Edição nº 1057 16.02 Ver ediçõs anteriores

Ele não para

Ele não para

O empresário Guilherme Paulus, fundador da operadora de turismo CVC e dono da rede hoteleira GJP, não para de criar novos negócios. Além de contar com 20 hotéis espalhados pelo Brasil e planejar abrir mais três unidades até o fim do ano, Paulus vai aumentar seus investimentos na área imobiliária. Ele acaba de entregar a primeira fase de um condomínio residencial em Foz do Iguaçu, com terrenos avaliados em R$ 750 mil, e já estão programadas as construções de condomínios residenciais em Aracaju (SE) e em Gramado (RS). Este último será erguido ao lado do luxuoso hotel Saint Andrews, que ostenta o selo Relais & Châteaux e tem diárias de R$ 1,8 mil. Paulus conta todos os detalhes no MOEDA FORTE na TV Dinheiro, a partir da segunda-feira 11.

(Nota publicada na Edição 1035 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Os clubes de compra que se cuidem!

O Mercado Livre, comandado por Stelleo Tolda, vai dar um passo que pode colocar em xeque alguns dos maiores clubes de compra do Brasil. [...]

O trunfo da Movida

Discretamente, a Movida, segunda maior empresa de locação de veículos do Brasil com uma frota de 75 mil carros, começa a testar um [...]

Bolsonaro come pelas beiradas

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que assinou um termo de compromisso com o nanico Partido Social Liberal (PSL) para se [...]

Frase da semana

“Não estávamos preparados” Luiz Fernando Pezão, governador do Rio de Janeiro, sobre a falha no planejamento da segurança durante o [...]

Conexão Brasil-Portugal

Um dos consultores mais procurados no universo do luxo brasileiro tem pegado carona na evolução do mercado português. “Há dez anos, [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.