Economia

Economista contesta projeto que libera fundos

O presidente do Insper, Marcos Lisboa, alertou para o risco de o projeto que desvincula os recursos de 29 fundos públicos alimentar a narrativa de que há espaço para gastos sem aumentar as obrigações futuras do governo.

“O que está errado é dizer que se descobriu uma maneira de gastar mais e isso não vai ter impacto na dívida do governo”, disse Lisboa ao jornal O Estado de S. Paulo.

De autoria do deputado Mauro Benevides (PDT-CE), o projeto desvincula os recursos de 29 fundos públicos que têm destinação específica e não podem ser usados para bancar outras despesas. Esse dinheiro acaba ficando parado na conta única do Tesouro, uma espécie de “conta corrente” onde está depositado o dinheiro do governo federal.

Como mostrou o jornal O Estado de S. Paulo, a expectativa é de uma desvinculação de R$ 160 bilhões para servir de fonte de recursos para novas despesas com a covid-19.

A preocupação de Lisboa e de algumas lideranças da Câmara, é que a declaração de Benevides de que o projeto pode pagar a prorrogação do auxílio emergencial pode gerar uma “confusão” na cabeça dos deputados na votação prevista para a próxima semana.

Segundo Lisboa, essa medida não significa que exista dinheiro a mais para gastar, sem aumentar a dívida efetiva do governo, ou seja, suas obrigações futuras.

“O governo tem R$ 1.000 de dívida e R$ 100 no caixa em razão desses fundos que não foram gastos. Logo, o governo tem uma dívida efetiva de R$ 900. É isso que a sociedade brasileira deve e terá de pagar ao longo dos próximos anos”, disse o presidente do Insper.

Lisboa reconhece que a proposta simplifica a gestão do Tesouro. “As pessoas podem querer aumentar o gasto e, portanto, o déficit e a dívida efetiva. Isso é legítimo. O que não é correto é dizer para a sociedade que se achou uma maneira de aumentar os gastos sem aumentar as obrigações futuras do governo.” Para ele, parece que “alguns” querem reviver a contabilidade criativa de gestões passadas.

Governo

A área econômica do governo, que apoiou o projeto desde o início, não vê dessa forma. Pelo contrário, enxerga ganhos para a gestão orçamentária. Técnicos do Tesouro observam que seria equivocada a avaliação de que o projeto foi feito para gastar mais. A análise é que, ao poder usar como fonte recursos de superávits de anos anteriores, será necessária menor emissão de novos títulos.

Procurado, Mauro Benevides contestou as críticas. “A União vai ter um déficit de R$ 906 bilhões e só tem R$ 450 bilhões previstos. Ou ela emite títulos da dívida pública, que é o que o mercado financeiro quer, ou vai buscar fonte de recursos”, explicou o deputado.

Segundo ele, o que o projeto faz é criar fonte de recursos para as despesas que já estão previstas para fazer face ao combate da coronavírus.

Benevides afirmou que emitir títulos públicos é mais caro para o governo por conta do prêmio de risco que está sendo demandado pelo mercado para comprar os papéis. Os economistas, acrescentou, querem o financiamento por emissão de títulos públicos. “O Marcos Lisboa quer emissão de títulos públicos e eu discordo.”

Ele admitiu que aumentou a pressão na Câmara para excluir alguns fundos do projeto. Segundo ele, as receitas vão continuar entrando nesses fundos, que não serão extintos. “Eu administro a pressão.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?