Mundo

Empresas dos EUA que cobrem custos de aborto devem enfrentar disputas legais

Crédito: Kevin Lamarque/Reuters

Ajuda de empresas a aborto de funcionários pode levar a ações judiciais e responsabilidade criminal (Crédito: Kevin Lamarque/Reuters)



Por Daniel Wiessner

(Reuters) – Um número crescente de grandes empresas dos Estados Unidos disse que cobrirá os custos de viagem de funcionários que precisam deixar seus Estados de origem para realizar abortos, mas essas novas políticas podem expor as companhias a ações judiciais e até mesmo a possível responsabilidade criminal, disseram especialistas jurídicos.

Em lado oposto dos EUA, Chile inclui direito ao aborto em proposta da nova Constituição

Revogação do direito ao aborto nos EUA gera temores sobre dados pessoais online




Secretária da Família do governo Bolsonaro atuou em decisão contra aborto nos EUA

Amazon.com, Apple, Lyft, Microsoft e JPMorgan estão entre as empresas que anunciaram projetos para fornecer esses benefícios por meio de seus planos de saúde, antecipando-se à decisão de sexta-feira da Suprema Corte dos EUA. O tribunal anulou a histórica decisão Roe v. Wade, de 1973, que legalizava o aborto em todo o país.

A decisão, ditada pela maioria conservadora da corte, confirmou uma lei do Estado norte-americano do Mississippi que proíbe o aborto após 15 semanas. Enquanto isso, alguns Estados liderados por democratas movem-se para reforçar o acesso ao aborto.


As empresas terão que navegar nessa colcha de retalhos de leis estaduais e provavelmente atrairão a ira de grupos antiaborto e Estados liderados por republicanos caso adotem políticas de apoio a funcionários que desejam abortar.

Parlamentares estaduais no Texas já ameaçaram com repercussões legais Citigroup e Lyft, que haviam anunciado anteriormente políticas de reembolso de viagens. Um grupo de políticos republicanos escreveu em uma carta no mês passado para o presidente-executivo da Lyft, Logan Green, o Texas “tomará medidas rápidas e decisivas” se a empresa de transporte por aplicativo implementar a medida.

PROCESSOS JUDICIAIS

É provável que seja apenas uma questão de tempo até que as empresas enfrentem ações judiciais de Estados ou ativistas antiaborto, alegando que pagamentos relacionados ao aborto violam as proibições estaduais, de acordo com Robin Fretwell Wilson, professor de direito da Universidade de Illinois e especialista em direito da saúde.

Amazon, Citigroup, Lyft e várias outras empresas que anunciaram políticas de reembolso não responderam a pedidos de comentários.

Para muitas grandes companhias que financiam seus próprios planos de saúde, a lei federal que regulamenta benefícios de funcionários fornecerá proteção crucial em ações civis sobre as políticas de reembolso, disseram vários advogados e outros especialistas jurídicos.

O Employee Retirement Income Security Act (ERISA), de 1974, proíbe os Estados de adotar requisitos que “relacionem-se a” planos de saúde patrocinados pelo empregador. Os tribunais há décadas interpretam essa linguagem para barrar leis estaduais que ditam o que os planos de saúde podem e não podem cobrir.

Qualquer empresa processada por uma exigência de reembolso de viagens por aborto provavelmente citará a ERISA como defesa, de acordo com Katy Johnson, conselheira sênior de política de saúde do American Benefits Council, um grupo comercial. E esse será um forte argumento, disse ela, principalmente para empresas com políticas gerais de reembolso para viagens médicas necessárias, ao invés daquelas que destacam especificamente o aborto.

Johnson disse que os reembolsos para outros tipos de viagens relacionadas à saúde, como visitas a hospitais designados “centros de excelência”, já são comuns, embora as políticas relacionadas ao aborto ainda sejam relativamente raras.

LIMITES

O argumento, porém, tem seus limites. Planos de saúde nos quais os empregadores adquirem cobertura por meio de uma seguradora comercial, cobrem cerca de um terço dos trabalhadores com acesso a esses benefícios e são regulamentados por lei estadual, não pela ERISA.

A maioria das pequenas e médias empresas dos EUA tem planos totalmente segurados e não pode argumentar que a ERISA impede os Estados de limitar a cobertura do aborto.

Além disso, a ERISA não pode impedir que os Estados apliquem leis criminais, como as de vários Estados que consideram crime ajudar e estimular o aborto, de modo que os empregadores que adotam políticas de reembolso são vulneráveis a acusações desse tipo por promotores estaduais e locais.

Mas como a maioria das leis criminais sobre aborto não é aplicada há décadas, desde a decisão da Suprema Corte em 1973, não está claro se as autoridades tentariam processar empresas, de acordo com Danita Merlau, advogada de Chicago que assessora empresas em questões de benefícios.

(Por Daniel Wiessner)

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI5Q0RI-BASEIMAGE






Tópicos

aborto Aborto -- wikipédia aborto dados pessoais em plataformas digitais aborto deixa de ser legal nos EUA aborto Estados ilegal aborto ilegal nos EUA aborto já foi proibido em oito Estados aborto nos eua aborto revogação Suprema Corte abortos abortos Estados Unidos abortos nos EUA Airbnb Amazon ao menos oito Estados aborto proibido ao menos oito Estados já proibiram aborto ao menos oito Estados já proibiram o aborto Apple auxiliar abortos pode levar a ações contra empresas Biden discurso na Casa Branca após decisão Biden Suprema Corte dos EUA caça às bruxas contra mulheres abortam Citigroup como é o coágulo que sai quando aborta? Como ocorre abortos espontâneos? Como saber se o feto saiu todo compartilhar dados atividades de risco nos Estados Unidos Consequências da interrupção da gravidez corte reverteu decisão de 1973 que reconheceu o direito constitucional ao aborto corte reverteu decisão que reconhecia direito aborto dados digitais pessoas que abortam dados digitais proteção dados pessoais online dados pessoais online sobre abortos dados pessoais podem revelar que mulher abortou dados pessoais sobre aborto em plataformas digitais dakota do sul decisão aborto Suprema Corte dos EUA decisão corte sobre aborto decisão corte suprema aborto decisão deixa os 50 estados da União livres para proibir o aborto e decisão EUA aborto decisão reverte direito constitucional ao aborto decisão Suprema Corte aborto decisão Suprema Corte aborto EUA decisão Suprema Corte aborto nos EUA decisão Suprema Corte deixa os 50 estados da União livres para proibir o aborto decisão Suprema Corte dos EUA decisão Suprema Corte dos EUA sobre aborto decisão Suprema Corte EUA aborto decisão Suprema Corte limita aborto nos EUA decisão vitória republicanos dia monumental para a santidade da vida procurador Missouri dia triste para o tribunal e para o país direito a aborto direito aborto direito ao aborto direito ao aborto a nível federal direito ao aborto EUA Suprema Corte direito ao aborto nos EUA direito ao aborto passa a não ser reconhecido nos EUA direito ao aborto revogado direito ao aborto revogado EUA direito mulheres direito mulheres abortar direito mulheres optar não ter filhos direito sobre corpo mulheres direito sobre o corpo direitos das mulheres a abortar direto mulheres ao aborto discurso na Casa Branca empresas ações judiciais Estados ativistas antiaborto empresas ajuda abortos empresas dos Estados Unidos empresas enfrentem ações judiciais de Estados empresas podem atrair ira de grupos antiaborto empresas podem sofrer processos por ajudar funcionários abortos empresas que anunciaram políticas de reembolso não responderam a pedidos de comentários empresas responsabilidade criminal ajudar abortos era de vigilância online sem precedentes Estados proíbem aborto Estados tornam aborto ilegal Estados Unidos retrocesso aborto EUA proibição ao aborto EUA proibição ao aborto Suprema Corte EUA revogação direito ao aborto EUA voltam a proibir aborto Facebook FFF google Google e Meta governador de Indiana anunciou que convocará legislatura governadora da Dakota do Sul aborto ilegal governadora da Dakota do Sul declarou aborto ilegal governadora da Dakota do Sul declarou que aborto ilegal grandes empresas que anunciaram projetos para fornecer esses benefícios Indiana informação é anônima mas acessível com ordem juidicial Instagram joe biden Joe Biden aborto JPMorgan jpmorgan Chase Kristi Noem Kristi Noem governadora Dakota do Sul legislação sobre o corpo das mulheres lei do Mississipi lei do Mississippi que proíbe aborto após 15 semanas lei que proíbe aborto após 15 semanas foi aprovada lei todos os abortos são ilegais em Dakota do Sul leis incentivam cidadãos a denunciar as mulheres suspeitas de terem abortado leis sobre o direito das mulheres a abortar levi strauss lobby pró-escolha lobby pró-vida lyft maioria conservadora Suprema Corte medo caça às bruxas contra mulheres abortam medo de repressão a mulheres que abortam medo pegadas digitais sejam usadas contra as mulheres que abortam messenger meta Metronidazol aborta Microsoft missouri mulheres direito a abortar mulheres que praticaram aborto pegadas digitais O que faz perder o bebê no início da gravidez? ONG Electronic Frontier Foundation Por que acontece abortos? presidente dos EUA presidente dos EUA Joe Biden presidente estados unidos presidente Joe Biden primeiro estado a proibir aborto Missouri pró escolha pró-vida procurador-geral de Missouri primeiro a proibir aborto proibição aborto proteção de dados pessoais mulheres que abortaram proteção de dados pessoais plataformas tecnológicas Quais abortos são legais? Quais são as chances de perder o bebê? questão dos abortos rastreio usuários venda espaço publicitário ultrapersonalizado para anunciantes retrocesso nos EUA aborto revogação direito aborto EUA revogação do direito a aborto Revogação do direito ao aborto Sangramento após interrupção da gravidez suprema corte aborto Suprema Corte anulou decisão que legalizava aborto Suprema Corte anulou decisão que legalizava aborto em todo país Suprema Corte anulou decisão que legalizava aborto no país Suprema Corte anulou decisão Roe v. Wade que legalizava aborto Suprema Corte confirmou lei do Mississippi que proíbe aborto após 15 semanas Suprema Corte confirmou lei que proíbe aborto após 15 semanas Suprema Corte decidiu revogar o direito federal ao aborto Suprema Corte dos EUA Suprema Corte dos EUA anulou decisão de 1973 Suprema Corte dos EUA reverte decisão histórica que garantiu direito ao aborto suprema corte estados unidos Suprema Corte EUA Suprema Corte reverte decisão garantia direito aborto Suprema Corte revoga direito aborto EUA Suprema Corte revogou direito ao aborto Suprema Corte revogou direito federal ao aborto temores caça às bruxas contra mulheres abortam temores sobre dados pessoais online Updated vida mulheres dos EUA em risco vidas mulheres americanas em risco vitória conservadores vitória conservadores aborto EUA vitória de conservadores nos EUA vitória dos pró-vida vitória para conservadores Yelp