Edição nº 1112 15.03 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Cristina Palmaka, presidente da SAP Brasil

Eficiência não tem gênero, cor ou orientação sexual

Divulgação

Eficiência não tem gênero, cor ou orientação sexual

A principal executiva no País da empresa alemã de softwares — e também maratonista — afirma que sua receita para ter equipes motivadas e engajadas é simples: quanto mais diversidade, melhor

Geovana Pagel
Edição 08/03/2019 - nº 1111

Formada em Ciências Contábeis, com MBA na FGV e extensão na Universidade do Texas, Cristina Palmaka começou sua carreira na Phillips, passou quase 10 anos na Compaq/HP e foi vice-presidente de vendas para pequenas e médias empresas na própria SAP, de onde saiu em 2010 para trabalhar na Microsoft. Voltou em 2013 para assumir a presidência, posição que ainda é raramente ocupada por mulheres. “Fui convidada para assumir a presidência num momento em que a empresa estava muito bem e o meu desafio era impulsionar ainda mais o crescimento da operação brasileira”, diz ela. “Principalmente, ajudar no processo de transformação da SAP para uma empresa com foco em nuvem”.Também maratonista, ela tem uma receita simples para continuar liderando a corrida da inovação: inclusão, foco no cliente, criatividade e constante equilíbrio entre a vida pessoal e profissional.

DINHEIRO – Como é estar na linha de frente de um setor onde as inovações nunca param?

CRISTINA PALMAKA – Bill McDermott, nosso CEO global, define assim o propósito da SAP: “Precisamos fazer o mundo funcionar melhor e aperfeiçoar a vida das pessoas — um cliente de cada vez. Este é o compromisso que assumimos”. Isso define muito bem o papel da liderança. Acreditamos no potencial da empresa em ajudar o mundo a funcionar melhor e melhorar a vida das pessoas por meio da inovação e da tecnologia. Pela transformação digital, convertemos negócios em empresas inteligentes, que utilizam seus recursos de forma otimizada para alcançar resultados de forma mais rápida e com riscos reduzidos.

DINHEIRO – A SAP é uma empresa de software de gestão. Como isso pode melhorar a vida das pessoas?

PALMAKA – A tecnologia está em tudo. Na sua roupa, no seu relógio, na forma como você se locomove, se diverte, na sua comida, em tudo. Quando me perguntam sobre as tecnologias da SAP para Internet das Coisas (IoT), Inteligência Artificial, eu falo que não vendo nada disso, pois a tecnologia é o menos importante na equação. Diante da reação de espanto, explico que está tudo conectado – o essencial é entender qual é o problema e a tecnologia será um habilitador para criar valor para o nosso cliente. O importante é ter profissionais que entendam o impacto da tecnologia para resolver uma demanda de negócio ou para contribuir com um projeto de pesquisa.

DINHEIRO – Você enfrentou dificuldades ou preconceitos ante de chegar à posição de presidente da SAP Brasil?

PALMAKA – Quando alguém me pergunta por quais dificuldades passei, respondo que passei pelas mesmas que qualquer outro profissional. Eficiência não tem gênero, cor ou orientação sexual. Esse cenário ainda é um desafio para a sociedade e as empresas, não apenas no Brasil. Mesmo companhias que têm políticas claras de apoio à diversidade e inclusão, como a SAP, precisam estar atentas para que essas políticas tragam resultados concretos e duradouros. Meu papel como líder é criar as condições necessárias para que tenhamos um ambiente saudável e diverso “dentro de casa”, além de disseminar boas práticas para o mercado.

“Atrair, reter e desenvolver talentos femininos ajudará a aumentar o número de líderes mulheres”A meta global da SAP é alcançar 25% de mulheres nos cargos de liderança, índice que já existe na operação brasileira da empresa (Crédito:iStock)

DINHEIRO – O que a levou a escolher a área de tecnologia?

PALMAKA – Olhando em retrospectiva, foi mais que uma escolha. Encontro na tecnologia a possibilidade de desenvolver alguns dos meus valores, já que ela proporciona um impacto positivo não apenas nas empresas, que se tornam mais produtivas, inovadoras e eficientes, mas também nas pessoas, já que são soluções que afetam as vidas delas. Seja na área de saúde, na descoberta de novos medicamentos, por exemplo, ou em processos que tornem uma campanha de vacinação mais eficiente. Essa possibilidade do impacto me energiza e mostra que novos e infinitos caminhos podem ser trilhados. Ter objetivos claros, resiliência e o desenvolvimento constante das pessoas são características essenciais para qualquer líder que quer não apenas fazer uma boa gestão, mas também deixar um legado.

DINHEIRO – Qual sua maior dificuldade para administrar uma empresa alemã no Brasil?

PALMAKA – O Brasil tem enormes desafios e alguns ficaram mais evidentes em função da recessão agravada pela crise política. Eles impactam não apenas na operação da SAP, mas em todos os nossos clientes. Ao mesmo tempo é um país de enormes oportunidades, com grandes recursos naturais, produção diversificada e uma presença forte em todos os segmentos industriais. No caso da SAP, os profissionais brasileiros são responsáveis por muitas inovações e soluções que são usadas pela empresa no resto do mundo. Liderar uma empresa no Brasil é buscar oportunidades, adaptar soluções às necessidades dos clientes, qualificar e investir na nossa força de trabalho para que ela seja cada vez mais parceira dos nossos clientes. Não é fácil, mas é muito gratificante.

DINHEIRO – Estudos apontam várias vantagens de se promover um ambiente de trabalho diversificado: equipes com diversidade de gênero têm uma margem operacional 48% maior. Na SAP existe um projeto de inclusão, diversidade e igualdade. Como isso funciona na prática?

PALMAKA – A SAP tem ações para atrair, reter e desenvolver mulheres e isso é parte da política global. Tenho empenho pessoal para aplicá-la na operação brasileira. A meta global da SAP é alcançar 25% de mulheres nos cargos de liderança, que nós já temos aqui no Brasil. Um dos nossos desafios constantes é fortalecer as redes de funcionários (Employee Network Groups), voltadas às minorias. Entre as redes em andamento podemos citar a Business Women’s Network, para desenvolver talentos femininos. Fazem parte desta rede homens e mulheres e o objetivo é atrair, reter e desenvolver talentos femininos, o que ajudará a aumentar o número de líderes mulheres. Estamos seguindo neste tema com suporte da ONU Mulheres, com o programa #heforshe, já que homens contratam, promovem e têm que fazer parte desta transformação. Também temos as redes de LGBTs (a Pride@SAP brasileira é umas das maiores no mundo), negros e vamos começar a Different Abled People, de pessoas com deficiência. Além delas temos o programa Autism@Work, com quase 200 pessoas autistas contratadas no mundo, 15 delas no Brasil.

DINHEIRO – Você está entre os melhores CEOs no Brasil. Isso se deve ao seu estilo de gestão?

PALMAKA – É muito gratificante quando o reconhecimento vem do mercado, me colocando ao lado de executivos que vêm fazendo a diferença em suas empresas e em mercados tão distintos. Não deixa de ser o reconhecimento da força do talento feminino e espero que sirva de inspiração para que muitas outras mulheres possam ter suas capacidades e habilidades valorizadas. Acredito que o meu estilo de gestão esteja apoiado em bom planejamento, disciplina, trazer as pessoas certas para o meu lado e construir equipes vencedoras e que, ao mesmo tempo, sejam diversas e inclusivas.

DINHEIRO — Como você vê o cenário após a aprovação da Lei Geral de Proteção de Dados no Brasil?

PALMAKA – A SAP é uma empresa alemã e seguimos os preceitos europeus. A Europa é muito mais conservadora na gestão da privacidade de dados e o GDPR mostrou isso. Todos os sistemas SAP estão alinhados com essas políticas e todas as empresas que fazem negócios com a Europa precisam atender a essa regulamentação. A legislação brasileira, que passa a vigorar no início do próximo ano, está em linha com a legislação europeia sobre como as informações pessoais devem ser, o que é público e o que é informação pessoal. Por outro lado, a SAP também oferece soluções que permitem que as empresas conheçam cada vez melhor o cliente para tomar decisões nos negócios. A grande questão é fazer isso atendendo à legislação, despersonalizando os dados quando necessário, mas também possibilitando um atendimento personalizado, desde que o consumidor final concorde. O mais importante é saber que o cliente está no comando e ele espera que a relação com as empresas seja transparente e que tenha o poder de decidir quais e como seus dados serão compartilhados.

“Há características comuns ao universo corporativo e o das corridas: constância, resiliência, equilíbrio…” Cristina completou 13 maratonas e diz que, apesar de parecer um esporte individual, a corrida é um trabalho em equipe (Crédito:Luis Robayo / AFP)

DINHEIRO — A transformação digital é só para as grandes empresas? Os pequenos negócios terão condições de sobreviver?

PALMAKA – As empresas se encontram em estágios distintos, mas a digitalização dos processos está em curso e a nuvem torna as soluções muito mais acessíveis para negócios de todos os tamanhos. Para os pequenos, a principal vantagem é a fácil adoção e a melhor relação custo/investimento, além da facilidade de escalar conforme a necessidade. A solução SAP Business One, por exemplo, permite a contratação modular, de acordo com a demanda, e pode ser integrada com qualquer outro sistema, conforme crescem as necessidades. Essa facilidade de integração permite a adoção de novas tecnologias pelas pequenas empresas. A transformação digital é uma necessidade para todos que queiram se manter competitivos e com capacidade para inovar em um futuro muito próximo.

DINHEIRO — No passado, se dizia que a tecnologia abarcaria várias atividades e sobraria mais tempo para o lazer. Mas os smartphones levam o trabalho para onde a gente está. A evolução tecnológica vai nos deixar mais ocupados?

PALMAKA – Estamos em uma fase de transição e a visão da SAP é muito positiva sobre o futuro do trabalho. Com a automatização cada vez maior, a tecnologia será a grande aliada. Acreditamos que o ser humano será cada vez mais estimulado a criar inovações que impactem positivamente na vida das pessoas e da sociedade. Na SAP trabalhamos com o conceito de humanidade aumentada, que é o poder da tecnologia em automatizar tarefas mais simples, combinado ao discernimento humano para tomar as melhores decisões. As competências mais importantes serão, primeiro, a criatividade: é possível fazer muitas coisas com a tecnologia, pegar o que existe e disponibilizar de formas infinitas. Segundo, a empatia: é preciso entender o que o seu consumidor está falando, o que ele está querendo. Terceiro, a coragem de tomar as decisões corretas, de deixar de fazer coisas que realmente não devemos continuar fazendo, trazer essas discussões de privacidade e ética.

DINHEIRO — Como a Inteligência Artificial e a internet das Coisas mudarão a sociedade?

PALMAKA – Internet das Coisas, Machine Learning e Inteligência Artificial vão permitir às organizações acelerar a criação de valor através de três pilares: a automação de processos, a obtenção de predições ou insights automatizados sobre os dados e a nova geração de interfaces inteligentes, como chatbots. As soluções da SAP já incluem essas tecnologias através do nosso sistema de inovação, SAP Leonardo. Como o Da Vinci, ele se destaca pela genialidade e habilidades sobre-humanas. É o que une as soluções de forma integrada em nossa nuvem, a SAP Cloud Platform. Na realidade atual, velocidade é a chave. Inovações e negócios se tornam obsoletos a cada minuto. Estar a par do que está acontecendo no mercado e se antecipar às tendências tornou-se questão de sobrevivência. O futuro é dos negócios inteligentes.

DINHEIRO — Além de executiva, você é maratonista. Como leva ensinamentos e estratégias da corrida para o trabalho?

PALMAKA – A corrida entrou na minha vida sem querer. Um dia eu estava na academia e fui convidada para participar de uma corrida de 8 km no centro histórico de São Paulo. No começo, eu resisti porque não queria acordar tão cedo no final de semana, mas acabei topando. Corri quatro quilômetros, depois caminhei até o final e adorei. Hoje, 18 anos depois, já completei 13 maratonas. Apesar de parecer um esporte individual, tem um lado coletivo muito forte, com companheiros de atividade,um técnico que te conhece profundamente e está sempre puxando suas metas, nutricionista que ajuda a melhorar a alimentação. Eu gosto de elencar seis características comuns ao universo corporativo e das corridas: objetivos claros, preparação, constância, trabalho em equipe, resiliência e equilíbrio físico e mental. É durante a corrida que eu consigo solucionar problemas mais complexos e colocar a minha cabeça em ordem.

DINHEIRO — Estamos na semana do Dia Internacional da Mulher, 8 de março. Na sua avaliação, essa é uma data de comemoração ou de protesto?

PALMAKA – Eu sou uma otimista, então vejo muitos avanços nas últimas décadas mas, ao mesmo tempo, temos muito o que conquistar enquanto sociedade. Acredito que a data é importante para fazer uma análise e definir o caminho que vamos seguir. Se consideramos as três capacidades que vão diferenciar humanos e máquinas – criatividade, empatia e coragem – as competências femininas passarão a ter um papel ainda mais importante no mercado de trabalho do futuro, dado o potencial das mulheres para a negociação e facilidade na gestão de equipes.


Últimas notícias


Livre-comércio de veículos entre Brasil e México começa a valer hoje

Acordo

Livre-comércio de veículos entre Brasil e México começa a valer hoje

Solução para o 737 MAX 8 deve ser definida até fim deste mês, diz Boeing

após acidentes

Solução para o 737 MAX 8 deve ser definida até fim deste mês, diz Boeing

Em um comunicado, a fabricante do modelo afirmou que está trabalhando em cima do software MCAS para elucidar possíveis falhas na sua operação

Ibovespa cai 0,41%, à espera de previdência de militares, Copom e Fed

Ações

Ibovespa cai 0,41%, à espera de previdência de militares, Copom e Fed

Dólar tem 3ª queda seguida, mas ritmo de baixa se reduz com cautela antes do Fed

Câmbio

Dólar tem 3ª queda seguida, mas ritmo de baixa se reduz com cautela antes do Fed

Confira o ranking das cidades mais cara para se viver no mundo

brasileiras caem

Confira o ranking das cidades mais cara para se viver no mundo

É a primeira vez que três cidades dividem o topo da lista, que ainda conta com Zurique em 4º lugar, e Genebra e Osaka dividindo a 5ª colocação

Hudson Yards, o maior empreendimento imobiliário da história

US$ 25 bilhões

Hudson Yards, o maior empreendimento imobiliário da história

Marinho diz que mudanças para militares trarão superávit em 10 anos

Previdência

Marinho diz que mudanças para militares trarão superávit em 10 anos

Com 21 bilhões de libras, homem mais rico do Reino Unido quer mudar de área

Jim Ratcliffe

Com 21 bilhões de libras, homem mais rico do Reino Unido quer mudar de área


Blogs

A argentina Paz Levinson fala sobre o trabalho das sommelières

Por Suzana Barelli

Por Suzana Barelli

A argentina Paz Levinson fala sobre o trabalho das sommelières

Atualmente, Paz é a principal sommelier do Groupe Pic, com restaurantes na França, na Suíça e na Inglaterra e só tem elogios para a chef Anne-Sophie Pic


Negócios


América Móvil quer comprar Nextel Brasil por US$ 905 milhões

Dona da Claro

América Móvil quer comprar Nextel Brasil por US$ 905 milhões

GM anuncia investimentos de R$ 10 bilhões em São Paulo

Montadora

GM anuncia investimentos de R$ 10 bilhões em São Paulo


Internacional


Adiamento do Brexit terá ‘custo’ econômico e político, diz Barnier

União Europeia

Adiamento do Brexit terá ‘custo’ econômico e político, diz Barnier

Atirador da Nova Zelândia enfrentará ‘toda a força’ da lei

Após massacre

Após massacre

Atirador da Nova Zelândia enfrentará ‘toda a força’ da lei

Trump reforça ataques à General Motors por fechamento de fábrica

Negócios

Negócios

Trump reforça ataques à General Motors por fechamento de fábrica

Trudeau perde quarto alto funcionário em meio à crise no governo

canadá

canadá

Trudeau perde quarto alto funcionário em meio à crise no governo


Colunas


A força do frango

moeda forte

A força do frango

Sinal verde para a moda brasileira

sustentabilidade

Sinal verde para a moda brasileira


Facebook muda o foco

dinheiro em bits

Facebook muda o foco

O carro mais caro da história tem nome: Bugatti La Voiture Noire

cobiça

O carro mais caro da história tem nome: Bugatti La Voiture Noire


Editorial

O que esperar do encontro Trump/ Bolsonaro

por Carlos José Marques

por Carlos José Marques

O que esperar do encontro Trump/ Bolsonaro

Bolsonaro parte para o encontro sob um vendaval de críticas por ter descartado o plano de uma comitiva mais técnica e empresarial, que poderia trazer negócios promissores ao País depois de longa e custosa temporada de distanciamento do parceiro norte-americano


Entrevista

John Rodgerson, CEO da Azul Linhas Aéreas

John Rodgerson, CEO da Azul Linhas Aéreas

"A prioridade do governo deveria ser reduzir (o custo alto do País)"

Com 10 anos de operação e voando para 105 cidades, empresa fatura R$ 7 bilhões, é eleita a melhor aérea da América Latina e faz acordo para comprar Avianca. Otimista com o Brasil, o CEO Rodgerson diz que seu foco é o mercado doméstico


Finanças


Marfrig compra frigorífico nos EUA

dinheiro em ação

Marfrig compra frigorífico nos EUA

Vale a pena investir em fundos de recebíveis?

investidores

Vale a pena investir em fundos de recebíveis?

CVM estuda facilitar o acesso dos pequenos investidores aos fundos de recebíveis, cujo patrimônio cresceu 36,8% em 12 meses


Economia


Donald Trump e Jair Bolsonaro: namoro ou amizade?

diplomacia

Donald Trump e Jair Bolsonaro: namoro ou amizade?

Em sua primeira visita bilateral, Bolsonaro reforçará o alinhamento ideológico com o governo Trump e negociará acordos comerciais. O clima favorece

Brexit por um fio. Proposta de Theresa May não tem apoio do Parlamento

divórcio europeu

Brexit por um fio. Proposta de Theresa May não tem apoio do Parlamento

Proposta de Theresa May para saída negociada da UE não tem apoio do Parlamento Britânico e o caos impera na terra da rainha


Calote de R$ 2 bi em negócios com Venezuela, Cuba e Moçambique

Brasil

Calote de R$ 2 bi em negócios com Venezuela, Cuba e Moçambique

Venezuela, Moçambique e Cuba não pagaram financiamentos do BNDES feitos durante os governos Lula-Dilma. A dívida pode recair sobre o Tesouro

O polêmico leilão de presídios paulistas. Estado tem déficit de 108 mil vagas

Cárceres privados

O polêmico leilão de presídios paulistas. Estado tem déficit de 108 mil vagas

Programa de privatizações do governo paulista abrange 30 projetos de concessões, investimentos de R$ 40 bilhões — e um polêmico leilão de unidades carcerárias


Mercado Digital

Conheça Q, o assistente de voz sem gênero, nem mulher, nem homem

Conheça Q, o assistente de voz sem gênero, nem mulher, nem homem

Apresentado no SXSW, evento que mais discute os hypes tecnológicos pelo olhar da cultura e da política. Por isso é tão bacana


Negócios


Na contramão do streaming, o cinema ainda é a maior diversão

recorde de bilheteria

Na contramão do streaming, o cinema ainda é a maior diversão

Na contramão do streaming e alavancada pela rede mexicana Cinépolis, Brasil bate o recorde de salas e caminha para superar a marca de 185 milhões espectadores ao ano

Vinícolas criam estratégias para elevar exportações do espumante brasileiro

Mercado externo

Vinícolas criam estratégias para elevar exportações do espumante brasileiro

De olho na adequação do espumante brasileiro ao gosto dos consumidores de EUA, China e América Latina, vinícolas e Ibravim criam estratégia que pode aumentar as exportações em 30% este ano


Estilo

O passaporte para esquiar o ano todo

ikon pass

ikon pass

O passaporte para esquiar o ano todo

Lançado pela Alterra, o Ikon Pass permite esquiar em 38 montanhas, dos Estados Unidos à Austrália


Artigo

O futuro das telecomunicações: no espaço ou fundo do mar?

por António Nunes

por António Nunes

O futuro das telecomunicações: no espaço ou fundo do mar?

Os 2,7 mil satélites em órbita têm a vantagem de alcançar áreas remotas onde os cabos não chegam. Por outro lado, os mais de 400 cabos submarinos contam com maior capacidade de banda larga


A roda da fortuna da Iochpe-Maxion

Expansão

A roda da fortuna da Iochpe-Maxion

Líder global do segmento, com operações em 14 países, a brasileira Iochpe-Maxion agora quer conquistar a China

Nivea lucra com produtos para homens

beleza

Nivea lucra com produtos para homens

A linha masculina já representa 25% do negócio da empresa, que pretende ampliar ainda mais seu portfólio de produtos para esse público

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.