Edição nº 1121 17.05 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Cristina Palmaka, presidente da SAP Brasil

Eficiência não tem gênero, cor ou orientação sexual

Divulgação

Eficiência não tem gênero, cor ou orientação sexual

A principal executiva no País da empresa alemã de softwares — e também maratonista — afirma que sua receita para ter equipes motivadas e engajadas é simples: quanto mais diversidade, melhor

Geovana Pagel
Edição 08/03/2019 - nº 1111

Formada em Ciências Contábeis, com MBA na FGV e extensão na Universidade do Texas, Cristina Palmaka começou sua carreira na Phillips, passou quase 10 anos na Compaq/HP e foi vice-presidente de vendas para pequenas e médias empresas na própria SAP, de onde saiu em 2010 para trabalhar na Microsoft. Voltou em 2013 para assumir a presidência, posição que ainda é raramente ocupada por mulheres. “Fui convidada para assumir a presidência num momento em que a empresa estava muito bem e o meu desafio era impulsionar ainda mais o crescimento da operação brasileira”, diz ela. “Principalmente, ajudar no processo de transformação da SAP para uma empresa com foco em nuvem”.Também maratonista, ela tem uma receita simples para continuar liderando a corrida da inovação: inclusão, foco no cliente, criatividade e constante equilíbrio entre a vida pessoal e profissional.

DINHEIRO – Como é estar na linha de frente de um setor onde as inovações nunca param?

CRISTINA PALMAKA – Bill McDermott, nosso CEO global, define assim o propósito da SAP: “Precisamos fazer o mundo funcionar melhor e aperfeiçoar a vida das pessoas — um cliente de cada vez. Este é o compromisso que assumimos”. Isso define muito bem o papel da liderança. Acreditamos no potencial da empresa em ajudar o mundo a funcionar melhor e melhorar a vida das pessoas por meio da inovação e da tecnologia. Pela transformação digital, convertemos negócios em empresas inteligentes, que utilizam seus recursos de forma otimizada para alcançar resultados de forma mais rápida e com riscos reduzidos.

DINHEIRO – A SAP é uma empresa de software de gestão. Como isso pode melhorar a vida das pessoas?

PALMAKA – A tecnologia está em tudo. Na sua roupa, no seu relógio, na forma como você se locomove, se diverte, na sua comida, em tudo. Quando me perguntam sobre as tecnologias da SAP para Internet das Coisas (IoT), Inteligência Artificial, eu falo que não vendo nada disso, pois a tecnologia é o menos importante na equação. Diante da reação de espanto, explico que está tudo conectado – o essencial é entender qual é o problema e a tecnologia será um habilitador para criar valor para o nosso cliente. O importante é ter profissionais que entendam o impacto da tecnologia para resolver uma demanda de negócio ou para contribuir com um projeto de pesquisa.

DINHEIRO – Você enfrentou dificuldades ou preconceitos ante de chegar à posição de presidente da SAP Brasil?

PALMAKA – Quando alguém me pergunta por quais dificuldades passei, respondo que passei pelas mesmas que qualquer outro profissional. Eficiência não tem gênero, cor ou orientação sexual. Esse cenário ainda é um desafio para a sociedade e as empresas, não apenas no Brasil. Mesmo companhias que têm políticas claras de apoio à diversidade e inclusão, como a SAP, precisam estar atentas para que essas políticas tragam resultados concretos e duradouros. Meu papel como líder é criar as condições necessárias para que tenhamos um ambiente saudável e diverso “dentro de casa”, além de disseminar boas práticas para o mercado.

“Atrair, reter e desenvolver talentos femininos ajudará a aumentar o número de líderes mulheres”A meta global da SAP é alcançar 25% de mulheres nos cargos de liderança, índice que já existe na operação brasileira da empresa (Crédito:iStock)

DINHEIRO – O que a levou a escolher a área de tecnologia?

PALMAKA – Olhando em retrospectiva, foi mais que uma escolha. Encontro na tecnologia a possibilidade de desenvolver alguns dos meus valores, já que ela proporciona um impacto positivo não apenas nas empresas, que se tornam mais produtivas, inovadoras e eficientes, mas também nas pessoas, já que são soluções que afetam as vidas delas. Seja na área de saúde, na descoberta de novos medicamentos, por exemplo, ou em processos que tornem uma campanha de vacinação mais eficiente. Essa possibilidade do impacto me energiza e mostra que novos e infinitos caminhos podem ser trilhados. Ter objetivos claros, resiliência e o desenvolvimento constante das pessoas são características essenciais para qualquer líder que quer não apenas fazer uma boa gestão, mas também deixar um legado.

DINHEIRO – Qual sua maior dificuldade para administrar uma empresa alemã no Brasil?

PALMAKA – O Brasil tem enormes desafios e alguns ficaram mais evidentes em função da recessão agravada pela crise política. Eles impactam não apenas na operação da SAP, mas em todos os nossos clientes. Ao mesmo tempo é um país de enormes oportunidades, com grandes recursos naturais, produção diversificada e uma presença forte em todos os segmentos industriais. No caso da SAP, os profissionais brasileiros são responsáveis por muitas inovações e soluções que são usadas pela empresa no resto do mundo. Liderar uma empresa no Brasil é buscar oportunidades, adaptar soluções às necessidades dos clientes, qualificar e investir na nossa força de trabalho para que ela seja cada vez mais parceira dos nossos clientes. Não é fácil, mas é muito gratificante.

DINHEIRO – Estudos apontam várias vantagens de se promover um ambiente de trabalho diversificado: equipes com diversidade de gênero têm uma margem operacional 48% maior. Na SAP existe um projeto de inclusão, diversidade e igualdade. Como isso funciona na prática?

PALMAKA – A SAP tem ações para atrair, reter e desenvolver mulheres e isso é parte da política global. Tenho empenho pessoal para aplicá-la na operação brasileira. A meta global da SAP é alcançar 25% de mulheres nos cargos de liderança, que nós já temos aqui no Brasil. Um dos nossos desafios constantes é fortalecer as redes de funcionários (Employee Network Groups), voltadas às minorias. Entre as redes em andamento podemos citar a Business Women’s Network, para desenvolver talentos femininos. Fazem parte desta rede homens e mulheres e o objetivo é atrair, reter e desenvolver talentos femininos, o que ajudará a aumentar o número de líderes mulheres. Estamos seguindo neste tema com suporte da ONU Mulheres, com o programa #heforshe, já que homens contratam, promovem e têm que fazer parte desta transformação. Também temos as redes de LGBTs (a Pride@SAP brasileira é umas das maiores no mundo), negros e vamos começar a Different Abled People, de pessoas com deficiência. Além delas temos o programa Autism@Work, com quase 200 pessoas autistas contratadas no mundo, 15 delas no Brasil.

DINHEIRO – Você está entre os melhores CEOs no Brasil. Isso se deve ao seu estilo de gestão?

PALMAKA – É muito gratificante quando o reconhecimento vem do mercado, me colocando ao lado de executivos que vêm fazendo a diferença em suas empresas e em mercados tão distintos. Não deixa de ser o reconhecimento da força do talento feminino e espero que sirva de inspiração para que muitas outras mulheres possam ter suas capacidades e habilidades valorizadas. Acredito que o meu estilo de gestão esteja apoiado em bom planejamento, disciplina, trazer as pessoas certas para o meu lado e construir equipes vencedoras e que, ao mesmo tempo, sejam diversas e inclusivas.

DINHEIRO — Como você vê o cenário após a aprovação da Lei Geral de Proteção de Dados no Brasil?

PALMAKA – A SAP é uma empresa alemã e seguimos os preceitos europeus. A Europa é muito mais conservadora na gestão da privacidade de dados e o GDPR mostrou isso. Todos os sistemas SAP estão alinhados com essas políticas e todas as empresas que fazem negócios com a Europa precisam atender a essa regulamentação. A legislação brasileira, que passa a vigorar no início do próximo ano, está em linha com a legislação europeia sobre como as informações pessoais devem ser, o que é público e o que é informação pessoal. Por outro lado, a SAP também oferece soluções que permitem que as empresas conheçam cada vez melhor o cliente para tomar decisões nos negócios. A grande questão é fazer isso atendendo à legislação, despersonalizando os dados quando necessário, mas também possibilitando um atendimento personalizado, desde que o consumidor final concorde. O mais importante é saber que o cliente está no comando e ele espera que a relação com as empresas seja transparente e que tenha o poder de decidir quais e como seus dados serão compartilhados.

“Há características comuns ao universo corporativo e o das corridas: constância, resiliência, equilíbrio…” Cristina completou 13 maratonas e diz que, apesar de parecer um esporte individual, a corrida é um trabalho em equipe (Crédito:Luis Robayo / AFP)

DINHEIRO — A transformação digital é só para as grandes empresas? Os pequenos negócios terão condições de sobreviver?

PALMAKA – As empresas se encontram em estágios distintos, mas a digitalização dos processos está em curso e a nuvem torna as soluções muito mais acessíveis para negócios de todos os tamanhos. Para os pequenos, a principal vantagem é a fácil adoção e a melhor relação custo/investimento, além da facilidade de escalar conforme a necessidade. A solução SAP Business One, por exemplo, permite a contratação modular, de acordo com a demanda, e pode ser integrada com qualquer outro sistema, conforme crescem as necessidades. Essa facilidade de integração permite a adoção de novas tecnologias pelas pequenas empresas. A transformação digital é uma necessidade para todos que queiram se manter competitivos e com capacidade para inovar em um futuro muito próximo.

DINHEIRO — No passado, se dizia que a tecnologia abarcaria várias atividades e sobraria mais tempo para o lazer. Mas os smartphones levam o trabalho para onde a gente está. A evolução tecnológica vai nos deixar mais ocupados?

PALMAKA – Estamos em uma fase de transição e a visão da SAP é muito positiva sobre o futuro do trabalho. Com a automatização cada vez maior, a tecnologia será a grande aliada. Acreditamos que o ser humano será cada vez mais estimulado a criar inovações que impactem positivamente na vida das pessoas e da sociedade. Na SAP trabalhamos com o conceito de humanidade aumentada, que é o poder da tecnologia em automatizar tarefas mais simples, combinado ao discernimento humano para tomar as melhores decisões. As competências mais importantes serão, primeiro, a criatividade: é possível fazer muitas coisas com a tecnologia, pegar o que existe e disponibilizar de formas infinitas. Segundo, a empatia: é preciso entender o que o seu consumidor está falando, o que ele está querendo. Terceiro, a coragem de tomar as decisões corretas, de deixar de fazer coisas que realmente não devemos continuar fazendo, trazer essas discussões de privacidade e ética.

DINHEIRO — Como a Inteligência Artificial e a internet das Coisas mudarão a sociedade?

PALMAKA – Internet das Coisas, Machine Learning e Inteligência Artificial vão permitir às organizações acelerar a criação de valor através de três pilares: a automação de processos, a obtenção de predições ou insights automatizados sobre os dados e a nova geração de interfaces inteligentes, como chatbots. As soluções da SAP já incluem essas tecnologias através do nosso sistema de inovação, SAP Leonardo. Como o Da Vinci, ele se destaca pela genialidade e habilidades sobre-humanas. É o que une as soluções de forma integrada em nossa nuvem, a SAP Cloud Platform. Na realidade atual, velocidade é a chave. Inovações e negócios se tornam obsoletos a cada minuto. Estar a par do que está acontecendo no mercado e se antecipar às tendências tornou-se questão de sobrevivência. O futuro é dos negócios inteligentes.

DINHEIRO — Além de executiva, você é maratonista. Como leva ensinamentos e estratégias da corrida para o trabalho?

PALMAKA – A corrida entrou na minha vida sem querer. Um dia eu estava na academia e fui convidada para participar de uma corrida de 8 km no centro histórico de São Paulo. No começo, eu resisti porque não queria acordar tão cedo no final de semana, mas acabei topando. Corri quatro quilômetros, depois caminhei até o final e adorei. Hoje, 18 anos depois, já completei 13 maratonas. Apesar de parecer um esporte individual, tem um lado coletivo muito forte, com companheiros de atividade,um técnico que te conhece profundamente e está sempre puxando suas metas, nutricionista que ajuda a melhorar a alimentação. Eu gosto de elencar seis características comuns ao universo corporativo e das corridas: objetivos claros, preparação, constância, trabalho em equipe, resiliência e equilíbrio físico e mental. É durante a corrida que eu consigo solucionar problemas mais complexos e colocar a minha cabeça em ordem.

DINHEIRO — Estamos na semana do Dia Internacional da Mulher, 8 de março. Na sua avaliação, essa é uma data de comemoração ou de protesto?

PALMAKA – Eu sou uma otimista, então vejo muitos avanços nas últimas décadas mas, ao mesmo tempo, temos muito o que conquistar enquanto sociedade. Acredito que a data é importante para fazer uma análise e definir o caminho que vamos seguir. Se consideramos as três capacidades que vão diferenciar humanos e máquinas – criatividade, empatia e coragem – as competências femininas passarão a ter um papel ainda mais importante no mercado de trabalho do futuro, dado o potencial das mulheres para a negociação e facilidade na gestão de equipes.


Últimas Notícias

maior eleição do mundo

Índia encerra eleição que deve reeleger Narendra Modi

e-commerce

OMC começa a discutir regras internacionais para comércio eletrônico

virada cultural

‘Foi a virada da diversidade’, diz o prefeito Bruno Covas


Entrevista

Carlos Zarlenga, presidente da GM

Carlos Zarlenga, presidente da GM

"O fato é que nossa operação no Brasil [ainda] está em risco"

"O incentivo de ICMS ajuda. Mas se esse incentivo acaba, a situação fica insustentável. Se nós fecharmos duas fábricas, demito 10 mil funcionários diretos, consigo ficar só com a unidade de Gravataí (RS), fazendo o Onix, que é líder de vendas no País. Isso pode dar certo. Mas também pode dar errado."


Editorial

“À beira de um abismo fiscal”

por celso masson

por celso masson

“À beira de um abismo fiscal”

Diante de tantos sinais de insucesso na condução da política econômica, o ministro Guedes não foi capaz de acenar sequer com uma vaga esperança à Nação. Como um time de futebol que entra em campo favorito e perde a vontade de jogar assim que sofre o primeiro revés, Guedes não soube esconder o desânimo em sua fala na terça-feira, no Congresso Nacional


Economia


O setor privado conseguirá sanear o País?

busca de investimentos

O setor privado conseguirá sanear o País?

Novo marco regulatório do saneamento tenta atrair investimento para universalizar o sistema que hoje atende apenas metade da população

O Brasil parou no tempo. O mundo avança

ritmo lento

O Brasil parou no tempo. O mundo avança

Ritmo lento da recuperação levará o País a registrar a segunda década perdida em 40 anos


Semana

Controvérsia alavanca lançamento da Natura no Twitter

Diversidade

Diversidade

Controvérsia alavanca lançamento da Natura no Twitter

Tuiteiros de direita criaram a hashtag #BoicoteNatura em protesto contra a campanha de lançamento do batom “Coleção do Amor”


Mercado Digital


Popularização dos smartphones provoca migração do investimento publicitário

marketing mobile

Popularização dos smartphones provoca migração do investimento publicitário

Popularização dos smartphones provoca migração do investimento publicitário, mas segmento de mobile marketing ainda navega sem rotas definidas

Inovação: evento no Rio foca em tecnodiversidade

Humanidade aumentada

Inovação: evento no Rio foca em tecnodiversidade

Evento no Rio foca em tecnodiversidade e se destaca na agenda das soluções de inovação


Negócios


O trono de US$ 6 bilhões do Game of Thrones

Audiência recorde

O trono de US$ 6 bilhões do Game of Thrones

A série mais bem sucedida da TV paga, “Game of Thrones”, chega ao fim com uma certeza: quem venceu foi a HBO

Franquias de clínicas odontológicas atraem clientes das classes B e C

Preços populares

Franquias de clínicas odontológicas atraem clientes das classes B e C

Com preços populares, descontos e parcelamentos, franquias de clínicas como OdontoCompany, Sorridents e Odontoclinic atraem pacientes das classes B e C e miram receitas bilionárias


Estilo

Paraíso particular por US$ 30 mil a diária

litoral mexicano

litoral mexicano

Paraíso particular por US$ 30 mil a diária

O exclusivo Resort Las Ventanas Al Paraíso, que sempre foi sinônimo de luxo, agora oferece uma mansão à beira-mar de 2,6 mil m² e um staff de sete funcionários


Finanças


Bitcoin registra alta de 150%. Uma retomada da criptomoeda?

criptomoeda valorizada

Bitcoin registra alta de 150%. Uma retomada da criptomoeda?

Depois de perder quase todo o valor em 2018, moeda virtual registra alta de 150%

Brasil fica fora da lista dos 25 países mais confiáveis para se investir

Ranking internacional

Brasil fica fora da lista dos 25 países mais confiáveis para se investir

Pela primeira vez desde 1998, o Brasil fica fora da lista dos 25 países mais confiáveis para se investir — a mesma em que já ocupou a quinta posição


Colunas


Maconha liberada, lucro bilionário

moeda forte

Maconha liberada, lucro bilionário

WhatsApp é hackeado

dinheiro em bits

WhatsApp é hackeado

O melhor restaurante da América Latina é do Peru

cobiça

O melhor restaurante da América Latina é do Peru

Quem quer comprar um paraíso?

sustentabilidade

Quem quer comprar um paraíso?

Brumadinho custa R$ 6,4 bi à Vale

dinheiro em ação

Brumadinho custa R$ 6,4 bi à Vale


Artigo

A agenda do passado

por Carlos Rodolfo Schneider

por Carlos Rodolfo Schneider

A agenda do passado

De 2000 a 2017, a média anual do investimento público do Brasil foi de apenas 1,92% do PIB, o segundo mais baixo entre 42 países


Premiação

Abertas as inscrições para o prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO 2019

ranking setorial

ranking setorial

Abertas as inscrições para o prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO 2019

A 16ª edição reconhecerá as empresas que se destacaram nas suas áreas de atuação


Publieditorial

Definir momento ideal para compra e venda de Bitcoins desafia investidores

Atlas Quantum apresenta:

Atlas Quantum apresenta:

Definir momento ideal para compra e venda de Bitcoins desafia investidores

Muito recente, mercado de criptomoedas ainda não tem estratégias claras de precificação; diante disso, especialista recomenda método de arbitragem automatizada

Fundação Vanzolini auxilia gestores a melhorarem os negócios.

Fundação Vanzolini apresenta:

Fundação Vanzolini apresenta:

Fundação Vanzolini auxilia gestores a melhorarem os negócios.

Impacto positivo abrange profissionais, empresas e organizações governamentais.

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.