Edição nº 1095 09.11 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz na América Latina

A economia está no caminho certo

João Castellano / Agência Istoé

A economia está no caminho certo

Hugo Cilo
Edição 12/10/2017 - nº 1040

Desde 2013, quando assumiu a presidência da Mercedes-Benz na América Latina, o alemão Philipp Schiemer se reúne com jornalistas na sede da empresa, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, com dois objetivos principais: fazer um balanço do desempenho da empresa e traçar cenários para o futuro. Excluindo o encontro de seu ano de estreia, quando a montadora ainda desfrutava de números recordes, os três seguintes foram carregados de reclamação e pessimismo. Com razão.

Desde que entrou, as vendas do setor desabaram 70%, a reboque da maior recessão da história da economia brasileira. Mas o tradicional encontro deste ano, na segunda-feira 9, mostrou um clima diferente. Sorridente, Schiemer anunciou investimento de R$ 2,4 bilhões e afirmou que o pior da crise ficou para trás e que suas vendas neste segundo semestre endossam as teses de que a economia está em trajetória de recuperação. “O Brasil voltou a ter uma chance de estabelecer um caminho para crescer de forma gradual e sustentável.”

DINHEIRO – Não é cedo para afirmar que a crise acabou?

PHILIPP SCHIEMER – Estamos cautelosos, mas otimistas. Pela primeira vez em mais de três anos, temos motivos para comemorar. O segundo semestre está mais aquecido do que o primeiro, num claro movimento de recuperação das vendas. Poderíamos fechar o ano com números bons, se esse reaquecimento tivesse começado mais cedo.

DINHEIRO – O crescimento é consistente?

SCHIEMER – Sim, mas gradual. Entre 2013 e a primeira metade de 2017, o setor de caminhões viveu uma das fases mais dramáticas da história. As vendas acumularam uma queda de cerca de 70%. As quedas de alguns setores importantes da economia puxaram para baixo nosso setor também. Agora que toda a economia começa a se recuperar, recuperamos junto.

DINHEIRO – Mas alguns setores, como o agronegócio, conseguiram se segurar na crise…

SCHIEMER – A agricultura tem apresentado um desempenho muito positivo, sim. Além disso, as empresas do agronegócio conseguiram, graças a uma situação financeira melhor, preservar seu acesso ao crédito. O mercado de caminhões é muito dependente do crédito. Os bancos só emprestam para quem comprova condições de pagar. A combinação de bom desempenho do setor e a bom acesso a financiamento mantém o agronegócio com perspectivas muito otimistas.

DINHEIRO – O agronegócio não tem sido o único, certo?

SCHIEMER – Sim, o setor de logística também dá sinais de recuperação. Temos percebido uma alta de cerca de 25% nos negócios para essa atividade. Além disso, acredito que 2018 será o ano do início da recuperação da construção civil, uma indústria que demanda investimentos em veículos pesados e extrapesados. Há no horizonte também boas perspectivas para a renovação das frotas urbanas de ônibus, as frotas rodoviárias e até de ônibus escolares. Estamos observando com atenção cada um deles para poder suprir as demandas específicas de cada atividade.

DINHEIRO – Além da queda nas vendas, como a crise afetou os números da operação brasileira?

SCHIEMER – O volume de vendas despencou, mas conseguimos avançar em participação de mercado. Em 2013, quando a crise começou para valer, a Mercedes-Benz respondia por 19% das vendas nacionais. Neste ano, nosso market share está em 25,4%. Outro bom indicador é o volume de emplacamentos diários, que cresce mês a mês. A nossa média em outubro está maior do que a média registrada em setembro. A recuperação é gradual, mas está acontecendo.

Declaração de Philipp Schiemer sobre a política económica conduzida por Henrique Meirelles, ministro da Fazenda (Crédito:José Cruz/Agência Brasil )

DINHEIRO – Quais são os indicadores macroeconômicos que sustentam esse otimismo?

SCHIEMER – Acredito que a estabilidade do câmbio é um sinal de que a economia está no caminho certo. Quando há pouca variação do dólar, é possível ter mais previsibilidade e, consequentemente, isso ajuda a restaurar a confiança. Somos sempre cautelosos, mas não temos dúvidas de que o crescimento do setor de caminhões em 2018 será impulsionado pela combinação positiva dos fatores macroeconômicos.

DINHEIRO – A crise não gerou um trauma nas empresas?

SCHIEMER – Se a confiança voltar, as empresas voltam a investir. O potencial do Brasil é enorme. O caminho da recuperação não está andado, mas estamos na rota certa.

DINHEIRO – Mas, para compensar a queda interna, o setor apostou na exportação. A Mercedes fez isso?

SCHIEMER – As exportações aceleraram 25,9% no acumulado deste ano. É um resultado muito bom. A Argentina tem nos surpreendido, com um aumento significativo das compras. Lá, a economia ainda tem grandes desafios pela frente, mas está no caminho certo. Houve estabilidade nos últimos dois anos. Estamos com boas exportações também para Chile, Peru, Colômbia e Equador. Vamos exportar motores M460 para a Alemanha. Enfim, precisamos ser competitivos não apenas no Brasil, mas também lá fora. Temos concorrentes muito fortes, como a China e a Índia, e há grandes oportunidades no mercado internacional.

DINHEIRO – O que é preciso fazer para resgatar a confiança?

SCHIEMER – A gente tem que comprar a ideia das reformas para crescer de verdade. O Brasil voltou a ter uma chance de estabelecer um caminho para crescer de forma sustentável.

DINHEIRO – Mas os investidores levarão tempo para se convencerem de que o Brasil é um bom local para investir…

SCHIEMER – O investidor internacional só coloca dinheiro em alguma empresa brasileira se ele tem confiança de as contas serão pagas. Por isso, as reformas são essenciais para criar um ambiente de confiança no futuro. Nesse contexto, os juros precisam cair. Com uma Selic alta, o investimento deixa de ser atrativo. É melhor deixar o dinheiro render em títulos do governo, sem nenhum trabalho e quase nenhum risco. Quando a Selic cair mais, o dinheiro que está parado em papéis entra na economia para reativar a produção e o consumo.

Construção de edifícios comerciais em São Paulo (Crédito:iStock)

DINHEIRO – Os novos investimentos da Mercedes-Benz simbolizam esse movimento?

SCHIEMER – Com certeza. Conseguimos aprovar junto ao board da Mercedes, na Alemanha, um investimento de R$ 2,4 bilhões para o período de 2018 e 2022. Esse dinheiro, complementar aos R$ 750 milhões do ciclo 2015 e 2018, será direcionado à modernização das fábricas em São Bernardo do Campo e em Juiz de Fora, em Minas Gerais, além de lançamento de novos produtos. Entre 2010 e 2015, já havíamos investido outros R$ 2,5 bilhões. Está muito claro na cabeça de todos nós que não adianta termos as melhores fábricas, se não temos os melhores produtos. Temos de ter classe mundial em processos de produção e produtos.

DINHEIRO – A fábrica de São Bernardo está defasada em termos tecnológicos e de produtividade?

SCHIEMER – A unidade de São Bernardo, com 7.700 funcionários, já é considerada uma das mais modernas da Mercedes-Benz no mundo, mas há o que melhorar. A unidade foi inaugurada em uma época em que o País não oferecia uma cadeia completa de fornecedores. Por isso, muitas partes do caminhão, além do nosso ‘core business’ eixo, motor e câmbio, era produzida internamente. Hoje, não faz mais sentido. Tínhamos 56 armazéns. Agora, unificamos para apenas 6. Com a implementação de várias mudanças, desde o início da crise, aumentamos em 15% nossa produtividade em São Bernardo.

DINHEIRO – Está nos planos antecipar a produção de motores Euro 6 no Brasil?

SCHIEMER – Não adianta ter o Euro 6 (a mais rígida norma europeia de emissão de poluentes), se metade da frota brasileira é ‘Euro Zero’. O custo de se trazer esse motor será pago por todos, e não acho que seja o momento mais apropriado para fazer isso.

DINHEIRO – A reclamação do setor, nos últimos anos, não foi exagerada?

SCHIEMER – Nós todos reclamamos muito nos últimos anos, é verdade. Mas não era uma reclamação sem causa. Havia problemas reais que resultaram na maior recessão de todos os tempos. Mas, agora que enxergamos que o caminho está correto, precisamos falar e demonstrar confiança.

DINHEIRO – E se o País der marcha à ré?

SCHIEMER – Existem riscos, é claro. Não há garantias de que a recuperação será real pelos próximos anos. Mas existe uma postura de clareza da equipe econômica. O déficit fiscal é conhecido. O plano de reação também é amplamente divulgado. A caixa preta do governo foi aberta e, mesmo que os números não sejam aqueles que gostaríamos, o jogo é mais claro e aberto.

  • Dólar Comercial
    R$3,78400 -1,25%
  • Euro Comercial
    R$4,27960 -0,79%
  • Dow Jones
    25.080,50 -0,81%
  • Nasdaq
    7.136,3900 0,00%
  • Londres
    7.048,15 +0,20%
  • Frankfurt
    11.424,90 +0,11%
  • Paris
    5.056,85 -0,24%
  • Madrid
    9.097,50 -0,10%
  • Hong Kong
    26.103,30 +1,75%
  • CDI Anual
    6,40% 0,00%

alega motivos pessoais

Ilan decide não permanecer na presidência do BC


Ibovespa enfrenta instabilidade mas fecha em alta de 1,25%

Mercado financeiro

Ibovespa enfrenta instabilidade mas fecha em alta de 1,25%

Bolsonaro sinaliza com neutralidade na Câmara

Não apoiará Rodrigo Maia

Bolsonaro sinaliza com neutralidade na Câmara

Empregos temporários abrem mais de 430 mil vagas no País

Oportunidades

Empregos temporários abrem mais de 430 mil vagas no País

Segundo especialistas, até 10% dos trabalhadores de fim de ano conseguem efetivação ao fim do contrato

Dólar volta a cair com ajuda do exterior e termina em R$ 3,78

Câmbio

Dólar volta a cair com ajuda do exterior e termina em R$ 3,78

Sem privatizar Eletrobrás, União terá de cortar R$ 12 bi

energia

Sem privatizar Eletrobrás, União terá de cortar R$ 12 bi


Negócios


Cesario Nakamura é o novo presidente da Alelo

mudança

Cesario Nakamura é o novo presidente da Alelo

Investimentos da Oi crescem 13,4% e somam R$ 1,526 bilhão no 3º trimestre

Telefonia

Telefonia

Investimentos da Oi crescem 13,4% e somam R$ 1,526 bilhão no 3º trimestre

Teslaquila: a nova empreitada de Elon Musk gera polêmica no México

Empreendedorismo

Empreendedorismo

Teslaquila: a nova empreitada de Elon Musk gera polêmica no México

Joias da rainha francesa Maria Antonieta vão à leilão em Genebra

Raridades

Raridades

Joias da rainha francesa Maria Antonieta vão à leilão em Genebra


Blog

Um brasileiro no mais importante leilão de vinhos do mundo

Por Suzana Barelli

Por Suzana Barelli

Um brasileiro no mais importante leilão de vinhos do mundo

Na plateia, um brasileiro deve chamar a atenção: Alaor Pereira Lino que atraiu todas as atenções ao se oferecer a pagar mais 10 mil euros para fechar a venda das duas "pièces des présidents" em 2017


Internacional


Ministro britânico do Brexit, Dominic Raab, anuncia demissão

após acordo

Ministro britânico do Brexit, Dominic Raab, anuncia demissão

Macron diz a Trump que ‘aliados se devem respeito mútuo’

Presidente francês

Presidente francês

Macron diz a Trump que ‘aliados se devem respeito mútuo’

Trump afasta funcionária da Casa Branca criticada por Melaina

assessora de segurança nacional

assessora de segurança nacional

Trump afasta funcionária da Casa Branca criticada por Melaina

Salvini recebe imigrantes como gesto de generosidade da Itália

recebeu imigrantes da Líbia

recebeu imigrantes da Líbia

Salvini recebe imigrantes como gesto de generosidade da Itália


Entrevista

Antônio Claret, presidente da infraero

Antônio Claret, presidente da infraero

"Sou a favor de abrir o capital da Infraero"

Depois de ter tirado a Infraero de um prejuízo de R$ 221 milhões e levar a um lucro operacional de R$ 505 milhões, Antônio Claret projeta capitação de R$ 8 bilhões com abertura de capital


Economia


“Sem a Previdência, não tem o resto”, afirma Maílson da Nobrega

entrevista

“Sem a Previdência, não tem o resto”, afirma Maílson da Nobrega

O economista e ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega falou à DINHEIRO após apresentação a clientes da gestora de recursos Reag, na terça-feira 6:

Trump terá de enfrentar a maioria da oposição na Câmara dos Deputados

Desafio

Trump terá de enfrentar a maioria da oposição na Câmara dos Deputados

Pela primeira vez em seu mandato, o presidente dos Estados Unidos terá de lidar com uma maioria da oposição na Câmara dos Deputados para aprovar temas polêmicos, como imigração e saúde pública


Negócios

Carros elétricos: a bilionária rota do futuro

Inovação

Inovação

Carros elétricos: a bilionária rota do futuro

As montadoras aceleram lançamentos de carros elétricos, enquanto empresas de energia, redes de postos e até uma hidrelétrica estruturam projetos para a nova revolução da mobilidade

Queda de vendas da Ambev será momentânea ou o fim de uma era?

Água no chope

Queda de vendas da Ambev será momentânea ou o fim de uma era?

O resultado do último trimestre da Ambev, líder do mercado cervejeiro, preocupa o mercado. A queda de vendas da empresa-modelo do capitalismo brasileiro será momentânea ou prenuncia o fim de uma era?

Editoras tentam evitar a derrocada das grandes livrarias

mercado editorial

Editoras tentam evitar a derrocada das grandes livrarias

Atoladas em dívidas, a Livraria Cultura e a Saraiva pressionam o mercado de livros. O futuro das editoras, que dependem das duas grandes redes, é incerto

Empresários brasileiros e peruanos discutem cooperação comercial

Aproximação

Empresários brasileiros e peruanos discutem cooperação comercial

Encontro de autoridades e empresários brasileiros e peruanos em Cusco reafirma a importância da cooperação comercial entre os dois Países


Estilo

R$ 1 bilhão para as férias

rio quente resorts

rio quente resorts

R$ 1 bilhão para as férias

Após a aquisição do Costa do Sauípe Resort no início do ano, o Grupo Aviva Algar, proprietário do Rio Quente Resorts, finca sua bandeira na hospedagem de entretenimento e quer chegar ao seu primeiro R$ 1 bilhão


Finanças


Ganho da Petrobras sobe 2.400% no terceiro trimestre

dinheiro em ação

Ganho da Petrobras sobe 2.400% no terceiro trimestre

A boa oportunidade dos fundos imobiliários

investidores

A boa oportunidade dos fundos imobiliários

Aquecimento da economia e oferta reprimida nos últimos três anos devem gerar boas oportunidades nos fundos imobiliários. Saiba os que os especialistas recomendam


Mercado Digital

Valeu. Foi bom. Adeus!

tensão

tensão

Valeu. Foi bom. Adeus!

Saída dos fundadores do WhatsApp, do Instagram e da Oculus evidencia conflitos internos no Facebook e coloca em xeque o romântico discurso da empresa de conectar as pessoas


Colunas


Os investimentos após as eleições

editorial

Os investimentos após as eleições

Portas abertas para o setor imobiliário

moeda forte

Portas abertas para o setor imobiliário

Diamante de Marilyn vai à leilão

cobiça

Diamante de Marilyn vai à leilão

Competição americana

dinheiro & tecnologia

Competição americana

A natureza selvagem e preservada

sustentabilidade

A natureza selvagem e preservada


Artigo

A Constituição e a garantia das liberdades

por celso masson

por celso masson

A Constituição e a garantia das liberdades

Na sessão da Câmara dos Deputados que celebrou o trigésimo aniversário da “Constituição Cidadã”, Raquel Dodge e Bolsonaro reafirmaram a importância de preservar as garantias fundamentais expressas na Carta

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.