Economia

Economia americana dá sinais de recuperação, mas Tesouro e Fed estudam mais estímulo

Economia americana dá sinais de recuperação, mas Tesouro e Fed estudam mais estímulo

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, em Washington, no último 18 de junho de 2020 - AFP

A economia americana dá sinais alentadores de recuperação após o duro impacto provocado pela pandemia do novo coronavírus, embora os titulares do Tesouro e do Federal Reserve (Fed, banco central americano) tenham informado nesta terça-feira (30) que pode ser necessário mais estímulo para cimentar a reativação.

Depois que a economia americana registrou dados de emprego muito favoráveis em maio – atribuídos em grande parte aos programas de auxílio aprovados pelo Congresso – a confiança do consumidor, referente ao mês de junho e divulgada nesta terça, aumentou o otimismo.

“Entramos em uma nova fase muito importante e o fizemos antes do previsto”, disse o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, ao Comitê de Serviços Financeiros da Câmara, durante uma audiência para discutir a implementação do grande pacote de ajuda financeira para a crise aprovado no final de março.

Em seu depoimento, Powell destacou que conter a disseminação do vírus e restaurar a confiança são as chaves para a recuperação da economia, juntamente com a implementação em todos os níveis do governo de políticas para “dar alívio e sustentar a economia enquanto for necessário”.

“Uma recuperação total é improvável até que as pessoas sintam que é seguro retornar a múltiplas atividades”, alertou Powell, em um momento no qual as regiões Oeste e o Sul dos EUA registram um aumento nos casos de coronavírus.

Apesar da magnitude do impacto, que o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que causará uma redução de 8% na economia dos EUA, há alguns sinais encorajadores, como a queda no desemprego, registrada em maio, e uma recuperação nas vendas do varejo e nos gastos dos consumidores.

Somado a esses indicadores está a melhora da confiança do consumidor verificada em maio e junho.

Ainda assim, segundo dados dos auxílios semanais, as demissões causadas pela pandemia se mantêm, com cerca de 1,48 milhão de novos pedidos de seguro desemprego na semana passada.

– Auxílio “direcionado” –

O Congresso aprovou um enorme plano de ajuda emergencial de US$ 2 trilhões no final de março, chamado de CARES act, com o objetivo de reduzir o impacto da crise nas empresas e trabalhadores mais vulneráveis dos Estados Unidos.

A Câmara de Representantes (baixa) adotou em maio um enorme plano de ajuda de US$ 3 trilhões, mas os republicanos, que são a maioria no Senado, estão pedindo mudanças antes de revisá-lo.

O secretário do Tesouro, Steve Mnuchin, declarou que a “enorme quantidade de fundos” já aprovada pelo Congresso vem ajudando a fortalecer a economia, que deve melhorar no segundo semestre do ano.

Mnuchin observou que os dados mostram que essa ajuda influenciou na recuperação econômica, e que 2,5 milhões de empregos foram criados em maio.

“Embora a taxa de desemprego permaneça em um nível historicamente alto, estamos vendo indicações adicionais de que as condições vão melhorar significativamente no terceiro ou quarto trimestre deste ano”, acrescentou.

O secretário do Tesouro informou que as negociações para um plano de ajuda adicional irão começar.

“Esperamos trabalhar com o Congresso de uma forma bipartidarista em julho para qualquer outra aprovação necessária”, ressaltou.

No entanto, ele acrescentou que qualquer ajuda adicional deverá ser “especialmente direcionada a certas indústrias que foram afetadas pela pandemia, com ênfase no emprego”.

Veja também

+ Receita abre consulta a segundo lote de restituição de IR, o maior da história
+ Homem encontra chave de fenda em pacote de macarrão
+ Baleias dão show de saltos em ilhabela, veja fotos!
+ 9 alimentos que incham a barriga e você não fazia ideia
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança