Dois ícones tintos do Brasil

Dois ícones tintos do Brasil

Aurora Millésime 2017, já nas lojas, e Casa Valduga Storia 2015, à venda a partir de 10 de julho: ótimos

Nas últimas semanas, a polêmica da salvaguarda voltou ao noticiário que trata do mercado de vinhos no País. Como já haviam feito anos atrás, produtores nacionais, por meio das entidades que os representam, encaminharam ao governo federal um documento pedindo uma política tributária que os proteja da concorrência com os importados. Confesso ter ficado surpreso com a iniciativa, até em função do momento. O consumo de vinho está aquecido desde o início da pandemia e não é diferente com as vendas das vinícolas brasileiras. Com o dólar acima de R$ 5, o produto importado aumentou de preço, tornando o nacional naturalmente mais competitivo. Até por isso, voltar a um tema que já desgastou a imagem de quem produz vinho no País pode parecer um segundo tiro no pé.

Só que a questão é mais complexa do que parece – e a carga tributária que incide sobre essa cadeia produtiva precisa ser revista para tornar a atividade sustentável do ponto de vista econômico. Com impostos adequados, o consumidor brasileiro provavelmente seria mais estimulado a provar – e aprovar – os ótimos vinhos que são feitos por aqui. Para comprovar que o adjetivo não é exagerado, escolhi dois rótulos para comentar aqui.

O primeiro é o Aurora Millésime Cabernet Sauvignon 2017, ícone da cooperativa gaúcha elaborado apenas em safras especiais. Em 89 anos de história da vinícola, essa é a décima edição. Em enologia, a palavra francesa “millésime” pode ser traduzida como o melhor vinho da melhor safra – e que provém obrigatoriamente de uvas colhidas no ano mencionado no rótulo. “Escolhemos as uvas das melhores parcelas de vinhedos dos nossos associados, vinificamos e fazemos uma verificação muito controlada no processo de evolução em tanque e em barrica”, diz Flavio Zilio, enólogo-chefe da Aurora. A safra 2017 ficou 18 meses em barricas de carvalho americano, período suficiente para aveludar os taninos bem presentes dessa casta. Com edição limitada de 24 mil garrafas numeradas, o vinho chega ao consumidor pelo preço médio de R$ 110. Para harmonizar, o enólogo sugere carnes vermelhas, massas com molho de queijo e risotos.

O segundo rótulo nacional que merece ser chamado de ótimo também é elaborado somente em colheitas excepcionais: o Storia Merlot 2015, da Casa Valduga. Para esta safra, foram 20 meses em barricas de carvalho francês. Como o envase ocorreu em agosto de 2017, ele já está há quase três anos envelhecendo em garrafa. Edições anteriores do Storia garantiram prêmios de alto quilate: ele já foi eleito o melhor merlot do mundo pela revista Wine Report, além de melhor tinto do Brasil pela revista Adega. Não é pouco. A Casa Valduga anunciou para o dia 10 de julho o início da pré-venda em seu e-commerce. O preço ainda não foi divulgado. Ele seguramente custaria menos caso os impostos não massacrassem o produtor.

Veja também

+ Eclipse solar total: saiba onde e quando poderá ser visto o fenômeno
+ Passo a passo: saiba como cadastrar e usar a CNH digital
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Sobre o autor

Celso Masson, 53, é jornalista, diretor de núcleo da Editora Três, winemaker e palestrante de vinhos. Nos últimos dez anos, vem estudando e acompanhando a produção, os negócios e os prazeres do mundo da enologia. Se formou winemaker após integrar um exigente programa oferecido pela Escola do Vinho Miolo. Já tem três rótulos produzidos em parceria com a inovadora vinícola brasileira.


Mais posts

Ascensão paranaense

Na caprichada edição 2020/2021 do guia Baco Wine Report, o diretor Sérgio Queiroz, conhecido por organizar a Grande Prova de Vinhos do [...]

Petit manseng, a cara do verão

Entramos em dezembro. As altas temperaturas já começam a mudar as escolhas do que vamos verter na taça. O calor, é claro, pede bebidas refrescantes. Ainda que os tintos possam ser abertos com grande entusiasmo (especialmente no jantar), rosés e brancos passam a disputar preferências. E é exatamente nesses dois estilos que a linha Marie […]

O revolucionário Novo Chile e seus vinhos em “escala humana”

Assim como tem ocorrido em outras partes do mundo, a viticultura no Chile vem evoluindo de forma rápida e com resultados [...]

A “Safra das Safras”, enfim nas taças de quem conhece

Se a pandemia transformou o mercado de vinhos no Brasil, com um aumento no consumo estimado em 32% (na comparação de janeiro a agosto [...]

Vinhos de Portugal seguem em alta no Brasil

Mal terminou o primeiro Festival Vinhos de Portugal, que entre os dias 23 de outubro e 1º de novembro envolveu 2,5 mil lojas de 18 [...]
Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.