Economia

Em reviravolta, Bolsonaro veta renegociação de dívidas para micro e pequenas empresas

Crédito: Wilson Dias/Agência Brasil

Fogo amigo: enquanto Guedes chama PEC dos Combustíveis de Kamikaze, filhos de Bolsonaro apoiam texto no Congresso (Crédito: Wilson Dias/Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro (PR) vetou nesta sexta-feira (7) o projeto que instituía o Programa de Reescalonamento do Pagamento de Débitos no Âmbito do Simples Nacional (Relp).  O Projeto de Lei Complementar nº 46 permitia que mais de R$ 50 bilhões em dívidas de Microempreendedores Individuais e empresas adequadas ao Simples fossem parceladas.



O veto foi justificado no Diário Oficial da União por inconstitucionalidade e contrariedade ao interesse público.

+Aumento do salário mínimo eleva contribuição ao INSS: veja as tabelas

De acordo com o Globo, a decisão causou espanto na equipe econômica, que apesar de se posicionar favoravelmente ao veto, não acreditava que o presidente fosse vetar o projeto integralmente. O Ministério da Economia argumentava que o projeto não apresentava uma compensação financeira.

O projeto foi aprovado em dezembro do ano passado pela Câmara dos Deputados e previa facilitar o parcelamento de dívidas pequenas e microempresas que foram mais afetadas pelo cenário econômico e pandemia em até 15 anos. 

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!



Além disso, os descontos nos juros e multas aplicadas poderiam chegar a 90% e a 100% no caso dos encargos legais, a depender das perdas dessas empresas.

Após o veto de Bolsonaro, o projeto volta para o Congresso Nacional, onde ele pode ser mantido ou derrubado. Ele foi aprovado na Câmara por 382 a 10. Já no Senado, passou por votação simbólica.