Edição nº 1138 16.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Laércio Cosentino, presidente do conselho de administração da Totvs

É hora de trabalhar para que o Brasil não perca mais quatro anos

É hora de trabalhar para que o Brasil não perca mais quatro anos

Fundador da maior e mais bem sucedida empresa de softwares do Brasil, Laércio Cosentino diz ver o novo governo com otimismo e que o ambiente geral passou de preocupação para otimismo

Hugo Cilo
Edição 11/01/2019 - nº 1103

De 1983 até o fim de 2018, ele comandou a empresa que hoje é líder no concorrido mercado nacional de tecnologia, com faturamento anual de R$ 2,4 bilhões e operações em mais de 40 países. No mês passado, Cosentino anunciou sua saída da presidência-executiva da empresa para se dedicar ao comando do conselho de administração, passando o bastão para o executivo Dennis Herszkowicz, recrutado na concorrente Linx. A decisão, diz Cosentino executada em sincronia com a troca de governo no Brasil, ocorreu em um momento histórico para ele e para a nação. “A Totvs entra em uma nova fase, o Brasil inicia um novo ciclo e o ambiente geral passou de preocupação para otimismo”, completa, nesta entrevista à DINHEIRO.

DINHEIRO – Por que a decisão de deixar a presidência a Totvs foi tomada agora?

LÁERCIO COSENTINO – Estas alterações na administração da companhia foram planejadas durante quase um ano e fazem parte de um plano de sucessão importante para o futuro da empresa. Tudo foi pensado e executado com o apoio dos seus comitês de assessoramento e de uma consultoria externa. Já estava no plano da companhia que em determinado momento a gente faria a sucessão, com objetivo de perpetuar a Totvs para as próximas gerações, sob comando de novos executivos. Então, está acontecendo de forma natural.

DINHEIRO – A mudança de comando representa uma mudança de rumo?

COSENTINO – A forma de administrar vai mudar, obviamente, porque cada um tem estilo próprio de gestão. Mas a cultura da empresa e o espírito empreendedor serão preservados. Quero, aliás, que os novos executivos façam diferente de mim. Eu fui eleito o presidente do conselho, o que significa que eu não estou mais no dia-a-dia da companhia. Agora fico muito mais no lado da estratégia. E terei mais tempo para poder me dedicar isso, junto com os próprios executivos e comitês. A ideia é aprimorar o nosso trato com clientes e também nas relações institucionais.

DINHEIRO – E qual será a estratégia da companhia?

COSENTINO – Temos de criar muitas estratégias, sempre nos adaptando às transformações do mercado. O setor de tecnologia está passando por um processo de grande evolução. Hoje a indústria da tecnologia da informação é mais jovem, com grande especialização em varejo, na indústria, em agricultura. É totalmente diferente do que era algumas décadas atrás. Além disso, o setor de TI está passando por um processo de inversão de custo. Cada vez mais, a ideia de licenciar um software está mudando para um conceito de utilizar o software. Então, para nós, em vez de ter uma receita com venda do licenciamento, tivemos de aprender a ter faturamento recorrente sobre serviços. Outro ponto importante também é que TI está em todos as atividades da economia. Nesse ambiente, o desafio do setor é a equipe não entender apenas de TI, mas também o que cada um dos segmentos representa, bem como das suas necessidades específicas.

“É preciso promover a redução do tamanho do Estado e isso implica em mudanças na sociedade”Prédio do Congresso Nacional em Brasília

DINHEIRO – Qual setor da economia que mais tem demandado novas soluções em TI?

COSENTINO – A Totvs vem trabalhando nesses últimos anos em soluções para dez segmentos, entre eles financeiro, manufatura, logística, varejo, saúde, computação e serviços. Em todos há uma demanda crescente por mais conhecimento em tecnologia. Todos querem ter acesso à tecnologia disponível hoje e saber qual vai ser a próxima. Na prática, o que as empresas realmente querem, independentemente das áreas de atuação, é ser mais eficientes, mais competitivas, mais produtivas e continuar crescendo.

DINHEIRO – A Totvs vai entrar em algum novo segmento a partir de 2019?

COSENTINO – Estamos sempre de olho nos movimentos da economia. Nosso foco, no entanto, é cada vez mais fortalecer aquilo que a gente tem nas mãos. Hoje não existe apenas um varejo. Abaixo dele, há quatro, cinco ou seis segmentos que também estão crescendo muito. O mesmo vale para a indústria química, a indústria farmacêutica e a indústria de base. O que a gente tem é serviço bastante para se divertir por muitos anos.

DINHEIRO – Alguma dessas áreas apresenta maior potencial de crescimento?

COSENTINO – O varejo e a manufatura representam 50% de toda a base de clientes da Totvs. Os demais dividem os 50% restantes. Quando a gente olha o setor serviços, o potencial é imenso. Não podemos nos esquecer do agronegócio, a grande vocação econômica brasileira. Os negócios do campo ainda não têm uma participação majoritária no setor de TI, mas sem dúvida é a que mais cresce em número de clientes, em oportunidades de novos negócios.

DINHEIRO – Qual a sua avaliação sobre o ambiente econômico, com a mudança de governo?

COSENTINO – Sinto um otimismo generalizado, mas os desafios são grandes. O grande dilema do governo Bolsonaro será realizar as reformas sem perder a popularidade. Todos sabemos que é preciso promover a redução do tamanho do Estado, mas isso implica em mudanças na sociedade. Muitos ainda pensam que seus direitos são eternos, mas suas obrigações, não. Todo mundo tem direto a tudo. Só que não será mais assim.

DINHEIRO – Você se refere a direitos trabalhistas?

COSENTINO – Não só trabalhistas. As relações mudaram. Quem poderia imaginar, algumas décadas atrás, que hoje seria possível fazer reuniões por teleconferência, como se tivéssemos um na frente do outro? Então a gente vê que o mundo mudou, que há novos processos de trabalho e uma nova forma de viver, de se relacionar. Tudo mudou, mas a mentalidade do Estado não acompanhou. O Estado continua exatamente como sempre foi. Para contratar mão-de-obra é uma grande burocracia.

DINHEIRO – Essa confiança já se reflete em novos negócios?

COSENTINO – Sim, tenho visto alguns investimentos sendo destravados. O mercado e as empresas estão com um humor melhor para investir. Não vejo uma euforia, mas percebo que o Brasil começa a caminhar para frente. Um investe aqui, outro compra um bem. Assim a roda da economia volta a girar.

DINHEIRO – Existe algum grande risco nesse começo do governo, como uma nova greve de caminhoneiros ou algo assim?

COSENTINO – Com as redes sociais, o Brasil exteriorizou a greve dos caminhoneiros, assim como acontece com os protestos na França. Daqui a pouco vai ter um outro, e assim por diante. É normal. No Brasil, vivemos um equilíbrio instável a todo instante. Mas acho que a gente tem que dar uma trégua. A gente abre o noticiário e todo mundo está batendo, batendo, batendo. Calma. Seja esquerda ou direita, temos de deixar o presidente começar a trabalhar. Temos sempre de pensar como podemos contribuir, como cidadãos, para uma nova sociedade e qual legado vamos deixar.

“Se o Brasil não buscar solução para a fuga de talentos, teremos problemas”Faltam vagas, mas também falta profissionais especializados

DINHEIRO – E esse governo vai conseguir mudar isso?

COSENTINO – O sucesso do governo vai depender da aprovação da reforma da Previdência, da reforma tributária e da redução do tamanho do Estado. Quanto mais competitivo for o País, mais a gente vai crescer. Mais relevante, na minha opinião, é o governo criar mecanismos para que se tenha enfoque em educação, saúde e segurança, os três grandes pilares nos quais é preciso investir. Temos de apoiar o novo governo, sem adotar postura de oposição. É hora de trabalhar muito para que o Brasil não perca mais quatro anos.

DINHEIRO – A sociedade entende essa agenda? Está engajada?

COSENTINO – Acredito que sim. O nosso grande problema é que, durante muito tempo, queríamos mudanças sem mudar muita coisa. Historicamente, o brasileiro pede um Estado mais moderno, mas não moderniza a forma de pensar. Vejo que isso começa a mudar.

DINHEIRO – Os escândalos de corrupção ajudaram nessa mudança?

COSENTINO – Sim. As empresas criaram a cultura de punir o que está errado e desenvolver mecanismos contra desvios de conduta. Não adianta nada punir um, dois ou três, sem rever processos para que erros não ocorram mais.

DINHEIRO – Quando se fala em criar mecanismos para contre desvio de conduta, vale para o governo e para as empresas privadas?

COSENTINO – Claro. As empresas privadas, cada vez mais, estão fazendo a parte delas. Todas as normas e regras das empresas de capital aberto estão tendo uma evolução muito grande. Não existe corrupção sem corruptor e corrompido.

DINHEIRO – O que foi implementado na Totvs nesse sentido?

COSENTINO – A Totvs ē uma empresa que tem uma forte governança corporativa desde antes de ser uma empresa de capital aberto. Em 1999, a Totvs já praticava todas as regras de governança corporativa. A gente entendeu, há muitos anos, que com mecanismos sólidos de compliance é muito mais difícil ocorrer casos de corrupção. Então, desenvolvemos isso desde o início.

DINHEIRO – Muitas empresas de TI ainda reclamam da falta da mão de obra e da baixa qualificação dos profissionais disponíveis. Essa reclamação é justa?

COSENTINO – Na questão da mão de obra, concordo. Pelos números da associação do nosso setor, a Brascon, hoje há em torno de 500 mil vagas que não dão ‘match’ com os candidatos interessados. Acredito que o problema seja a falta de formação da área de exatas, de cursos ligados a raciocínios lógicos e matemática. No Brasil, há muito mais gente na área de ciências humanas do que exatas. Aí, quando se olha para os grandes talentos, a maioria já está dentro das companhias ou se aventurando em criar suas próprias startups e fintechs. Além disso, existem incentivos em várias partes do mundo na criação dessas empresas, o que leva muita gente boa a empreender lá fora. Se o Brasil não despertar para isso e tentar buscar soluções para amenizar a fuga de talentos, teremos problemas. Isso não acontece da noite para o dia, mas passa pelo investimento em educação.

DINHEIRO – Com mais tempo livre, o que pretender fazer? Tem algum projeto pessoal em vista?

COSENTINO – Tenho alguns investimentos no setor de construção civil e em setores de startups na área de saúde. Acredito muito que a área de desenvolvimento humano será o de maior expansão no País nos próximos anos. Estamos vivemos muito mais tempo e dando maior atenção à saúde. Estou dedicando um bom tempo meu a novos negócios nessa área.

Presidente

Bolsonaro deixa Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, depois de receber alta

Saldo negativo

Balança tem déficit de US$ 552,241 milhões na segunda semana de setembro


Petróleo fecha em forte alta, de quase 15%, após ataques na Arábia Saudita

Commodity

Petróleo fecha em forte alta, de quase 15%, após ataques na Arábia Saudita


Artigo

Vazamento de informações: “Meu ex-funcionário levou informações da minha empresa. E agora?”

Por Gisele Truzzi

Por Gisele Truzzi

Vazamento de informações: “Meu ex-funcionário levou informações da minha empresa. E agora?”

Ao participar do desenvolvimento de negócios, muitas pessoas tem a falsa crença de que estas informações privilegiadas também lhe pertencem


Funcionários da GM fazem primeira greve em 12 anos nos EUA

Manifestação

Manifestação

Funcionários da GM fazem primeira greve em 12 anos nos EUA

UE pede para Washington ‘fechar acordo’ em conflito Airbus-Boeing

Pressão

Pressão

UE pede para Washington ‘fechar acordo’ em conflito Airbus-Boeing


Editorial

O delírio de Cintra com a CPMF

Por Carlos José Marques

Por Carlos José Marques

O delírio de Cintra com a CPMF

Esse famigerado imposto, demonizado em praticamente toda a sociedade, era uma cisma do Secretário que, sem qualquer cabimento, tentava impô-lo à ferro e fogo, apesar das reações contrárias, inclusive do próprio presidente

Gustavo Schmidt, CEO da Kimberly-Clark Brasil

Gustavo Schmidt, CEO da Kimberly-Clark Brasil

"O Brasil tem sido um mercado prioritário para nós. Isso não mudou por conta da crise"

Depois de atuar na Kimberly-Clark em diversos países, o uruguaio Gustavo Schmidt tem o desafio de liderar inovações para o mercado de cuidados pessoais e bem-estar no Brasil — sem esquecer a responsabilidade social da empresa


Tecnologia


Maioridade reinventada

Simpress

Maioridade reinventada

Simpress faz 18 anos e muda posicionamento para transformar outsourcing de computadores e smartphones em nova vertical de negócios

Aplicativos: integração inteligente

Inovação

Aplicativos: integração inteligente

Por trás de cada aplicativo que facilita nossa rotina há um emaranhado de processos que precisam falar a mesma língua. Fazer com que eles se entendam é um negócio que poderá gerar US$ 3,5 bilhões ao ano


Semana

Lava Jato denuncia Lula e irmão por corrupção

Resumo dos fatos

Resumo dos fatos

Lava Jato denuncia Lula e irmão por corrupção

O ex-presidente Lula vai enfrentar mais um processo, sob acusação de corrupção. E, dessa vez, vai levar o irmão Frei Chico com ele. A investigação apurou que Frei Chico recebeu o dinheiro entre os anos de 2003 e 2015, período que inclui os 8 anos do governo Lula e quase todo o mandato da ex-presidente Dilma Rousseff


Finanças

Um ponto fora da curva

Ações

Um ponto fora da curva

Chefe de renda variável da gestora do BTG Pactual desde março, Will Landers aumenta exposição à bolsa local com onda populista na América Latina e vê Brasil como “outlier” no mercado global em 2020

Quem ganha com o esfriamento global?

Oportunidade

Quem ganha com o esfriamento global?

Sinais econômicos americanos mostram que o crescimento está perdendo o ritmo e isso pode, indiretamente, beneficiar os países emergentes


Economia

A receita desastrosa da nova CPMF

Tributos

Tributos

A receita desastrosa da nova CPMF

O secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, só pensava em uma coisa: recriar a nefanda CPMF. Tanto insistiu, que acabou perdendo o emprego. O órgão, agora com um titular interino, passará por reestruturação. Embora o governo desconverse, o imposto sobre movimentações financeiras pode voltar


Negócios

O pesadelo da privatização da Cemig

Estatal mineira

O pesadelo da privatização da Cemig

Deputados, advogados e até um alto executivo da estatal mineira de energia são unânimes em afirmar que, diferentemente do que diz o governador Romeu Zema, ela não será privatizada. E o preço das ações pode despencar

Amazon em chamas

Amazon em chamas

A gigante americana do varejo coloca fogo na disputa pelo bolso do consumidor brasileiro com o lançamento de seu programa de fidelidade – que inclui serviços de streaming e entregas rápidas – a R$ 9,90 ao mês

A virada da JBS

Em alta

A virada da JBS

Depois de superar a mais grave crise de reputação da história, a companhia vive seu melhor momento, com recorde de faturamento e rentabilidade, além de alta de 150% no valor de suas ações neste ano. Sob comando de Gilberto Tomazoni, ex-BRF, a empresa, que vai fechar o ano com receita superior a R$ 190 bilhões, quer se consolidar como uma gigante global de alimentos


Estilo

Alfaiataria high-tech

Alfaiataria high-tech

Parte do Grupo Reserva, a grife Oficina, startup de moda masculina sob medida, chega a São Paulo e anuncia cinco novas operações


Os cinco erros mais comuns (e evitáveis) de um CEO

Por Paulo Zottolo

Por Paulo Zottolo

Os cinco erros mais comuns (e evitáveis) de um CEO


Publieditorial

Fazer o bem está no nosso sangue

Lojas Americanas apresenta:

Lojas Americanas apresenta:

Fazer o bem está no nosso sangue


Publieditorial

Joice, nova inteligência artificial da OI aprimora atendimento aos clientes

Oi apresenta:

Oi apresenta:

Joice, nova inteligência artificial da OI aprimora atendimento aos clientes