Edição nº 1052 12.01 Ver ediçõs anteriores

Para vestir a casa e a vida

A EcoSimple, grife de tecidos feitos de PET e algodão pós-consumo, aposta em parcerias com famosos para enfrentar os gigantes do setor

Para vestir a casa e a vida

Claudio Rocha, sócio-fundador da EcoSimple, estima crescer 15% neste ano

Na noite do dia 8 de agosto, o expediente foi até mais tarde no showroom da EcoSimple, tecelagem que atua apenas com fios produzidos de material reciclado. Em vez de fechar as portas às 18h, como é de costume, Claudio Rocha e Marisa Ferragutt, permaneceram até depois das 23h na casa situada no número 264 da Gabriel Monteiro da Silva, rua do sofisticado bairro do Jardim Europa, área nobre da cidade de São Paulo. E não estavam sozinhos. “Devem ter passado umas 300 pessoas por aqui”, conta Rocha, sócio-fundador da empresa especializada em revestimento.

Showroom
Os arquitetos Paulo Alves (à esq.) e Mauricio Arruda (à dir.).

Além da abertura oficial do showroom exclusivo (no anterior, situado a menos de uma quadra dali eles dividiam o espaço com outra grife), Rocha e Marisa celebravam a proeza de ter reunido, em plena SP Design Week, uma constelação de designers, grafiteiros, estilistas e decoradores em torno do universo EcoSimple. A lista é longa e inclui Alexandre Herchcovitch e Paulo Alves que assinaram algumas das coleções de estampas e motivos em tecidos feitos de fibra de PET e algodão pós-consumo.

Mas não é apenas de festa que tem vivido a tecelagem fundada em 1994, em Americana, cidade no polo industrial da região de Campinas (SP). Para buscar seu espaço numa verdadeira Terra de Gigantes, a dupla apostou na inovação e na ligação com grandes marcas daqui e do exterior: Coca-Cola Shoes, Oakley, Vert e Mr. Cat. Para elas, a EcoSimple já forneceu tecidos utilizados em calçados e acessórios. Ah, os tecidos da empresa revestem até mesmo as poltronas do novo estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.

O sucesso no mundo fashion começou na passarela do SP Fashion Week, em julho de 2012, quando os tecidos foram usados em roupas conceituais do estilista Alexandre Herchcovitch. Para 2017, a principal aposta de Rocha e Marisa é a parceria com o festejado artista peruano, radicado em São Paulo, Adrián Ilave, que assina a coleção Kipu, que significa livro de nó, no idioma quechua. Outro que desenhou uma linha exclusiva é o arquiteto Mauricio Arruda, que apresenta o programa Decora, da GNT.

A associação a nomes destacados do mundo das artes e da decoração é vista como vital por Rocha, para atingir a meta de elevar o faturamento em 15%, em relação ao ano passado, fechando 2017 com R$ 9 milhões. “O ano está difícil no campo econômico, mas estamos confiantes”, diz.


Mais posts

Uma questão de feeling

A Lava e Leva, rede de lavanderias criada por ex-professor universitário, deve fechar o ano com faturamento de R$ 48 milhões

Loja com propósito. E muita atitude

Os planos de Yan Ragede para transformar a Afrobox numa vitrine global de grifes de roupas e acessórios da periferia de Salvador

Lapidando diamantes. Negros!

O BlackRocks, especializado em empreendedores da base da pirâmide, terá um espaço exclusivo na São Paulo Tech Week 2017

De olho na performance e na produtividade alheias

Conheça a Micropower, empresa que cresceu atuando na área de treinamento, focado em resultados

A inovação que brota em qualquer lugar

Bancorbrás, empresa criada por ex-servidores do Bacen e do BB, reforça sua vertente socioambiental
Ver mais

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.