E sua empresa, quanto já gastou na luta antirracista?

E sua empresa, quanto já gastou na luta antirracista?

Maio entrará para a história como mês em que palavras como racismo, inclusão, exclusão, diversidade e justiça foram mencionadas mundo afora, rompendo fronteiras, tanto quanto covid-19. E o nome George Floyd ecoou como sinônimo de um basta nas desigualdades raciais de qualquer ordem, mas, principalmente, o institucionalizado, na sua face mais visível e perversa nas ações da polícia, seja nos Estados Unidos, no Brasil ou em outras partes do Planeta.

As imagens que correram o planeta fizeram eclodir uma série de questões mal resolvidas, tirando várias pessoas da zona de conforto, tensionadas por uma frase que ganhou força por aqui: “Não basta não ser racista, tem que ser ANTIRRACISTA”. E em meio a este questionamento e também à pandemia, muitos criaram coragem, romperam o silêncio – e até o confinamento – e foram para as ruas para dizer basta de racismo.

Acompanhando de perto esses acontecimentos, nas imagens das manifestações nos Estados Unidos, Europa, Ásia e até mesmo aqui, como espectador ou analista de diversidade e inclusão na CNN Brasil, pude perceber uma evolução nessa discussão do antirracismo; uma mudança de patamar que, talvez, jamais havíamos atingido: houve a tomada das ruas, não apenas e somente pelas vítimas do racimo, negros e negras, mas também por brancos que de braços unidos disseram: essa é uma luta muito maior, é a luta pela dignidade humana.

Mas quais ações devem ser tomadas de forma prática para combater esse mal que nos assola há séculos? No calor das manifestações, uma série de iniciativas passou a ser praticada, desde o questionamento da conduta da abordagem policial nos Estados Unidos até a derrubada de estátuas e monumentos a personagens racistas de séculos atrás. O mundo corporativo não ficou atrás. Novamente os exemplos mais contundentes vieram de fora: Reed Hastings, cofundador e CEO da Netflix, juntamente com a esposa Patty Quillin, ambos brancos, doaram 120 milhões de dólares à formação universitária de negros e negras. A Apple lançou uma iniciativa de 100 milhões de dólares, cerca de 90 milhões de euros, para promover a igualdade racial. Tim Cook explica que esta iniciativa vai desafiar as barreiras do sistema, que existem à volta das oportunidades e dignidade das comunidades de cor, especificamente para a comunidade negra, para citar apenas dois exemplos.

Agora, ao olharmos para o maior país negro fora da África, onde as desigualdades são gritantes e o racismo expõe suas garras, não só na polícia, mas também em todas as estruturas de poder, não temos um negro no alto escalão do governo federal, como há nos Estados Unidos. Da mesma forma, também não temos um governador ou governadora negra. Lá também é ínfima a representação política no legislativo, não há nenhum negro no Supremo Tribunal Federal e apenas 4.6% em cargos estratégicos das 500 maiores empresas nacionais.

É de se perguntar: quanto as empresas – além de prestar contas em redes sociais, de criar eventos na semana da consciência negra, de criar grupos de afinidades, que são essenciais e muito importantes também – estão investindo verdadeiramente na inclusão de negros e negras no Brasil para a construção de mundo melhor.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

 

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

O blog Diversidade Corporativa, de Mauricio Pestana, ex-secretário de Igualdade Racial do município de São Paulo, é um espaço destinado à reflexão e ao debate sobre o panorama da diversidade racial e de gênero no mundo empresarial. Traz temas relacionados a políticas afirmativas e inclusão social e apresenta soluções para fomentar o desenvolvimento socioeconômico da população historicamente excluída da economia e ambiente corporativo no Brasil


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.