Finanças

Dólar sobe com cautela fiscal após ‘debandada’ no Ministério da Economia

O dólar reage em alta aos riscos fiscais no Brasil e de eventual saída do ministro da Economia, Paulo Guedes, após a “debandada no ministério”, conforme admitiu o “posto Ipiranga” do governo após a saída de mais dois integrantes de sua equipe: Salim Mattar (Privatizações) e Paulo Uebel (Desburocratização).

Demissões e fiscal pressionam juros longos; varejo melhor puxa os mais curtos

Vendas do varejo sobem 8,0% em junho ante maio, diz IBGE

O estrategista Jefferson Laatus, do Grupo Laatus, diz que o mercado repercutiu em alta na abertura à debandada na equipe econômica e o risco fiscal. No entanto, Guedes garantiu que Bolsonaro está comprometido com o teto de gastos e, nesta manhã em entrevista à TC News, o presidente também falou que a responsabilidade fiscal e teto de gastos são nortes do governo, o que ajuda na desaceleração pontual do dólar à vista, afirma o profissional. De todo modo, o mercado mantém um viés de cautela e a moeda americana voltou a ampliar o ganho intradia.

As vendas no varejo no Brasil vieram melhores em junho, com alta de 8,00% na margem, mas ficam em segundo plano no câmbio.

Às 9h35, o dólar à vista subia 0,44%, a R$ 5,4376. O dólar futuro para setembro avançava 1,03%, a R$ 5,4390.

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

Tópicos

dólar