Finanças

Dólar reduz queda por cautela fiscal antes de Copom

O dólar desacelera a queda no mercado doméstico, por cautela fiscal. Com a brecha do teto de gastos, parlamentares querem R$ 16 bilhões para emendas do relator, além de aumento do fundo eleitoral para R$ 5 bilhões. Pesa também a incerteza se a PEC dos Precatórios será mesmo votada nesta quarta-feira, após adiamento ontem na Câmara.



Mais cedo, as perdas já eram moderadas, em linha com o viés de baixa do dólar no exterior. No radar está ainda a reprecificação da alta esperada para a Selic hoje, pela terceira vez seguida, para 1,5% ontem, a 7,75% ao ano, de 1,25 ponto porcentual na pesquisa de segunda-feira. A expectativa é de que o Copom também deve ser mais duro no comunicado da reunião por causa da pressão inflacionária e sinais de piora das contas públicas neste ano e em 2022.

Os investidores monitoram ainda os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgados mais cedo. A taxa de desocupação no Brasil ficou em 13,2% no trimestre encerrado em agosto, exatamente no piso das estimativas na pesquisa do Projeções Broadcast, que tinha intervalo entre 13,2% e 13,7%, com mediana de 13,5%. Em igual período de 2020, a taxa de desemprego medida pela Pnad Contínua estava em 14,4%. No trimestre móvel terminado em julho, a taxa de desocupação estava em 13,7%.

Mas, a renda média real do trabalhador somou R$ 2.771 no trimestre encerrado em agosto, ficando 10,2% inferior em relação a igual período do ano anterior, e a massa de renda real habitual paga aos ocupados somou R$ 219,2 bilhões no trimestre até agosto, recuo de 0,7% na mesma base de comparação.

Além disso, o Índice de Preços ao Produtor (IPP), que inclui preços da indústria extrativa e de transformação, desacelerou a alta, a 0,40% em setembro, ante 1,89% em agosto.



Nesta manhã, o Banco Central programou leilões de swap cambial de até 14.000 contratos (US$ 700,0 milhões) para overhedge de bancos, às 10h30, e de 8.000 contratos (US$ 400,0 milhões) para finalizar a rolagem do vencimento de janeiro de 2022, às 11h30

No exterior, o juro do bônus britânico (Gilt) de 10 anos atingiu mínima em pelo menos 13 semanas nesta manhã, segundo a Tradeweb, após o ministro de Finanças do Reino Unido, Rishi Sunak, prever que a economia britânica voltará a níveis pré-pandemia de covid-19 “na virada do ano”, na apresentação de projeções econômicas revisadas. Às 9h25 (de Brasília), o rendimento do Gilt de 10 anos caía a 1,041%, de 1,113% no fim da tarde de ontem, operando apenas um pouco acima da mínima de 1,037%.

Às 9h33, o dólar à vista caía 0,06%, a R$ 5,5686 e o dólar futuro para novembro tinha viés de alta, a R$ 5,5720 (+0,03%).


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?

Tópicos

dólar