Tecnologia

Enfim, o carro voador

Projetista eslovaco Stefan Klein desenvolve carro com asas e hélice e, sem muito alarde, ganha certificado de aeronavegabilidade ao completar 200 pousos e decolagens

Crédito: Divulgação
É UM PÁSSARO? UM AVIÃO? NÃO, É UM CARRO! A cena surreal do AirCar… voando! Os fundadores da Klein Vision e o veículo no modo terrestre (Crédito:Divulgação)

Enquanto alguns partiram do zero com projetos mirabolantes e dignos de ficção-científica, o eslovaco Stefan Klein teve uma ideia simples e a colocou para funcionar — aliás, de tão simples, poderia ter sido desenhada por uma criança.

Assim nasceu o carro voador, o primeiro no mundo com certificado de aeronavegabilidade, dado pela autoridade eslovaca de transporte.

A simplicidade se deu em olhar um carro e pensar: “Vou colocar asas, uma grande hélice e um aerofólio na traseira”. Pronto. O projeto do fundador e CEO da Klein Vision virou realidade, quase como uma réplica do clássico e recordista da corrida de LeMans, o Porsche 917, só que com asas.

A corrida dos eVTOLs, ou aeronaves elétricas de decolagem e pouso vertical, tem nomes como a israelense Urban Aeronautics, que desde 2006 vem desenhando um shutter com hélice para decolagens e poucos no meio da cidade, ou a brasileira Embraer, em parceria com a Eve, que teria mais de 600 encomendas já. Mas obter o OK pra voar é o passe final que todos os grandes investidores do meio desejam — a Urban Aeronautics quer US$ 100 milhões para finalizar seu projeto, enquanto a Klein, que não revela oficialmente seus números, teria gasto perto de 2 milhões de euros para conseguir chegar ao certificado, precisando de mais 4 milhões para lançar sua produção em massa.

Klein teve um cofundador, Anton Zajac, e uma equipe de desenvolvimento que fez mais do que só completar um sonho infantil iniciado em 1989: foram oito especialistas altamente qualificados que passaram mais de 100 mil horas trabalhando nos protótipos Aeromobil 2 e 3 até chegarem no AirCar final, que fez mais de 200 decolagens e pousos, como podem ser vistos em vídeos no site da empresa (www.klein-vision.com) e no Youtube.

“O certificado que conseguimos abre as portas para a produção em massa de um carro muito eficiente. É a confirmação final de nossa habilidade de mudar as viagens de média distância para sempre”, disse Klein. E é praticamente isso mesmo, já que alcança 300km/h com motor BMW de seis cilindros e 140hp (sim, é a gasolina, não é elétrico), e tem autonomia de 1 mil km. Enquanto outras empresas fizeram belos protótipos no computador e alguns testes em lugares discretos (ninguém quer ver o veículo cair, certo?), o AirCar realizava seus tranquilos voos — muitos deles feitos pelo próprio fundador, que tem mais de 1,2 mil horas de voo em aviões ‘normais’ e 3 mil pilotando um glider. “Ele realmente se comporta como uma aeronave no modo de voo”, afirmou Klein.

Expert do ar Professor, graduado na Universidade de Tecnologia na Eslováquia em 1983, com estudos na Academy of Fine Arts and Design (Afad, na qual foi chefe do departamento deTransportes e Design), École des Beaux Arts et Design e autor de projetos inovadores em cooperação com marcas automotivas como Audi, BMW e Volkswagen, Klein está longe de ser um cientista loucão. As asas são retráteis, para que ele possa retornar às estradas.

Você mora no interior? Constrói uma pequena pista em sua propriedade e vai para o aeroporto mais próximo na cidade grande. Recolhe as asas e vai para o escritório.

Experts em aerodinâmica avaliaram os projetos, fizeram cálculos e mais cálculos e atestaram que o carro poderia voar. Apesar do visual comum, sua lataria não tem nada a ver com o seu carro: usaram um material composite na fuselagem, feito por uma renomada companhia eslovaca, que ajuda na aerodinâmica do AirCar.

A Morgan Stanley, de serviços financeiros, avalia que o mercado de carros voadores será de US$ 1 trilhão até 2040 — investidores, incluindo dos Estados Unidos, já fizeram ofertas, mas Klein acredita que o dinheiro que já tem em casa é o suficiente.

Ah, só para garantir, o AirCar traz um paraquedas, caso seja necessário.