Edição nº 1108 15.02 Ver ediçõs anteriores

Empresa lança o Rosé Piscine em garrafa de 1,5 litro, motivada por sucesso nas vendas do vinho no Brasil

Lançado há quatro anos por aqui, deve vender este ano 200 mil garrafas no mercado nacional, o equivalente a 33% do total de exportação deste vinho

Empresa lança o Rosé Piscine em garrafa de 1,5 litro, motivada por sucesso nas vendas do vinho no Brasil

O Rosé Piscine, aquele vinho de rótulo de listas azuis e feito para beber com gelo, é um sucesso no Brasil. Lançado há quatro anos por aqui, deve vender este ano 200 mil garrafas no mercado nacional, o equivalente a 33% do total de exportação deste vinho. O sucesso deste produto, frutado e mais doce, motivou a Vinovalie, a cooperativa francesa que elaborada a bebida, a promover o lançamento mundial de sua nova garrafa, agora de 1,5 litro, no Brasil, com a presença de seu presidente Jacques Tranier.

Tranier teve a ideia de desenvolver a bebida ao passar férias em Saint-Tropez. Lá, o vinho era servido em taças de conhaque, com gelo, para refrescar, mas Tranier achava que a bebida ficava diluída. De volta ao trabalho, foi pesquisar maneiras de tornar o vinho com gelo mais interessante, como conta na entrevista abaixo. Por aqui, o vinho é importado pela Wine to You, e a garrafa magnum tem preço de R$ 245 para o consumidor.

Quais são as uvas que possibilitam elaborar um vinho para ser bebido com gelo? O vinho que está no Brasil é elaborado com negrette, mas tem também um com syrah.

O que é importante perceber é que, em razão do fenômeno de diluição com cubos de gelo, é fundamental usar uma casta de uva com alto potencial aromático. A expressão aromática da négrette nos vinhos rosés é excelente.

O que muda na elaboração de um vinho que deve ser consumido com gelo?

É absolutamente necessário extrair bem os aromas para que o vinho, que é submetido à temperatura baixa com a ação dos cubos de gelo e que é diluído, não perca seu buquê. É impossível extrair os aromas de uma uva cujo estado sanitário não seja saudável. A uva deve estar sã, perfeita, e sua maturação tem quer ser ótima. Na maioria das vezes, nossos concorrentes do mercado não extraem esses aromas naturais do vinho. Por outro lado, é necessário trabalhar a palatabilidade do vinho enquanto se trabalha em paralelo seu teor de açúcar. É necessário parar a fermentação antes da conversão total do açúcar em álcool, de modo a manter um grau de doçura natural. Sem este domínio da técnica, o resultado qualitativo é imperfeito.

Quando lançou o Rosé Piscine, qual era a aceitação que você esperava deste produto?

No lançamento, todos diziam que esse conceito nunca funcionaria. Ninguém acreditava nisso. Colocar cubos de gelo no vinho foi considerado “um crime de lesa-majestade”. Rosé Piscine começou sua notoriedade devido a uma forte controvérsia e a um conflito de gerações. Os jovens sempre tendo a última palavra ao longo do tempo.

Presidente da Vinovalie, Jacques Tranier

Atualmente, quantos hectares de vinhedos são utilizados para elaborar o Rosé Piscine?

Um pouco mais de 230 hectares são utilizados para a elaboração do Rosé Piscine. Mas temos um potencial de uso de 500 hectares que podemos atingir rapidamente.

Na França, há três versões do Rosé Piscine. Há planos de trazer os demais vinhos para o Brasil?

Na França, temos versões diferentes de acordo com os canais de distribuição. O packaging é frequentemente testado no mercado francês e depois lançado nos mercados de exportação, se for bem-sucedido. Nós tínhamos lançado uma versão de Rosé Piscine com vinho branco que não funcionou e foi retirado do mercado. Um formato magnum de Rosé Piscine com a embalagem que vocês conhecem no Brasil está sendo lançado agora mundialmente, e o Brasil é o primeiro país a receber esta nova versão com 1,5 litro. Em 2019, lançaremos um produto de Rosé Piscine Frizz numa garrafa sleeve, como a do Brasil.

Na sua opinião, quais as razões para o vinho fazer tanto sucesso no Brasil?

Um perfil de vinho muito aromático e refrescante que está alinhado com o clima brasileiro. Uma garrafa inovadora e uma estética que agrada aos consumidores brasileiros, curiosos por novidades e novas tendências. Um conceito festivo que encontrou no Brasil uma audiência de consumidores que gostam de se divertir e são campeões em fazer festas. Conseguimos ter um bom posicionamento e distribuição, graças a uma boa análise e percepção de mercado.


Mais posts

A Peterlongo e o dilema do champanhe

Desde que comprou à centenária vinícola gaúcha em 2002 e, mais recentemente, desde a contratação do francês Pascal Marty como [...]

Nasce uma associação para divulgar o vinho

Na tentativa de ajudar a aumentar o consumo de vinho no Brasil, setores importantes decidiram se unir e lançar a Pró-Vinho.

A festa do padroeiro dos vinhateiros

Na Borgonha, todos os anos, no final de semana depois de 22 de janeiro, que é o dia do padroeiro, se comemora a festa de Saint Vincent

O preço do vinho vai subir

O aumento se deve ao reajuste da ST (sigla para substituição tributária) na cadeia do vinho. Na virada do ano, o governo estadual [...]

A participação do vinho na balança comercial brasileira

Segundo pesquisa da International Consulting, a bebida representa 0,21% da pauta de importação brasileira; sem entraves, números [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.