Edição nº 1091 11.10 Ver ediçõs anteriores

Edição Nº 1067 27.abr.18

Economia

“O Brasil não é um fracasso”

O economista e professor Antonio Delfim Netto responde perguntas da DINHEIRO e de cinco ex-alunos da FEA-USP, chamados de “Delfim boys”. Em debate, o passado e o futuro do Brasil

O desemprego cresceu. E agora?

Recuperação mais lenta no mercado de trabalho levanta dúvidas sobre o ritmo de crescimento da economia neste ano

Vácuo na reforma

Com a extinção da Medida Provisória de regras trabalhistas, a revisão da CLT passa a valer na íntegra. Para as empresas, há espaço para novas contratações, mas falta ainda resolver dúvidas do texto original que ficaram pendentes

O economista mais poderoso do Brasil

Antonio Delfim Netto era chamado de o czar da economia brasileira. Participou diretamente e indiretamente de todos os governos desde o golpe militar de 1964. E, aos 90 anos, segue influenciando os rumos do País. Conheça a sua trajetória, suas histórias inéditas dos tempos da Ditadura e as suas relações com os presidentes do período democrático

O mundo no vermelho

Impulsionados por estímulos pós-crise de 2008, governos pelo mundo inteiro nunca deveram tanto dinheiro. Se a tendência não for revertida, o crescimento global pode voltar a ser ameaçado

Negócios

O novo idioma da Renner

Após promover uma revisão de todos os seus processos para reduzir custos e ganhar produtividade, a rede varejista amplia sua estratégia de expansão internacional com abertura de lojas no Uruguai

A força do tigre

Para voltar a crescer, a americana Kellogg amplia o portfólio e aposta em mercados emergentes. Saiba o papel do Brasil nessa estratégia

A startup de Oprah

Como a Sharecare, empresa da famosa apresentadora americana, pretende administrar a saúde dos brasileiros

O enrosco da Nike

A marca está envolvida em um novo escândalo, acusada de assédio moral por funcionárias. A empresa terá de enfrentar a fúria de consumidoras e tentar restaurar sua reputação

As marcas além da economia

Premiação das marcas mais valiosas mostra a importância dos investimentos em comunicação para os negócios das empresas e para o País

Kroton aumenta a aposta no ensino básico

Duas semanas depois de anunciar a criação da holding Saber, focada no ensino básico, a Kroton surpreendeu o mercado ao pagar R$ 6,2 bilhões pela Somos Educação. Entenda os reflexos desse negócio no setor

Investidores

“A eleição não muda os fundamentos de longo prazo”

Tradicionalmente avesso a entrevistas, Marcio Appel abriu uma exceção e falou com a DINHEIRO. A seguir, os principais pontos da entrevista:

O gestor que guia o mercado

Conheça Márcio Appel, da Adam Capital. Com R$ 26,3 bilhões sob administração e ganhos consistentes, ele se tornou uma referência no setor

Bradesco lucra R$ 5,1 bilhões no trimestre

Finanças

Fim da linha?

Em junho do ano passado, reportagem da DINHEIRO revelou com exclusividade como funcionava um esquema de emissão de títulos de dívidas das empresas para fraudar institutos municipais de previdência. Isso desencadeou as operações Papel Fantasma e Encilhamento, da Polícia Federal, e levou executivos do mercado financeiro para a cadeia

Estilo

Lamborghini volta a acelerar

Herdeiro da lendária fabricante italiana de carros superesportivos, Ferruccio Lamborghini quer recolocar a marca da família no mercado automotivo. Agora, com veículos elétricos

Dinheiro em Ação

Bradesco lucra R$ 5,1 bilhões no trimestre

Mercado Digital

Pequenas de fibra

Por que as pequenas operadoras são as responsáveis pelo crescimento da banda larga fixa no Brasil

Publieditorial

O alerta continua

Em debate promovido por ISTOÉ, especialistas reafirmam a importância da vacinação como meio eficaz e seguro para conter a febre amarela

Artigo

Adoráveis insensatos

Elon Musk é o empresário que leva você ao espaço, lança o carro do futuro e foi a inspiração para criar o personagem Tony Stark no filme o Homem de Ferro

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.