Giro

‘É muito difícil a situação em que o Brasil se encontra’, avalia Fauci

O infectologista americano Anthony Fauci, conselheiro do governo Joe Biden e um dos principais especialistas dos Estados Unidos na área, demonstrou preocupação nesta quarta-feira com a escalada da pandemia de covid-19 no Brasil. “É muito difícil a situação em que o Brasil se encontra”, afirmou o médico ao ser questionado sobre o assunto durante uma coletiva de imprensa. O cientista também se mostrou disposto a discutir com autoridades brasileiras as medidas para enfrentar a crise sanitária.

Na visão de Fauci, o “melhor a se fazer” é vacinar a população do País o mais rápido e da forma mais segura possível. O médico ressaltou que quanto mais pessoas forem imunizadas contra a doença, menor será a possibilidade de surgirem novas variantes do coronavírus como a identificada inicialmente no Amazonas, e que já se espalhou para outras partes do País e do mundo. Fauci frisou que a imunidade temporária que os indivíduos adquirem após serem infectados pelo vírus não protege contra as novas cepas.

Nesta terça-feira, 2, o Brasil registrou o mais alto número de mortes por covid-19 em 24 horas desde o começo da pandemia. Foram 1.726 óbitos. Em diversos estados, governadores e prefeitos têm adotado medidas mais restritivas, incluindo toques de recolher, para frear o avanço da doença. Nesta quarta-feira, o governador João Doria (PSDB) confirmou que São Paulo entrará na fase vermelha do plano de combate à pandemia, a mais restritiva.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel