Ciência

Empresa americana tentará recriar espécie de mamute

Empresa americana tentará recriar espécie de mamute

(Arquivo) Escultura de mamute na Sibéria - AFP

Que o mamute-lanoso, espécie extinta há 4.000 anos, volte a pisar no solo ártico é o desafio que a empresa americana Colossal, lançada nesta segunda-feira, tentará superar com a ajuda de técnicas de manipulação genética.

“A Colossal lançará um modelo prático e eficaz de desextinção e será a primeira empresa a aplicar técnicas avançadas de modificação genética para reintegrar o mamute-lanoso à tundra do Ártico”, informou a empresa.

+ Quase 30% das espécies classificadas do planeta correm risco de extinção (UICN)

A desextinção, conceito de criar um animal semelhante a uma espécie extinta, por meio da genética, não é uma unanimidade entre a comunidade científica. Alguns pesquisadores duvidam da sua viabilidade ou se preocupam com os riscos de sua aplicação.



Criada pelo empresário Ben Lamm e o geneticista George Church, a Colossal tentará inserir sequências de DNA de mamutes-lanosos (obtidas a partir de restos preservados em solo siberiano) no genoma de elefantes asiáticos, a fim de criar uma espécie híbrida. O DNA do elefante asiático e o do mamute-lanoso são 99,6% semelhantes, afima a empresa em seu site.

A criação desses paquidermes híbridos e a sua reintrodução na tundra deverá permitir “restaurar ecossistemas desaparecidos, que poderiam ajudar a frear, ou mesmo a reverter, os efeitos das mudanças climáticas”, prevê a Colossal.

O mamute-lanoso modificado poderia “dar nova vida às pradarias do Ártico”, que, segundo a empresa, capturam dióxido de carbono e eliminam metano, dois gases do efeito estufa.

A empresa de biotecnologia conseguiu levantar US$ 15 milhões em fundos privados para alcançar seu objetivo, recebido com ceticismo por alguns especialistas. “Muitos problemas surgirão desse processo”, antecipou a bióloga Beth Shapiro ao “New York Times”. “Isso não é uma desextinção. Nunca mais haverá mamutes na Terra. Se funcionar, será um elefante quimérico, um organismo totalmente novo, sintético e geneticamente modificado”, tuitou Tori Herridge, bióloga e paleontóloga do Museu de História Natural de Londres.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago