Giro

Eleições são adiadas em Hong Kong, onde cresce repressão a opositores

Eleições são adiadas em Hong Kong, onde cresce repressão a opositores

A chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, descreve o adiamento como sua 'decisão mais difícil' desde o início da pandemia - AFP

O movimento pró-democracia em Hong Kong sofreu outro golpe nesta sexta-feira (31), com o adiamento das eleições legislativas devido ao coronavírus, após um mês marcado pela desqualificação de seus candidatos, pela prisão de estudantes e pelo exílio de figuras da oposição.

Um ano após protestos sem precedentes desde a devolução desta ex-colônia à China em 1997, o poder central chinês impôs, no final de junho, uma polêmica lei neste território semiautônomo, denunciada pelo lado pró-democracia como um instrumento legal para sufocar qualquer dissidência.

Para muitos, anuncia o fim do status deste território, que, no entanto, deveria gozar de uma ampla autonomia e liberdades desconhecidas na China continental até 2047, sob o princípio “Um país, dois sistemas”.

Nas semanas seguintes à promulgação da lei, uma ampla repressão foi desencadeada contra o movimento pró-democracia.

E, nesta sexta-feira, a chefe do Executivo local, Carrie Lam, nomeada por Pequim, anunciou o adiamento das eleições de setembro para eleger o Conselho Legislativo (Legco, o Parlamento local).

– Resistência continuará –

“Hoje anuncio a decisão mais difícil dos últimos sete meses […], que é a de adiar as eleições para o Conselho Legislativo”, devido a um aumento nos casos de coronavírus, afirmou Lam.

O governo central chinês chamou a medida de “necessária, razoável e legal”.

Essa decisão alimentará, porém, a indignação da oposição, que havia pedido a Lam que não usasse a pandemia para se proteger de um desastre nas urnas.

Na quinta-feira (30), as autoridades anunciaram a invalidação da candidatura de militantes pró-democracia para esta disputa eleitoral.

“Nossa resistência continuará, e esperamos que o mundo esteja do nosso lado na batalha que está por vir”, disse em entrevista coletiva Joshua Wong, de 23, jovem que se tornou o rosto do movimento conhecido como “Revolução dos Guarda-Chuvas” em 2014.

Ele também teve sua candidatura invalidada.

“É, sem dúvida alguma, o período de fraude eleitoral mais escandaloso da história de Hong Kong”, acrescentou.

As autoridades já haviam negado a Wong o direito de concorrer às eleições locais de novembro passado, nas quais o bloco pró-democracia venceu.

A desqualificação dessas candidaturas ilustra a crescente influência do poder central chinês na antiga colônia britânica.

As autoridades locais apresentaram várias razões para invalidar essas candidaturas para a eleição de setembro, incluindo as opiniões dos pró-democracia contra a lei de segurança e sua recusa a reconhecer a soberania chinesa.

Em outro argumento insólito, o Executivo local também criticou certos candidatos por tentarem obter uma maioria no LegCo.

O lado pró-democracia esperava aproveitar a popularidade do movimento de protesto do ano passado e seu sucesso nas eleições locais de novembro para obter, pela primeira vez, uma maioria no LegCo.

O Conselho é composto de tal maneira que, em geral, tende quase automaticamente a se inclinar para o lado dos partidários do governo central.

Mais de 600.000 cidadãos de Hong Kong participaram das primárias organizadas pelo campo pró-democracia nesta cidade de 7,5 milhões de habitantes em meados de julho. Analistas consideraram a consulta um sucesso popular.

Veja também

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?