Giro

Empresa com que Pazuello negociou Coronavac importava brinquedos eróticos, menos vacina, diz jornal

Crédito: Reprodução/Twitter

Pazuello negociou compra da Coronavac com a World Brands no início do ano (Crédito: Reprodução/Twitter)

A CPI da Covid descobriu que a World Brands, companhia de comércio exterior com a qual o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello negociou a compra de 30 milhões de doses da Coronavac com valor inflacionado, possui registro de atividades para importação de diversos produtos, incluindo objetos eróticos, mas não para a de vacinas.

Segundo a descoberta da Comissão do Senado, Pazuello negociou com uma empresa que sequer importou vacinas nos anos que está em atividade no Brasil. Ao todo, a World Brands possui registros para importar 76 categorias de produtos, que vão desde itens de sex shop, passando por vestuário, produtos de higiene, brinquedos e informática. A companhia não possui, no entanto, registro para a importação de vacinas, de acordo com informações obtidas pelo jornal O Globo.



+ Anvisa autoriza análise da eficácia de dose de reforço da AstraZeneca

O preço das doses que seriam importadas pela empresa estava três vezes mais caro do que o valor praticado pelo Instituto Butantan, responsável pela fabricação da Coronavac no Brasil. Enquanto o Instituto cobrou US$ 10 por dose da Coronavac ao governo Jair Bolsonaro, a World Brands iria importar o imunizante por US$ 28 a dose.

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!