Giro

Dublin entra no segundo confinamento por covid-19 na Irlanda

Uma “nuvem de tristeza” se abatia, nesta quinta-feira (22), sobre o centro de Dublin, a capital da Irlanda, primeiro país da Europa a entrar no segundo confinamento contra o coronavírus. Uma medida que dava às suas ruas o aspecto de uma cidade-fantasma.

Bolsonaro diz que não tomará vacina chinesa e que a cancelou pelo ‘descrédito’

Negociações pós-Brexit retomadas contra o tempo após explosão de tensões

“É um pouco sombrio e perturbador”, disse à AFP Sunniva O’Flynn, de 57 anos, em uma rua quase deserta durante o que normalmente seria um horário de pico.

“Tem de novo essa espécie de nuvem de tristeza pelo fato de que a cidade esteja abandonada”, acrescentou.

Os estabelecimentos comerciais não essenciais ficarão fechados por seis semanas, e os irlandeses podem sair de casa apenas em situações específicas, como fazer exercícios – a uma distância máxima de cinco quilômetros – e trabalhar em um setor considerado essencial.

Bares e restaurantes podem servir apenas comida para entrega. Já as escolas continuam abertas, marcando a principal diferença em relação ao longo confinamento da primavera (outono no Brasil).

Em Grafton Street, uma das principais ruas comerciais de Dublin, não se vê a intensa atividade habitual das quintas-feiras.

Apenas alguns poucos passageiros de máscara ocupam seus assentos nas transvias, em geral lotadas nesse horário. O transporte público teve sua capacidade de funcionamento reduzida para 25%.

“Tenho muitas dificuldades com este confinamento em particular”, disse Jo Finn, um bancário que vive sozinho e teme longas semanas de isolamento.

“Quero apenas voltar à normalidade. Sinto falta dos meus amigos, da minha família e da minha vida normal”, desabafou Finn.

A pandemia deixou quase 1.900 mortos na República da Irlanda, país com menos de cinco milhões de habitantes, segundo números oficiais que também mostram um forte ressurgimento dos contágios: 1.167 novos casos positivos registrados na quarta-feira (21).

Após ter chegado a um teto de 77 mortes diárias em abril, o número de falecimentos hoje é inferior a dez por dia na atualidade.

“O vírus se encontra agora em um ponto em que se propaga de muitas maneiras diferentes”, advertiu o ministro da Saúde, Stephen Donnelly, em entrevista à emissora pública RTE.

Segundo ele, este confinamento é um “ataque preventivo” diante de um surto do vírus. O ministro destacou que o país já conseguiu superar com sucesso a crise de há alguns meses.

“Funcionou. Achatamos a curva (…), e hoje é o primeiro dia de quando achataremos a curva pela segunda vez”, completou o ministro.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?