Negócios

Elon Musk

Ele é considerado o inventor do futuro. Poucas mentes são tão instigantes como a do bilionário sul-africano dono da Tesla e da Spacex. Agora, sua meta é colonizar Marte e unir o cérebro a um chip

Elon Musk

É fácil definir, em poucas palavras, o empreendedor sul-africano Elon Musk. Ele pode ser considerado o inventor do futuro. Suas empresas representam sua visão sobre o mundo. A Tesla, por exemplo, fabrica o carro do futuro. A Hyperloop, o trem do futuro. A SolarCity gera a energia do futuro. A SpaceX é o futuro das viagens espaciais. Se você quer ter uma ideia de como será o futuro (perdão pela repetição excessiva do termo), não é possível vislumbrá-lo sem saber o que pensa Musk. Por esse motivo, ele está sendo considerado o novo Steve Jobs, o cofundador da Apple (1955-2011), que revolucionou diversos setores da economia, como o da computação, da música, dos celulares e do entretenimento. “Elon Musk tem uma agenda muito mais ambiciosa do que Jobs, embora não tenha desenvolvido ainda um produto com tanto sucesso como os Macs ou os iPhones”, afirma o jornalista Ashlee Vance, autor do livro Elon Musk: como o CEO bilionário da SpaceX e da Tesla está moldando nosso futuro, publicado pela editora Intrínseca no Brasil. “Mas não há dúvida de que ele é o novo Steve Jobs.”

Nascido em Pretória, na África do Sul, em 1971, Musk mudou-se para o Canadá com 17 anos. Era filho de uma mãe canadense com um sul-africano. Em 1992, foi estudar administração e física na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos. Após concluir os estudos, tentou um Ph.D na Stanford University, na Califórnia. Mas deixou o curso para fazer sua veia empreendedora fluir. Em 1995, aos 24 anos, criou a Zip2, um guia de empresas de internet, que foi comprada pela Compaq por US$ 307 milhões em 1999. Neste mesmo ano, ele foi um dos fundadores da X.com, que se tornou a empresa de pagamentos online PayPal.

2014: há três anos, DINHEIRO colocava Elon Musk em sua capa, reconhecendo no empreendedor o espírito inovador de uma era

Três anos depois, ela foi comprada pela eBay por US$ 1,5 bilhão. Musk faz parte do grupo que foi chamado de a “máfia do Paypal”, um time de empreendedores que trabalhou na companhia e depois se notabilizou no Vale do Silício, região dos Estados Unidos que abriga as principais empresas de tecnologia e de internet. Os membros mais ilustres dessa gangue tecnológica do bem incluem ainda Peter Thiel, um dos primeiros investidores do Facebook e dono da empresa de big data Palantir, e Reid Hoffman, fundador da rede social LinkedIn, comprada pela Microsoft por US$ 26,2 bilhões, em 2016.

Essa atuação já seria responsável por colocar Musk como um dos grandes nomes do Vale do Silício. Mas, a partir de então, o empresário começou a testar os limites do futuro, desenvolvendo projetos que alguns consideram coisa de maluco. “Há uma aura de insanidade em tudo o que Musk faz, mas seus projetos provêm de algo muito lógico”, afirma Vance. O aquecimento global é um problema? Então, Musk resolveu criar a Tesla para desenvolver carros elétricos. Hoje, a montadora do futuro vale aproximadamente US$ 60 bilhões, mais do que a centenária Ford e um pouco atrás da GM – neste ano, por um breve momento, a Tesla ficou à frente da GM. O transporte de trem é ineficiente? Por que não criar um tubo a vácuo para transportar pessoas em alta velocidade. Surgiu assim a Hyperloop, projeto cuja patente ele cedeu a outros empreendedores para que a desenvolvesse. Na SpaceX, Musk fez o que parecia impossível: construir foguetes do zero e levá-lo ao espaço. “Algumas pessoas não gostam de mudar, mas você precisa abraçar a mudança, se a alternativa for um desastre”, gosta de dizer Musk, para justificar seus projetos.

Nos últimos tempos, o CEO bilionário da Tesla, dono de uma fortuna estimada em US$ 21,8 bilhões, envolveu-se em projetos ainda mais malucos. O principal deles é o seu plano de levar o homem à Marte e estabelecer uma colônia humana no Planeta Vermelho a partir de 2023. “Quando Musk me disse que planejava se aposentar em Marte, eu realmente achei que ele era maluco”, diz Vivek Wadhwa, membro eminente da Singularity University e da Stanford University. “Agora, não acho mais que ele seja louco. Ele construiu foguetes e está fazendo isso se tornar real.” O dono da Tesla também investiu na Neuralink, uma startup cujo objetivo é ligar o cérebro humano a chips. E, como não bastasse isso, criou uma nova empresa que batizou de The Boring Company, cujo objetivo é criar túneis debaixo das cidades para acabar com os congestionamentos, algo que o irrita muito, principalmente em Los Angeles.

O desafio de Musk, agora, é mostrar que suas ideias sobre o futuro podem dar certo. “Suas empresas precisam provar que podem ser lucrativas, como a Apple e a Pixar”, diz Vance. A Tesla, por exemplo, enfrenta uma série de problemas de produção com o modelo 3, o carro elétrico mais barato da montadora, que custa a partir de US$ 35 mil. A previsão era fabricar 1,6 mil unidades por mês até o fim de setembro. Mas a produção está 83% abaixo da meta. “Duvido que ele terá sucesso em todas as suas iniciativas”, afirma Vance. “Mas estou convencido que a SpaceX vai levar o homem para Marte em um relativo curto espaço de tempo.” Como Musk será lembrado no futuro? “Musk é o maior visionário e inovador de nossos tempos”, acredita Wadhwa. “Ele será tão conhecido como o inventor americano Thomas Edison, o pintor italiano Leonardo da Vinci e o físico alemão Albert Einstein.” E conclui: “Ele é real.”


Especial DINHEIRO 20 anos:

As 20 personalidades que estão mudando o Brasil e o mundo

Sergio Moro, o juiz que combate a corrupção no País

Alex Atala, o chef que valoriza alimentos sustentáveis e produtores nacionais

Jorge Paulo Lemann, o bilionário que acredita que o futuro do Brasil passa pela educação

Bernardo Bonjean, o homem que oferece crédito a juros baixos para os pobres

Daniela Soares, a banqueira que busca um propósito mais elevado

David Vélez, o colombiano que chacoalhou o mercado financeiro brasileiro

Candice Pascoal, a mulher que financia projetos de impacto social

Melinda Gates e o combate à miséria e à pobreza com sua fundação

Elibio Rech, o pesquisador que é uma celebridade global da engenharia genética

Elie Horn, o empresário que se tornou um exemplo de filantropia no meio empresarial

Tânia Cosentino e a sua cruzada pela sustentabilidade

Justin Trudeau, o político canadense que está na contramão dos líderes populistas

Celso Athayde, o CEO de um conglomerado que quer desenvolver economicamente a periferia

Romero Rodrigues e sua missão de ajudar outros empreendedores a trilharem seu caminho

Theo Van der Loo, um dos líderes da discussão da diversidade nas empresas

Ana Lúcia Villela, uma das maiores ativistas dos direitos das crianças no Brasil

Marcus Figueredo quer baratear e popularizar os exames clínicos

Antonio Cardoso, o professor que está transformando a vida de jovens de Cocal dos Alves

Brian Chesky, do Airbnb, um dos expoentes da economia compartilhada

E mais:

Que País queremos ser?

O gigantismo chinês

Investidor: os maiores ganhos em 20 anos

Tópicos

Especial 20 Anos