“Don Pancho”, o relógio que foi um mito, vai a leilão

“Don Pancho”, o relógio que foi um mito, vai a leilão

Por mais de 60 anos, o relógio “Don Pancho” era considerado uma lenda dos cronógrafos.

Feito por Vacheron Constantin em parceria com a Bacs & Russo em 1940, foi encomendado pelo magnata espanhol Francisco Martinez que queria um relógio que combinasse um repetidor de minutos e um calendário retrógrado, algo impensável para a época.

Veja também

• Os relógios-serpentes da Bvlgari
• Messi e o seu relógio do bem
• O relógio de Galileu Galilei

O pedido foi realizado, mas a peça sumiu com a morte de seu dono, em 1947.



Até 2019, o único registro da peça era uma foto em preto e branco, colocando-o na categoria de mito, até que a família de Martinez redescobriu o relógio dentro de um cofre.

Agora o “Don Pancho” será leiloado na casa de leilão Phillips, na Suíça, por um valor entre R$ 1,56 milhões e R$ 3,12 milhões.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km


Sobre o autor

Luciana Lancellotti é editora de Estilo da DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.