Edição nº 1121 17.05 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Laércio Cosentino, presidente do conselho de administração da Totvs

É hora de trabalhar para que o Brasil não perca mais quatro anos

É hora de trabalhar para que o Brasil não perca mais quatro anos

Fundador da maior e mais bem sucedida empresa de softwares do Brasil, Laércio Cosentino diz ver o novo governo com otimismo e que o ambiente geral passou de preocupação para otimismo

Hugo Cilo
Edição 11/01/2019 - nº 1103

De 1983 até o fim de 2018, ele comandou a empresa que hoje é líder no concorrido mercado nacional de tecnologia, com faturamento anual de R$ 2,4 bilhões e operações em mais de 40 países. No mês passado, Cosentino anunciou sua saída da presidência-executiva da empresa para se dedicar ao comando do conselho de administração, passando o bastão para o executivo Dennis Herszkowicz, recrutado na concorrente Linx. A decisão, diz Cosentino executada em sincronia com a troca de governo no Brasil, ocorreu em um momento histórico para ele e para a nação. “A Totvs entra em uma nova fase, o Brasil inicia um novo ciclo e o ambiente geral passou de preocupação para otimismo”, completa, nesta entrevista à DINHEIRO.

DINHEIRO – Por que a decisão de deixar a presidência a Totvs foi tomada agora?

LÁERCIO COSENTINO – Estas alterações na administração da companhia foram planejadas durante quase um ano e fazem parte de um plano de sucessão importante para o futuro da empresa. Tudo foi pensado e executado com o apoio dos seus comitês de assessoramento e de uma consultoria externa. Já estava no plano da companhia que em determinado momento a gente faria a sucessão, com objetivo de perpetuar a Totvs para as próximas gerações, sob comando de novos executivos. Então, está acontecendo de forma natural.

DINHEIRO – A mudança de comando representa uma mudança de rumo?

COSENTINO – A forma de administrar vai mudar, obviamente, porque cada um tem estilo próprio de gestão. Mas a cultura da empresa e o espírito empreendedor serão preservados. Quero, aliás, que os novos executivos façam diferente de mim. Eu fui eleito o presidente do conselho, o que significa que eu não estou mais no dia-a-dia da companhia. Agora fico muito mais no lado da estratégia. E terei mais tempo para poder me dedicar isso, junto com os próprios executivos e comitês. A ideia é aprimorar o nosso trato com clientes e também nas relações institucionais.

DINHEIRO – E qual será a estratégia da companhia?

COSENTINO – Temos de criar muitas estratégias, sempre nos adaptando às transformações do mercado. O setor de tecnologia está passando por um processo de grande evolução. Hoje a indústria da tecnologia da informação é mais jovem, com grande especialização em varejo, na indústria, em agricultura. É totalmente diferente do que era algumas décadas atrás. Além disso, o setor de TI está passando por um processo de inversão de custo. Cada vez mais, a ideia de licenciar um software está mudando para um conceito de utilizar o software. Então, para nós, em vez de ter uma receita com venda do licenciamento, tivemos de aprender a ter faturamento recorrente sobre serviços. Outro ponto importante também é que TI está em todos as atividades da economia. Nesse ambiente, o desafio do setor é a equipe não entender apenas de TI, mas também o que cada um dos segmentos representa, bem como das suas necessidades específicas.

“É preciso promover a redução do tamanho do Estado e isso implica em mudanças na sociedade”Prédio do Congresso Nacional em Brasília

DINHEIRO – Qual setor da economia que mais tem demandado novas soluções em TI?

COSENTINO – A Totvs vem trabalhando nesses últimos anos em soluções para dez segmentos, entre eles financeiro, manufatura, logística, varejo, saúde, computação e serviços. Em todos há uma demanda crescente por mais conhecimento em tecnologia. Todos querem ter acesso à tecnologia disponível hoje e saber qual vai ser a próxima. Na prática, o que as empresas realmente querem, independentemente das áreas de atuação, é ser mais eficientes, mais competitivas, mais produtivas e continuar crescendo.

DINHEIRO – A Totvs vai entrar em algum novo segmento a partir de 2019?

COSENTINO – Estamos sempre de olho nos movimentos da economia. Nosso foco, no entanto, é cada vez mais fortalecer aquilo que a gente tem nas mãos. Hoje não existe apenas um varejo. Abaixo dele, há quatro, cinco ou seis segmentos que também estão crescendo muito. O mesmo vale para a indústria química, a indústria farmacêutica e a indústria de base. O que a gente tem é serviço bastante para se divertir por muitos anos.

DINHEIRO – Alguma dessas áreas apresenta maior potencial de crescimento?

COSENTINO – O varejo e a manufatura representam 50% de toda a base de clientes da Totvs. Os demais dividem os 50% restantes. Quando a gente olha o setor serviços, o potencial é imenso. Não podemos nos esquecer do agronegócio, a grande vocação econômica brasileira. Os negócios do campo ainda não têm uma participação majoritária no setor de TI, mas sem dúvida é a que mais cresce em número de clientes, em oportunidades de novos negócios.

DINHEIRO – Qual a sua avaliação sobre o ambiente econômico, com a mudança de governo?

COSENTINO – Sinto um otimismo generalizado, mas os desafios são grandes. O grande dilema do governo Bolsonaro será realizar as reformas sem perder a popularidade. Todos sabemos que é preciso promover a redução do tamanho do Estado, mas isso implica em mudanças na sociedade. Muitos ainda pensam que seus direitos são eternos, mas suas obrigações, não. Todo mundo tem direto a tudo. Só que não será mais assim.

DINHEIRO – Você se refere a direitos trabalhistas?

COSENTINO – Não só trabalhistas. As relações mudaram. Quem poderia imaginar, algumas décadas atrás, que hoje seria possível fazer reuniões por teleconferência, como se tivéssemos um na frente do outro? Então a gente vê que o mundo mudou, que há novos processos de trabalho e uma nova forma de viver, de se relacionar. Tudo mudou, mas a mentalidade do Estado não acompanhou. O Estado continua exatamente como sempre foi. Para contratar mão-de-obra é uma grande burocracia.

DINHEIRO – Essa confiança já se reflete em novos negócios?

COSENTINO – Sim, tenho visto alguns investimentos sendo destravados. O mercado e as empresas estão com um humor melhor para investir. Não vejo uma euforia, mas percebo que o Brasil começa a caminhar para frente. Um investe aqui, outro compra um bem. Assim a roda da economia volta a girar.

DINHEIRO – Existe algum grande risco nesse começo do governo, como uma nova greve de caminhoneiros ou algo assim?

COSENTINO – Com as redes sociais, o Brasil exteriorizou a greve dos caminhoneiros, assim como acontece com os protestos na França. Daqui a pouco vai ter um outro, e assim por diante. É normal. No Brasil, vivemos um equilíbrio instável a todo instante. Mas acho que a gente tem que dar uma trégua. A gente abre o noticiário e todo mundo está batendo, batendo, batendo. Calma. Seja esquerda ou direita, temos de deixar o presidente começar a trabalhar. Temos sempre de pensar como podemos contribuir, como cidadãos, para uma nova sociedade e qual legado vamos deixar.

“Se o Brasil não buscar solução para a fuga de talentos, teremos problemas”Faltam vagas, mas também falta profissionais especializados

DINHEIRO – E esse governo vai conseguir mudar isso?

COSENTINO – O sucesso do governo vai depender da aprovação da reforma da Previdência, da reforma tributária e da redução do tamanho do Estado. Quanto mais competitivo for o País, mais a gente vai crescer. Mais relevante, na minha opinião, é o governo criar mecanismos para que se tenha enfoque em educação, saúde e segurança, os três grandes pilares nos quais é preciso investir. Temos de apoiar o novo governo, sem adotar postura de oposição. É hora de trabalhar muito para que o Brasil não perca mais quatro anos.

DINHEIRO – A sociedade entende essa agenda? Está engajada?

COSENTINO – Acredito que sim. O nosso grande problema é que, durante muito tempo, queríamos mudanças sem mudar muita coisa. Historicamente, o brasileiro pede um Estado mais moderno, mas não moderniza a forma de pensar. Vejo que isso começa a mudar.

DINHEIRO – Os escândalos de corrupção ajudaram nessa mudança?

COSENTINO – Sim. As empresas criaram a cultura de punir o que está errado e desenvolver mecanismos contra desvios de conduta. Não adianta nada punir um, dois ou três, sem rever processos para que erros não ocorram mais.

DINHEIRO – Quando se fala em criar mecanismos para contre desvio de conduta, vale para o governo e para as empresas privadas?

COSENTINO – Claro. As empresas privadas, cada vez mais, estão fazendo a parte delas. Todas as normas e regras das empresas de capital aberto estão tendo uma evolução muito grande. Não existe corrupção sem corruptor e corrompido.

DINHEIRO – O que foi implementado na Totvs nesse sentido?

COSENTINO – A Totvs ē uma empresa que tem uma forte governança corporativa desde antes de ser uma empresa de capital aberto. Em 1999, a Totvs já praticava todas as regras de governança corporativa. A gente entendeu, há muitos anos, que com mecanismos sólidos de compliance é muito mais difícil ocorrer casos de corrupção. Então, desenvolvemos isso desde o início.

DINHEIRO – Muitas empresas de TI ainda reclamam da falta da mão de obra e da baixa qualificação dos profissionais disponíveis. Essa reclamação é justa?

COSENTINO – Na questão da mão de obra, concordo. Pelos números da associação do nosso setor, a Brascon, hoje há em torno de 500 mil vagas que não dão ‘match’ com os candidatos interessados. Acredito que o problema seja a falta de formação da área de exatas, de cursos ligados a raciocínios lógicos e matemática. No Brasil, há muito mais gente na área de ciências humanas do que exatas. Aí, quando se olha para os grandes talentos, a maioria já está dentro das companhias ou se aventurando em criar suas próprias startups e fintechs. Além disso, existem incentivos em várias partes do mundo na criação dessas empresas, o que leva muita gente boa a empreender lá fora. Se o Brasil não despertar para isso e tentar buscar soluções para amenizar a fuga de talentos, teremos problemas. Isso não acontece da noite para o dia, mas passa pelo investimento em educação.

DINHEIRO – Com mais tempo livre, o que pretender fazer? Tem algum projeto pessoal em vista?

COSENTINO – Tenho alguns investimentos no setor de construção civil e em setores de startups na área de saúde. Acredito muito que a área de desenvolvimento humano será o de maior expansão no País nos próximos anos. Estamos vivemos muito mais tempo e dando maior atenção à saúde. Estou dedicando um bom tempo meu a novos negócios nessa área.

Reforma da Previdência

Se Câmara e Senado têm proposta melhor, que ponham em votação, diz Bolsonaro


Ford anuncia demissão de 7 mil funcionários até agosto

REDUÇÃO DE CUSTOS

Ford anuncia demissão de 7 mil funcionários até agosto

A redução representa aproximadamente 10% dos funcionários da montadora e será encaminhada através demissões e pelo programa de saída voluntária

Confira vagas em concursos públicos com salário de até R$ 35,4 mil

emprego

Confira vagas em concursos públicos com salário de até R$ 35,4 mil

Adobe avisa usuários que pode processar quem usa versões antigas de seus programas

Termos de uso

Adobe avisa usuários que pode processar quem usa versões antigas de seus programas

A Adobe diz que em caso de continuar a usar o programa antigo, o cliente corre o risco de ser processado por burlar acordos concordados nos termos de uso

Outback aposta em delivery e encontra novo mercado

mudança

Outback aposta em delivery e encontra novo mercado

Dona das redes Outback e Abbraccio, o grupo Bloomin’ Brands aposta no serviço de entregas e encontra um novo mercado

Rede D'Or investe mais de US$ 1 bi na criação de nova bandeira

saúde e luxo

Rede D'Or investe mais de US$ 1 bi na criação de nova bandeira

Rede D’Or investe mais de R$ 1 bi no lançamento da bandeira STAR para elevar o padrão de requinte hospitalar e concorrer com as grifes Albert Einstein e Sírio-Libanês


Tecnologia e Gadgets


Apesar de aporte bilionário, marketing mobile navega sem rota

publicidade

Apesar de aporte bilionário, marketing mobile navega sem rota

Popularização dos smartphones provoca migração do investimento publicitário, mas segmento de mobile marketing ainda navega sem rotas definidas

Como a decisão do Google afetará os usuários da Huawei

entenda

Como a decisão do Google afetará os usuários da Huawei

Rompimento do Google pode comprometer uso e atualização de aplicativos como Gmail, YouTube e Google Maps nos aparelhos da Huawei


Blog

5 pesadelos que tiram o sono dos CEOs

Por César Souza

Por César Souza

5 pesadelos que tiram o sono dos CEOs

Eles queixam-se que as estratégias tradicionais de marketing não têm sido eficazes para promover a marca nem contribuir para o aumento das vendas


Finanças


Ibovespa corrige perdas e sobe 2,17% com melhora de humor com Previdência

Bolsa

Ibovespa corrige perdas e sobe 2,17% com melhora de humor com Previdência

Dólar destoa de ativos domésticos e fecha em alta com cautela política

Câmbio

Dólar destoa de ativos domésticos e fecha em alta com cautela política


Entretenimento

Game of Thrones: os números finais da audiência da série

Telespectadores

Telespectadores

Game of Thrones: os números finais da audiência da série

19,3 milhões foi o número total de expectadores do último episódio da série em todas as plataformas da HBO


Internacional


Macron denuncia conluio de nacionalistas e estrangeiros contra a Europa

Macron denuncia conluio de nacionalistas e estrangeiros contra a Europa

Homem que escalou Torre Eiffel é interceptado após provocar evacuação

Paris

Paris

Homem que escalou Torre Eiffel é interceptado após provocar evacuação

Ativistas do Greenpeace bloqueiam sede da petroleira BP em Londres

Protesto

Protesto

Ativistas do Greenpeace bloqueiam sede da petroleira BP em Londres

Teerã diz que ‘provocações genocidas’ de Trump não acabarão com o Irã

Tensão

Tensão

Teerã diz que ‘provocações genocidas’ de Trump não acabarão com o Irã


Editorial

“À beira de um abismo fiscal”

por celso masson

por celso masson

“À beira de um abismo fiscal”

Diante de tantos sinais de insucesso na condução da política econômica, o ministro Guedes não foi capaz de acenar sequer com uma vaga esperança à Nação. Como um time de futebol que entra em campo favorito e perde a vontade de jogar assim que sofre o primeiro revés, Guedes não soube esconder o desânimo em sua fala na terça-feira, no Congresso Nacional


Entrevista

“Sem exportação, a indústria automotiva no Brasil não tem futuro”

Carlos Zarlenga, presidente da GM América do Sul

Carlos Zarlenga, presidente da GM América do Sul

“Sem exportação, a indústria automotiva no Brasil não tem futuro”

Há 42 meses na liderança entre as montadoras no Brasil, a GM quase se viu obrigada a fechar dia das três fábricas que mantém no País. Mudou de estratégia e irá investir R$ 10 bilhões por aqui. Entenda a estratégia e os desafios da empresa, segundo o homem que a comanda


Economia


O setor privado conseguirá sanear o País?

busca de investimentos

O setor privado conseguirá sanear o País?

Novo marco regulatório do saneamento tenta atrair investimento para universalizar o sistema que hoje atende apenas metade da população

O Brasil parou no tempo. O mundo avança

ritmo lento

O Brasil parou no tempo. O mundo avança

Ritmo lento da recuperação levará o País a registrar a segunda década perdida em 40 anos


Semana

Controvérsia alavanca lançamento da Natura no Twitter

Diversidade

Diversidade

Controvérsia alavanca lançamento da Natura no Twitter

Tuiteiros de direita criaram a hashtag #BoicoteNatura em protesto contra a campanha de lançamento do batom “Coleção do Amor”


Mercado Digital


Popularização dos smartphones provoca migração do investimento publicitário

marketing mobile

Popularização dos smartphones provoca migração do investimento publicitário

Popularização dos smartphones provoca migração do investimento publicitário, mas segmento de mobile marketing ainda navega sem rotas definidas

Inovação: evento no Rio foca em tecnodiversidade

Humanidade aumentada

Inovação: evento no Rio foca em tecnodiversidade

Evento no Rio foca em tecnodiversidade e se destaca na agenda das soluções de inovação


Negócios


O trono de US$ 6 bilhões do Game of Thrones

Audiência recorde

O trono de US$ 6 bilhões do Game of Thrones

A série mais bem sucedida da TV paga, “Game of Thrones”, chega ao fim com uma certeza: quem venceu foi a HBO

Franquias de clínicas odontológicas atraem clientes das classes B e C

Preços populares

Franquias de clínicas odontológicas atraem clientes das classes B e C

Com preços populares, descontos e parcelamentos, franquias de clínicas como OdontoCompany, Sorridents e Odontoclinic atraem pacientes das classes B e C e miram receitas bilionárias


Estilo

Paraíso particular por US$ 30 mil a diária

litoral mexicano

litoral mexicano

Paraíso particular por US$ 30 mil a diária

O exclusivo Resort Las Ventanas Al Paraíso, que sempre foi sinônimo de luxo, agora oferece uma mansão à beira-mar de 2,6 mil m² e um staff de sete funcionários


Finanças


Bitcoin registra alta de 150%. Uma retomada da criptomoeda?

criptomoeda valorizada

Bitcoin registra alta de 150%. Uma retomada da criptomoeda?

Depois de perder quase todo o valor em 2018, moeda virtual registra alta de 150%

Brasil fica fora da lista dos 25 países mais confiáveis para se investir

Ranking internacional

Brasil fica fora da lista dos 25 países mais confiáveis para se investir

Pela primeira vez desde 1998, o Brasil fica fora da lista dos 25 países mais confiáveis para se investir — a mesma em que já ocupou a quinta posição


Colunas


Maconha liberada, lucro bilionário

moeda forte

Maconha liberada, lucro bilionário

WhatsApp é hackeado

dinheiro em bits

WhatsApp é hackeado

O melhor restaurante da América Latina é do Peru

cobiça

O melhor restaurante da América Latina é do Peru

Quem quer comprar um paraíso?

sustentabilidade

Quem quer comprar um paraíso?

Brumadinho custa R$ 6,4 bi à Vale

dinheiro em ação

Brumadinho custa R$ 6,4 bi à Vale


Artigo

A agenda do passado

por Carlos Rodolfo Schneider

por Carlos Rodolfo Schneider

A agenda do passado

De 2000 a 2017, a média anual do investimento público do Brasil foi de apenas 1,92% do PIB, o segundo mais baixo entre 42 países


Premiação

Abertas as inscrições para o prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO 2019

ranking setorial

ranking setorial

Abertas as inscrições para o prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO 2019

A 16ª edição reconhecerá as empresas que se destacaram nas suas áreas de atuação


Publieditorial

Definir momento ideal para compra e venda de Bitcoins desafia investidores

Atlas Quantum apresenta:

Atlas Quantum apresenta:

Definir momento ideal para compra e venda de Bitcoins desafia investidores

Muito recente, mercado de criptomoedas ainda não tem estratégias claras de precificação; diante disso, especialista recomenda método de arbitragem automatizada

Fundação Vanzolini auxilia gestores a melhorarem os negócios.

Fundação Vanzolini apresenta:

Fundação Vanzolini apresenta:

Fundação Vanzolini auxilia gestores a melhorarem os negócios.

Impacto positivo abrange profissionais, empresas e organizações governamentais.

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.