Meio ambiente

Energias renováveis quadruplicaram no mundo em 10 anos

Energias renováveis quadruplicaram no mundo em 10 anos

Os 20 países que mais investiram em energias renováveis entre janeiro de 2010 e o fim de junho de 2019 - AFP

As energias renováveis viram sua capacidade de produção quadruplicar no mundo em 10 anos, embora isso não tenha impedido o crescimento das emissões do setor energético – aponta um relatório divulgado nesta quinta-feira (5) antes da cúpula climática da ONU.

Investimentos em energia eólica, biomassa, hidrelétrica e, sobretudo, solar atingiram nesta década mais de 2,5 trilhões de dólares, impulsionados pela queda nos custos, informa este relatório anual produzido pela Escola de Finanças e Administração de Frankfurt e Bloomberg New Energy Finance (BNEF) com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

De acordo com seus cálculos, que não incluem barragens com mais de 50 MW, as energias renováveis agora representam uma capacidade de 1.650 gigawatts (em comparação com 414 GW em 2009) e geraram 12,9% da energia global em 2018.

A energia solar representa a maior parte dos 2.300 GW da capacidade total instalada ao longo da década, excedendo recursos fósseis, como carvão e gás.

O relatório distingue 30 países que investiram mais de US$ 1 bilhão em energias renováveis durante esse período – enquanto ainda utilizam, em sua maioria, energias fósseis.

O maior investidor é, de longe, a China, principal emissor mundial de CO2, que gastou 760 bilhões em energia verde desde 2010.

Desde 2009, o custo da energia gerada pelas usinas fotovoltaicas caiu 81%, e o a energia eólica terrestre, 46%, um aumento espetacular da competitividade.

Para Françoise d’Estais, do PNUMA, “isso mostra que a transição do setor de energia está em andamento”.

Mas “não é rápido o suficiente para permitir que o mundo cumpra suas metas climáticas e de aquecimento”, acrescenta ela.

“No aquecimento, ou na refrigeração, a transição ainda não existe. E os subsídios (aos combustíveis fósseis) ainda representam o dobro do apoio a fontes renováveis”, completou.

“Quando estou de dieta, não conto apenas a salada, mas também os bolos de chocolate! Aqui é uma questão de tentar substituir os combustíveis fósseis, e isso é um desafio”, diz à AFP Ulf Moslener, pesquisador da Frankfurt School.

“Em algumas regiões, estamos vendo muito investimento em energias renováveis, mas também em combustíveis fósseis. Além disso, setores como transporte e indústria estão sujeitos a mudanças estruturais, mas provavelmente será o setor de eletricidade que mais facilmente atingirá zero emissão líquida de CO2”, antecipa Ulf.

Em 2018, as energias verdes evitaram a emissão de 2 bilhões de toneladas de CO2, segundo o relatório. No entanto, as emissões gerais do setor de energia também atingiram um recorde de 13,7 bilhões de toneladas, afastando o mundo ainda de suas metas climáticas.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, está organizando uma cúpula em 23 de setembro, em Nova York, para tentar obter compromissos mais fortes dos Estados para reduzir suas emissões de CO2.

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?