E nós com a China?

E nós com a China?

No cabo de força de uma disputa de gigantes, China e EUA, o Brasil ainda tenta encontrar o seu lugar. A depender das escolhas, vai colher consequências ainda não totalmente previsíveis. É controversa a ideia de garantir vantagens a partir dessa disputa. Claro, as retaliações de lado a lado tendem a favorecer outros fornecedores, vendedores, parceiros comerciais que possam suprir eventuais vácuos de oferta. O Brasil está capacitado em diversas áreas para esse movimento. Mas em toda guerra, é fato histórico, a maioria sai perdendo.

O perrengue ainda se reveste de nuances políticas que podem comprometer a tradicional neutralidade que o País teve no passado. Por uma orientação de governo, nossa diplomacia se aproxima, em todos os sentidos, das práticas e deliberações estabelecidas pelo americano Donald Trump. Isso tem provocado e até irritado os chineses. A inclinação bolsonarista pode levar o Brasil a se postar, mesmo sem querer, como adversário da toda poderosa China, atualmente maior comprador de nossas mercadorias.

Qualquer desavença em uma direção ou sinal de conversão ou colaboração à outra parte pode significar duras retaliações, com desdobramentos financeiros imprevisíveis para a balança comercial. O Brasil já não ficou bem na fita e quase perdeu importantes encomendas quando, no início do Governo, algumas críticas foram levantadas pelo presidente contra o parceiro asiático. O mundo, nos últimos dias, fechou a respiração à espera do desfecho do combate. Não é de toda descartada a possibilidade de uma recessão global e foi em parte por isso que as bolsas despencaram e o câmbio entrou em parafuso.

O presidente Trump chegou a insinuar que os chineses manipularam criminosamente a sua moeda para ampliar as tensões. Ocorreu decerto uma correção cambial com desdobramentos turbulentos. Mas o maior dos riscos está na pauta de produtos penalizados dos dois lados. Trump listou minuciosamente mercadorias chinesas que estão em franca ascensão no mercado americano para realizar uma sobretaxa, até de maneira arbitrária, contrariando as regras da OMC.

É absolutamente impossível imaginar hoje não apenas os EUA como quase todas as praças globais prescindindo da oferta de mercadorias chineses. De longe as de melhor custo-benefício em qualquer circunstância. Por outro lado, a escalada da tensão comercial tem abalado a confiança dos empresários que, nesses momentos, tendem a refluir seus investimentos. Tanto na China, como nos EUA e no resto do planeta. Sem dúvida, no atual contexto, a torcida geral é por um entendimento o mais rápido possível entre os dois titãs. Antes que as consequências sejam desastrosas.

(Nota publicada na Edição 1133 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”

+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

O Brasil com Biden

Não dá mais para descartar a hipótese, cada vez mais concreta, de um novo governo nos EUA com o qual a bajulação bolsonarista não terá [...]

Hora do sufoco

É do conhecimento até do mundo mineral que as contas e perspectivas econômicas brasileiras não vão nada bem. Pois as novas projeções do [...]

O crescimento em “v”

Vivemos a ilusão de uma rápida, consistente e tranquila retomada econômica, no ritmo que os membros da equipe do ministro Paulo Guedes [...]

A pedalagem do renda cidadã

Foi um truque. Uma tentativa rasa de enganar a turba. O governo não se emenda. Tentou mudar o nome, de novo, do Bolsa Família – que já [...]

Lá vem o buraco fiscal

O primeiro sinal veio em forma de flexibilização da regra do teto, em uma área específica, já no corrente ano. O Congresso Nacional [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.