Política

Eduardo Bolsonaro pagava mansão de Allan dos Santos, diz revista

Crédito: Alessandra Dias/Agência Senado

Allan dos Santos tem mandado de prisão expedido por Alexandre de Moraes, do STF (Crédito: Alessandra Dias/Agência Senado )



O blogueiro bolsonarista Allan dos Santos, que produz o canal Terça Livre, teria o aluguel de sua mansão, em Brasília, financiado pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Segundo a revista Crusoé, que teve acesso a mensagens de WhatsApp obtidos pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, o local sediava encontros frequentes dos filhos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para discutir estratégias políticas e digitais.

Santos tem um mandado de prisão expedido pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e está ilegalmente nos Estados Unidos. O blogueiro e youtuber foi apontado pela CPI como um dos maiores propagadores de notícias falsas (fake news) em relação à pandemia.

+ Alexandre manda prender e extraditar blogueiro Allan dos Santos do Terça Livre
+ Blogueiro Allan dos Santos estimulou Bolsonaro a dar um golpe, suspeita PF

Segundo as mensagens publicadas pela Crusoé, Santos escreve ao deputado federal Filipe Barros (PSL-PR): “Já estou no bunker pago pelo Eduardo”. A revista ainda diz que a casa possui 6 quartos, dois andares, piscina, sauna, hidromassagem, 2 mil m² de área e estaria, atualmente, disponível para locação por R$ 9 mil mensais.




Atrito com o Google
Em batalha judicial com Santos, o Google, empresa dona do YouTube, pediu perda de objeto em relação à reativação do canal Terça Livre. A gigante de tecnologia deseja, segundo a Folha de São Paulo, seguir com o pedido de condenação por litigância de má-fé.

O pedido judicial ocorreu depois que os advogados de Santos alegaram que o Google descumpriu decisão judicial ao remover o canal do YouTube na segunda semana deste mês. Contudo, o blogueiro teria omitido que excluiu o canal por determinação do STF.

O Terça Livre foi retirado do ar pela primeira vez no final de janeiro por repetidamente infringir as regras do YouTube. Santos recorreu à Justiça e, desde então, as partes enfrentam-se no Tribunal de Justiça de São Paulo.