Giro

Eleições nos EUA: pré-candidatos democratas debatem na TV com Buttigieg em ascensão

Eleições nos EUA: pré-candidatos democratas debatem na TV com Buttigieg em ascensão

O pré-candidato democrata à Casa Branca Pete Buttigieg - POOL/AFP/Arquivos

Dez pré-candidatos democratas à eleição presidencial de 2020 se enfrentam, nesta quarta-feira (20), no quinto debate transmitido pela televisão, em uma corrida ainda liderada pelo ex-vice-presidente Joe Biden, mas com o crescente protagonismo do prefeito Pete Buttigieg.

A 75 dias da primeira votação das primárias democratas e em meio às audiências públicas no Congresso para um eventual julgamento político de Trump, os candidatos debaterão em Atlanta, na Geórgia, a partir das 21h locais (00h em Brasília).

Três septuagenários como Trump continuam liderando as pesquisas nacionais das prévias democratas, segundo a média do site RealClearPolitics (RCP): o centrista Biden (27%) e os senadores progressistas Elizabeth Warren (20,3%) e Bernie Sanders (18,8%).

Já Buttigieg (8,3%), um ex-militar de 37 anos abertamente gay, que esteve no Afeganistão e que, desde 2012, é o prefeito de South Bend, Indiana, avança cada vez mais. As últimas pesquisas mostraram sua força em Iowa, estado que realizará em 3 de fevereiro as primeiras primárias, assim como em New Hampshire, que será em 11 de fevereiro.

“É a revelação desta primária”, disse na CNN esta semana Jim Messina, ex-coordenador de campanha de Barack Obama em 2012, embora tenha advertido que, na hora de decidir quem é o mais bem preparado para derrotar Trump, “tudo continua sendo incerto”.

– A advertência de Obama –

Com sua forte mensagem de esperança e discurso moderado, Buttigieg despertou comparações com Obama, que se tornou o primeiro presidente negro dos EUA, após uma arrasadora campanha em 2008.

Larry Grisolano, um consultor que trabalhou para Obama e se somou à equipe de Buttigieg no meio do ano, disse que “a campanha de Pete” reaviva as emoções que ele sentiu em 2007.

O ex-presidente não se pronunciou sobre quem é seu favorito para enfrentar Trump em 3 de novembro de 2020, apesar de sua amizade com Biden, seu companheiro de chapa nos dois mandatos.

Na última sexta-feira, em um fórum para arrecadação de fundos em Washington, Obama advertiu claramente sobre a tentação de dar um giro brusco para a esquerda, perdendo a sintonia com o “americano médio”, que não quer mudar o sistema.

Tanto Warren quanto Sanders prometem “revoluções políticas” com suas propostas contra Wall Street e a favor de um sistema de saúde acessível a todos.

Também estarão presentes no debate em Atlanta a senadora Kamala Harris (4,8% nas pesquisas, segundo o RCP), o empresário Andrew Yang (3,0%), os senadores Cory Booker (1,8%) e Amy Klobuchar (1,8%), a representante (deputada) Tulsi Gabbard (1,3%) e o magnata e ativista Tom Steyer (1,0%).

O gerente de campanha de Trump 2020, Brad Parscale, disse que esperava “outro debate chato”. Sua equipe publicou anúncios na imprensa promovendo conquistas econômicas do presidente e acusando os democratas de destruir empregos.

O elenco deste quinto debate tem dois concorrentes a menos do que outubro, depois que o ex-parlamentar do Texas Beto O’Rourke deixou a disputa em 1º de novembro e o ex-secretário de Habitação de Obama e único candidato latino-americano em Liza, Julian Castro, não alcançou os requisitos de pontuação nas pesquisas e financiamento exigidos pelo Comitê Nacional Democrata para participar.

Atualmente, a disputa tem 17 participantes após a partida de quarta-feira de Wayne Messam, prefeito de Miramar, Flórida, um candidato marginal.