Edição nº 1066 20.04 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz na América Latina

A economia está no caminho certo

João Castellano / Agência Istoé

A economia está no caminho certo

Hugo Cilo
Edição 12/10/2017 - nº 1040

Desde 2013, quando assumiu a presidência da Mercedes-Benz na América Latina, o alemão Philipp Schiemer se reúne com jornalistas na sede da empresa, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, com dois objetivos principais: fazer um balanço do desempenho da empresa e traçar cenários para o futuro. Excluindo o encontro de seu ano de estreia, quando a montadora ainda desfrutava de números recordes, os três seguintes foram carregados de reclamação e pessimismo. Com razão.

Desde que entrou, as vendas do setor desabaram 70%, a reboque da maior recessão da história da economia brasileira. Mas o tradicional encontro deste ano, na segunda-feira 9, mostrou um clima diferente. Sorridente, Schiemer anunciou investimento de R$ 2,4 bilhões e afirmou que o pior da crise ficou para trás e que suas vendas neste segundo semestre endossam as teses de que a economia está em trajetória de recuperação. “O Brasil voltou a ter uma chance de estabelecer um caminho para crescer de forma gradual e sustentável.”

DINHEIRO – Não é cedo para afirmar que a crise acabou?

PHILIPP SCHIEMER – Estamos cautelosos, mas otimistas. Pela primeira vez em mais de três anos, temos motivos para comemorar. O segundo semestre está mais aquecido do que o primeiro, num claro movimento de recuperação das vendas. Poderíamos fechar o ano com números bons, se esse reaquecimento tivesse começado mais cedo.

DINHEIRO – O crescimento é consistente?

SCHIEMER – Sim, mas gradual. Entre 2013 e a primeira metade de 2017, o setor de caminhões viveu uma das fases mais dramáticas da história. As vendas acumularam uma queda de cerca de 70%. As quedas de alguns setores importantes da economia puxaram para baixo nosso setor também. Agora que toda a economia começa a se recuperar, recuperamos junto.

DINHEIRO – Mas alguns setores, como o agronegócio, conseguiram se segurar na crise…

SCHIEMER – A agricultura tem apresentado um desempenho muito positivo, sim. Além disso, as empresas do agronegócio conseguiram, graças a uma situação financeira melhor, preservar seu acesso ao crédito. O mercado de caminhões é muito dependente do crédito. Os bancos só emprestam para quem comprova condições de pagar. A combinação de bom desempenho do setor e a bom acesso a financiamento mantém o agronegócio com perspectivas muito otimistas.

DINHEIRO – O agronegócio não tem sido o único, certo?

SCHIEMER – Sim, o setor de logística também dá sinais de recuperação. Temos percebido uma alta de cerca de 25% nos negócios para essa atividade. Além disso, acredito que 2018 será o ano do início da recuperação da construção civil, uma indústria que demanda investimentos em veículos pesados e extrapesados. Há no horizonte também boas perspectivas para a renovação das frotas urbanas de ônibus, as frotas rodoviárias e até de ônibus escolares. Estamos observando com atenção cada um deles para poder suprir as demandas específicas de cada atividade.

DINHEIRO – Além da queda nas vendas, como a crise afetou os números da operação brasileira?

SCHIEMER – O volume de vendas despencou, mas conseguimos avançar em participação de mercado. Em 2013, quando a crise começou para valer, a Mercedes-Benz respondia por 19% das vendas nacionais. Neste ano, nosso market share está em 25,4%. Outro bom indicador é o volume de emplacamentos diários, que cresce mês a mês. A nossa média em outubro está maior do que a média registrada em setembro. A recuperação é gradual, mas está acontecendo.

Declaração de Philipp Schiemer sobre a política económica conduzida por Henrique Meirelles, ministro da Fazenda (Crédito:José Cruz/Agência Brasil )

DINHEIRO – Quais são os indicadores macroeconômicos que sustentam esse otimismo?

SCHIEMER – Acredito que a estabilidade do câmbio é um sinal de que a economia está no caminho certo. Quando há pouca variação do dólar, é possível ter mais previsibilidade e, consequentemente, isso ajuda a restaurar a confiança. Somos sempre cautelosos, mas não temos dúvidas de que o crescimento do setor de caminhões em 2018 será impulsionado pela combinação positiva dos fatores macroeconômicos.

DINHEIRO – A crise não gerou um trauma nas empresas?

SCHIEMER – Se a confiança voltar, as empresas voltam a investir. O potencial do Brasil é enorme. O caminho da recuperação não está andado, mas estamos na rota certa.

DINHEIRO – Mas, para compensar a queda interna, o setor apostou na exportação. A Mercedes fez isso?

SCHIEMER – As exportações aceleraram 25,9% no acumulado deste ano. É um resultado muito bom. A Argentina tem nos surpreendido, com um aumento significativo das compras. Lá, a economia ainda tem grandes desafios pela frente, mas está no caminho certo. Houve estabilidade nos últimos dois anos. Estamos com boas exportações também para Chile, Peru, Colômbia e Equador. Vamos exportar motores M460 para a Alemanha. Enfim, precisamos ser competitivos não apenas no Brasil, mas também lá fora. Temos concorrentes muito fortes, como a China e a Índia, e há grandes oportunidades no mercado internacional.

DINHEIRO – O que é preciso fazer para resgatar a confiança?

SCHIEMER – A gente tem que comprar a ideia das reformas para crescer de verdade. O Brasil voltou a ter uma chance de estabelecer um caminho para crescer de forma sustentável.

DINHEIRO – Mas os investidores levarão tempo para se convencerem de que o Brasil é um bom local para investir…

SCHIEMER – O investidor internacional só coloca dinheiro em alguma empresa brasileira se ele tem confiança de as contas serão pagas. Por isso, as reformas são essenciais para criar um ambiente de confiança no futuro. Nesse contexto, os juros precisam cair. Com uma Selic alta, o investimento deixa de ser atrativo. É melhor deixar o dinheiro render em títulos do governo, sem nenhum trabalho e quase nenhum risco. Quando a Selic cair mais, o dinheiro que está parado em papéis entra na economia para reativar a produção e o consumo.

Construção de edifícios comerciais em São Paulo (Crédito:iStock)

DINHEIRO – Os novos investimentos da Mercedes-Benz simbolizam esse movimento?

SCHIEMER – Com certeza. Conseguimos aprovar junto ao board da Mercedes, na Alemanha, um investimento de R$ 2,4 bilhões para o período de 2018 e 2022. Esse dinheiro, complementar aos R$ 750 milhões do ciclo 2015 e 2018, será direcionado à modernização das fábricas em São Bernardo do Campo e em Juiz de Fora, em Minas Gerais, além de lançamento de novos produtos. Entre 2010 e 2015, já havíamos investido outros R$ 2,5 bilhões. Está muito claro na cabeça de todos nós que não adianta termos as melhores fábricas, se não temos os melhores produtos. Temos de ter classe mundial em processos de produção e produtos.

DINHEIRO – A fábrica de São Bernardo está defasada em termos tecnológicos e de produtividade?

SCHIEMER – A unidade de São Bernardo, com 7.700 funcionários, já é considerada uma das mais modernas da Mercedes-Benz no mundo, mas há o que melhorar. A unidade foi inaugurada em uma época em que o País não oferecia uma cadeia completa de fornecedores. Por isso, muitas partes do caminhão, além do nosso ‘core business’ eixo, motor e câmbio, era produzida internamente. Hoje, não faz mais sentido. Tínhamos 56 armazéns. Agora, unificamos para apenas 6. Com a implementação de várias mudanças, desde o início da crise, aumentamos em 15% nossa produtividade em São Bernardo.

DINHEIRO – Está nos planos antecipar a produção de motores Euro 6 no Brasil?

SCHIEMER – Não adianta ter o Euro 6 (a mais rígida norma europeia de emissão de poluentes), se metade da frota brasileira é ‘Euro Zero’. O custo de se trazer esse motor será pago por todos, e não acho que seja o momento mais apropriado para fazer isso.

DINHEIRO – A reclamação do setor, nos últimos anos, não foi exagerada?

SCHIEMER – Nós todos reclamamos muito nos últimos anos, é verdade. Mas não era uma reclamação sem causa. Havia problemas reais que resultaram na maior recessão de todos os tempos. Mas, agora que enxergamos que o caminho está correto, precisamos falar e demonstrar confiança.

DINHEIRO – E se o País der marcha à ré?

SCHIEMER – Existem riscos, é claro. Não há garantias de que a recuperação será real pelos próximos anos. Mas existe uma postura de clareza da equipe econômica. O déficit fiscal é conhecido. O plano de reação também é amplamente divulgado. A caixa preta do governo foi aberta e, mesmo que os números não sejam aqueles que gostaríamos, o jogo é mais claro e aberto.


Entrevista

'Há uma lacuna grande no Brasil. Quem entrar e investir vai capturar valor'

Bedy Yang, sócia da 500 Startups

Bedy Yang, sócia da 500 Startups

'Há uma lacuna grande no Brasil. Quem entrar e investir vai capturar valor'

Quando se trata de startups, a paranaense Bedy Yang, de 39 anos, está no centro do mundo. Não porque trabalha no coração do Vale do Silício. Mas porque é sócia do fundo de venture capital 500 Startups, um dos mais ativos da atualidade


Finanças


A Cielo se prepara para contraatacar

Meios de pagamento

A Cielo se prepara para contraatacar

Para enfrentar o PagSeguro e as fintechs, a empresa prepara um pacote de lançamentos, que inclui uma máquina para atender os pequenos negócios

Como os Millennials investem

Investidores

Como os Millennials investem

Jovens entre 18 e 35 anos são conservadores e ao mesmo tempo plugados no mundo digital. Eles entram no mercado financeiro com o objetivo de diminuir as incertezas do futuro


Economia

Qual o salário mínimo que o Brasil deve ter

Valor real

Qual o salário mínimo que o Brasil deve ter

O próximo presidente terá de definir como dosar os reajustes do piso salarial brasileiro à nova realidade econômica do País. O desafio é escolher entre o ideal e o possível

Números de EUA e Brasil se parecem, mas realidades são opostas

Inflação

Números de EUA e Brasil se parecem, mas realidades são opostas

Desde 2007, no período pré-crise, os índices de preços do Brasil e dos Estados Unidos não estavam tão próximos. Na prática, no entanto, há muito mais diferenças do que semelhanças entre as duas economias

Presidente americano adiciona o risco bélico em meio a uma guerra comercial

General Trump

Presidente americano adiciona o risco bélico em meio a uma guerra comercial

Bombardeio na Síria adiciona incertezas militares num cenário econômico internacional já conturbado pela disputa comercial entre EUA e China


Mercado Digital

Como a Microsoft está lidando com a crise do Vale do Silício

Em boas mãos

Em boas mãos

Como a Microsoft está lidando com a crise do Vale do Silício

Sob o comando de Satya Nadella, a empresa fundada por Bill Gates reformula seus negócios e consegue escapar da crise que abala as empresas de tecnologia americanas


Negócios

VLI Logística está de cofre cheio à espera das concessões

Transporte

VLI Logística está de cofre cheio à espera das concessões

A VLI Logística, uma das maiores empresas de transporte ferroviário do País, se diz pronta para desembolsar o maior volume de investimentos de sua história. Só depende da renovação antecipada das concessões, que deve atrair R$ 30 bilhões em recursos

Existe saída para a BR Pharma?

Farmacêutica

Existe saída para a BR Pharma?

O fundo Lyon Capital, do empresário Paulo Remy, e o PPLA, empresa de investimento do BTG Pactual, estão brigando para saber qual deles não vai ficar com a encrencada rede de farmácias. Entenda a história

A Supreme se torna a marca descolada de luxo

Estilo

A Supreme se torna a marca descolada de luxo

A marca americana de streetwear Supreme, que está entre as preferidas dos adolescentes, conquistou parceiros de prestígio como Louis Vuitton, Rimowa e Lacoste


Colunas


A bomba fiscal

Editorial

A bomba fiscal

Um novo capítulo para o Citi

Moeda Forte

Um novo capítulo para o Citi

Combustível que vem do esgoto

Sustentabilidade

Combustível que vem do esgoto

Otimismo sem freio

Dinheiro & Tecnologia

Otimismo sem freio

O esplendor do mar

Cobiça

O esplendor do mar


Artigo

Maduros, sim. Velhos, nunca

Por Cláudio Gradilone

Por Cláudio Gradilone

Maduros, sim. Velhos, nunca

Facilitar que os cidadãos permaneçam produtivos vai reduzir a pressão sobre as contas do INSS e preservar o conhecimento de décadas de experiência


Como fazer sua marca romper com o óbvio

Caso Smiles

Como fazer sua marca romper com o óbvio

Loja física deve virar centro de distribuição, diz Magazine Luiza

Debate

Debate

Loja física deve virar centro de distribuição, diz Magazine Luiza

“Marcas precisam se comunicar com simplicidade”, diz CEO da Kantar

Eric Salama

Eric Salama

“Marcas precisam se comunicar com simplicidade”, diz CEO da Kantar

“PIB terá forte correlação com marca Brasil”, diz CEO da The Store WPP

David Roth

David Roth

“PIB terá forte correlação com marca Brasil”, diz CEO da The Store WPP


As Melhores da DINHEIRO 2018

Sua empresa não pode ficar de fora

Premiação

Premiação

Sua empresa não pode ficar de fora

As inscrições para o prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO 2018 estão abertas. Saiba como participar

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.