Ciência

Eli Lilly pede autorização nos EUA para tratamento contra a covid-19

Crédito: AFP/Arquivos

A companhia disse em um comunicado que sua "terapia que combina" dois anticorpos que funcionam juntos mostrava ser eficiente (Crédito: AFP/Arquivos)

A empresa de biotecnologia Eli Lilly anunciou nesta quarta-feira (7) que está tentando obter uma autorização para o uso de emergência ao seu tratamento com anticorpos para a covid-19, depois que os primeiros resultados mostraram que reduz a carga vital, os sintomas e as taxas de hospitalização.

“Nossa equipe tem trabalhado incansavelmente nos últimos sete meses para descobrir e desenvolver esses potenciais tratamentos de anticorpos”, disse Daniel Skovronsky, diretor científico da Lilly.

+ Inquietação na Alemanha com aumento “preocupante” de casos de covid-19 
+ Trump volta ao Salão Oval, seis dias após testar positivo para covid-19

“A Lilly está trabalhando de forma diligente com reguladores ao redor do mundo para disponibilizar este tratamento”, acrescentou.

A companhia disse em um comunicado que sua “terapia que combina” dois anticorpos que funcionam juntos estavam mostrando ser eficiente em um estudo controlado por placebo com 268 pacientes contagiados com a covid-19 de leve a moderada.

Suas análises mostraram que a proporção de pacientes com alta carga viral no sétimo dia de sua doença foi de 3,0%, quando foram tratados com a terapia, em comparação com 20,8% dos que receberam um placebo.

A melhora dos sintomas foi vista três dias depois da dose.

A taxa de hospitalização e visitas de emergência relacionadas com a covid-19 foi de 0,9% para os pacientes tratados com terapia combinada contra 5,8% com placebo, uma redução do risco relativo de 84,5%.

A companhia também está estudando uma “monoterapia” de apenas um dos dois anticorpos e disse que pesquisas paralelas mostraram que era igualmente efetiva.

O ensaio está em curso e Lilly quer recrutar um total de 800 pessoas.

Lilly disse que espera ter 100.000 doses da monoterapia disponíveis este mês e um milhão no fim do ano. Também espera ter 50.000 doses da terapia de combinação no fim de 2020.

As descobertas ainda não foram publicadas em uma publicação revista por pares.

O presidente americano, Donald Trump, que está com covid-19, recebeu na semana passada uma dose de anticorpos elaborados pela empresa Regeneron.

A farmacêutica também reportou resultados animadores em seus primeiros testes, mas ainda não pediu a aprovação de emergência e, portanto, segue sendo um tratamento experimental.

A FDA, agência que regula alimentos e regulamentos nos Estados Unidos, concedeu antes uma Autorização de Uso Experimental (EUA, na sigla em inglês) para o antiviral remdesivir, para o plasma convalescente e para a hidroxicloroquina, que posteriormente foi revogada por motivos de segurança.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?