Edição nº 1142 14.10 Ver ediçõs anteriores

Edição Nº 1036 15.set.17

Economia

Quem quer dinheiro?

Desaceleração da inflação e corte da taxa de juros abrem caminho para retomada do crédito, que impulsionará a economia nos próximos meses

Ambev é a empresa do ano

Mesmo com ciclo econômico ruim, maior companhia de bebidas do Brasil consegue se destacar e vence prêmio principal do anuário As Melhores da Dinheiro 2017

Lula no vermelho, economia no azul

O enfraquecimento do ex-presidente reduz as chances de vitória de uma agenda populista em 2018. Diante da retomada do crescimento econômico e da perspectiva de algum avanço da reforma da Previdência, os investidores voltaram a apostar no Brasil, quebrando várias vezes o recorde do Índice Bovespa

Negócios

As novas caras do capitalismo brasileiro

Eles querem ganhar dinheiro, é claro. Mas não abrem mão do sonho de transformar o mundo em um lugar melhor. Saiba quem são e o que fazem esses empresários e como essa tendência pode ajudar o seu negócio

Uma empresa sem comando?

A prisão de Wesley Batista, presidente da JBS, amplia as incertezas sobre a companhia e fortalece o cenário para a saída do clã do dia a dia da operação

Se minha geladeira falasse…

Líder mundial na fabricação de motores para refrigeração, a catarinense Embraco, que pertence à Whirlpool, enxerga na tecnologia o único caminho para aquecer seus negócios

Tecnologia

Inteligência artificial à brasileira

A nova fronteira tecnológica não é um espaço exclusivo de gigantes como Amazon, Google, Facebook, Microsoft e IBM. Startups nacionais começam a ganhar terreno neste clube bilionário

iPhone: um celular de US$ 1 trilhão

Novos iPhones não trazem grandes novidades, mas vão ajudar a Apple a encher ainda mais seu caixa

Dinheiro em Ação

Vale de olho nos ativos da Cemig

Finanças

Merkel no centro da Europa

A chanceler alemã pega carona nos resquícios do Brexit para aumentar a influência do país, transformar Frankfurt no centro financeiro europeu

Investidores

A festa do Magazine Luiza não tem fim?

Rede varejista, que acumula alta de quase 450% na bolsa de valores neste ano, anuncia uma nova oferta de ações, que pode chegar a R$ 1,9 bilhão. Saiba por que a empresa de Luiza Trajano se transformou na queridinha do setor de consumo e qual é o potencial do papel