcela do lucro da empresa que é dividida com os acionistas. Então, logicamente, uma empresa só distribui dividendos se ela aufere lucro. É exatamente isso que este tradicional banco brasileiro está fazendo, com um dividend yield (DY) estimado de 5% ao ano.

  • O dividend yield nada mais é do que o índice que mede a rentabilidade dos dividendos de uma empresa em relação ao preço de suas ações. Quanto mais alto, melhor para os investidores.

Se olharmos o histórico da instituição, que já teve o DY na casa dos 11% a.a., é possível que o índice aumente nos próximos meses, beneficiando ainda mais os acionistas:

Alguns outros fatores também contribuem para que este banco se torne uma boa opção para sua carteira de investimentos, segundo analistas.

Além de ser um dos “pesos pesados” da bolsa brasileira, a empresa tem apresentado uma boa recuperação pós-pandemia. Seu ROE (retorno sobre patrimônio líquido), que havia diminuído nos últimos dois anos devido ao aumento de provisões para lidar com a crise ocasionada pela Covid, já retornou aos níveis pré-pandêmicos.

Sua receita de serviços (cartões, conta corrente e corretagem, entre outros) e seguros se expandiu, crescendo 7% em 2021 frente a 2020, contrariando a ideia de que as fintechs ameaçariam essa linha de produtos das instituições maiores.

As perspectivas para o futuro também são promissoras. O banco espera um crescimento entre 11,5% e 14,5% da carteira de crédito total em 2022, com margem de clientes entre 22% e 25%, o que levaria novamente a um aumento de lucros em 2022.

E aí, uma coisa leva à outra: com o aumento de lucros, consequentemente há um aumento dos pagamentos de dividendos.

RENDA EXTRA NA B3? CONHEÇA O ‘BANCÃO’ QUE ESTÁ DISTRIBUINDO DIVIDENDOS ROBUSTOS

Para complementar, outra vantagem que este banco está oferecendo aos investidores é o preço de suas ações: sendo negociado a apenas 8 vezes P/L, os analistas consideram que o papel está barato.

  • O P/L é o indicador preço/lucro, que relaciona o preço de uma ação com o lucro apresentado ou projetado pela empresa. Na prática, ele mostra quanto o mercado está disposto a pagar pelos resultados da companhia. Quando ele está baixo (como a deste banco), pode ser que a ação esteja “subvalorizada” e em um bom ponto de entrada.

Isso significa que, neste exato momento, você está diante de uma oportunidade bem atrativa: há uma instituição sólida, resiliente à alta dos juros e da inflação, pagando bons dividendos e sendo negociada a baixos múltiplos. O famoso “bom e barato”, se formos usar uma expressão fora do mercado financeiro.

Enquanto as bolsas ao redor do mundo inteiro estão passando por dificuldades, você pode aproveitar esse momento para investir em uma empresa que está entregando bons resultados e buscar uma renda extra na sua conta ‒ algo muito bem-vindo no contexto atual, convenhamos.

Clicando no botão abaixo, você tem acesso ao relatório gratuito que revela qual é o banco em questão e, de bônus, ainda recebe a indicação de outras 4 empresas com boas perspectivas de dividendos:

‘QUERO DIVIDENDOS NA CONTA’: ACESSE O RELATÓRIO GRATUITO