Estilo

Encerramento histórico

Primeiro estilista negro dos EUA a mostrar suas criações na semana de alta costura, Kerby Jean-Raymond, da grife Pyer Moss, faz história ao exibir peças lúdicas e referências às bases da cultura afro-americana.

Crédito: Bebeto Matthews

IMPACTO A mansão de Madame C.J. Walker, em Nova York, palco do desfile, e as roupas da Pyer Moss. (Crédito: Bebeto Matthews)

O fim da temporada de inverno 2021 da semana de alta costura não ocupou os tradicionais salões de Paris, onde foram apresentados desfiles de grifes como Chanel e Christian Dior. Ele nem mesmo ficou a cargo de uma marca com décadas de prestígio no mercado. E até a data originalmente agendada sofreu mudanças. Por isso mesmo, foi um desfile histórico e repleto de simbolismos.

Primeiro negro norte-americano convidado a fazer parte do calendário oficial do evento, o estilista de ascendência haitiana Kerby Jean-Raymond apresentou em Nova York a coleção de estreia na alta costura da Pyer Moss, a engajada grife que ele criou em 2013. O desfile teve como cenário a Villa Lewaro, antiga residência de Madame C. J. Walker (1867-1919), primeira mulher negra nos EUA a ter se tornado milionária. E o desfile só começou após um discurso de Elaine Brown, única líder feminina do Partido dos Panteras Negras.

Divulgação

A coleção apresentada por Jean-Raymond foi considerada histórica não apenas por seu simbolismo, mas por se afastar da imagem de seriedade tradicionalmente associada à alta costura. Ele ousou ao criar peças lúdicas e repletas de referências às bases da cultura afro-americana. As roupas, extravagantes, foram inspiradas em itens de uso cotidiano inventados por negros, caso dos bobes de cabelo e do refrigerador. “Eu queria que essa coleção fosse nova, imperfeita e divertida. E algumas das peças são hilárias para mim, como o vestido inspirado no pote de pasta de amendoim”, disse Raymond. “Com a alta costura, não há limites. Podemos criar novas expressões de nós mesmos.”

Angela WeissDUPLA JORNADA Além de comandar a própria grife, Kerby Jean-Raymond é diretor criativo da Reebok. (Crédito:Angela Weiss)

PROPÓSITO Desde que foi fundada, a Pyer Moss vem consolidando uma imagem de resgate histórico e de luta contra o apagamento negro. Como diz seu criador, trata-se de um “projeto artístico que opera no espaço da moda”. Uma de suas coleções anteriores, batizada American, Also: Lesson 1, fez uma homenagem aos cowboys negros do século 19. Já American, Also: Lesson 3 homenageia a cantora negra Sister Rosetta Tharpe, considerada precursora do rock. As criações chamaram a atenção de personalidades como a vice-presidente dos Estados Unidos Kamala Harris e a atriz Zendaya. Além da grife própria, Jean-Raymond é diretor criativo da marca esportiva Reebok desde o ano passado.