Dinheiro em Ação

Empresas lucram R$ 50,8 bi no trimestre

Empresas lucram R$ 50,8 bi no trimestre

Papéis avulsos

As 285 empresas de capital aberto brasileiras lucraram, juntas, R$ 50,8 bilhões no primeiro trimestre, alta de 7,43% em comparação aos R$ 47,3 bilhões no mesmo período do ano passado, de acordo com levantamento da empresa de informações financeiras Economatica. O setor bancário, com 21 empresas, respondeu pela maior parte desse montante. Foram R$ 17,5 bilhões, ou 34,4% do total. Em seguida, vem o setor de Óleo e Gás, com ganho de R$ 7,6 bilhões. O número foi impulsionado pelo resultado da Petrobras, que foi a empresa mais lucrativa do trimestre, com R$ 6,96 bilhões, alta de 57% na comparação anual. Em seguida, figura o Itaú Unibanco, maior instituição financeira do País, que lucrou R$ 6,28 bilhões. Dos 26 setores analisados, somente o de Construção apresentou prejuízos, em um total de R$ 482,9 milhões. Entre as companhias, 95 tiveram perdas. A construtora Mendes Junior teve o maior resultado negativo, R$ 245 milhões.

 

Quem vem lá

Bunge Brasil fará IPO de sua unidade de etanol

A gigante americana do agronegócio Bunge, presidida por Soren Schroder, protocolou junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) um pedido para realizar sua oferta pública de ações (IPO, na sigla em inglês) da sua unidade de açúcar e etanol no Brasil, a Bunge Açúcar & Bionergia. O pedido confirma, oficialmente, a desistência da multinacional de vender suas oito usinas de açúcar e etanol no País. A Bunge vinha tentando se desfazer desses ativos desde 2014, mas não encontrou investidores interessados. A multinacional indicou, no entanto, que não prevê emitir novas ações para o IPO, mas vai vender ativos próprios na potencial transação.

 

Bebidas

Ambev terá novo CFO

O Conselho de Administração da Ambev aprovou na semana passada o nome de Fernando Mommensohn Tennenbaum para o cargo de diretor financeiro e de relações com investidores. Ele assume a nova função em 1º de julho, em substituição a Ricardo Rittes de Oliveira Silva. As ações sobem 1,4% no ano.

 

Siderurgia

Usiminas eleva ganho da CSN

A CSN lucrou R$ 1,48 bilhão no primeiro trimestre, alta de 1.159% em relação aos R$ 117,6 milhões do mesmo período de 2017. O resultado cresceu pois a siderúrgica passou a contabilizar as ações da Usiminas que possui. A empresa presidida por Benjamin Steinbruch tem 74,7 milhões de ações preferenciais e 139 milhões de ações ordinárias da concorrente, que se valorizaram, em média, 20% no período. Focada em diminuir sua dívida, a CSN vendeu uma laminadora de aço nos Estados Unidos para a Steel Dynamics por US$ 400 milhões na semana passada, e pretende vender mais R$ 4 bilhões em ativos para quitar parte de seus compromissos. No fim de março, a dívida estava em R$ 26,5 bilhões. No ano, as ações sobem 14,3%.

 

Touro x Urso

O Índice Bovespa continua no azul em maio, subindo 0,5% até a quarta-feira 16. A alta vem sendo sustentada pelas empresas de commodities. Petrobras subiu 19,2% no mês e Vale avançou 14,9%, devido à valorização de 5,7% no dólar nesse período.

 

Destaque no pregão

Lucro da Eletrobras desaba

A Eletrobras, maior empresa elétrica da América Latina, lucrou R$ 56 milhões no primeiro trimestre, queda de 97,5% frente ao R$ 1,37 bilhão obtido no mesmo período do ano passado. O resultado veio muito abaixo da expectativa dos analistas, que esperavam lucro de R$ 270 milhões. Ao comentar os resultados, o presidente da estatal, Wilson Ferreira, disse que a operação se tornará mais lucrativa após a privatização de seis distribuidoras de energia estaduais, que somaram prejuízos de R$ 1,9 bilhão entre janeiro e março. O leilão, porém, ainda não está garantido. Sua confirmação depende de um parecer do Tribunal de Contas da União (TCU), que pode sair em junho. A venda das distribuidoras é essencial para viabilizar a privatização da Eletrobras, cujo projeto tramita no Congresso. A ação cai 3% no ano.

Palavra do analista:
De acordo com Regis Chinchila, analista da Terra Investimentos, a capitalização da companhia com o leilão das distribuidoras é essencial para manter a posição financeira saudável e viabilizar os investimentos de R$ 6,2 bilhões previstos para este ano. “No entanto, os agentes do mercado financeiro têm dúvidas em relação à demanda pelas distribuidoras”, diz.

 

 

Mercado em números

CARREFOUR
R$ 12,5 bilhões – Foi a receita da subsidiária brasileira da rede de supermercados de origem francesa entre janeiro e março deste ano

CEMIG
R$ 464 milhões – É o valor que a estatal mineira de eletricidade lucrou no primeiro trimestre, avanço de 35,6% frente o mesmo período de 2017

BANCO INTER
R$ 279 milhões – Foi o total de depósitos à vista que o banco digital da família Menin, dona da construtora MRV, recebeu no primeiro trimestre

SOMOS EDUCAÇÃO
R$ 113 milhões – É o lucro líquido que a companhia especializada no segmento de educação básica apresentou no primeiro trimestre, um avanço de 40,2% em relação ao mesmo período de 2017

ITAÚ UNIBANCO
21 – É o número de anos em que certificados de ações do banco são negociados na Bolsa de Nova York (NYSE)