Dois brancos portugueses muito especiais para ter em casa e beber sempre

Crédito: Divulgação

João Pires Branco 2021, com a uva Moscatel de Setúbal, e Esporão Private Selection Branco 2020. com a francesa Sémillon: estilos bem distintos e personalidade em cada taça (Crédito: Divulgação)



Um vem da Península de Setúbal. O outro, do Alentejo. São diferentes em tudo, das uvas ao preço final, passando pela escala e método de produção. E talvez por isso mesmo se complementem. Ambos são produzidos por famílias cujas histórias se confundem com a dos vinhos portugueses. E, cada qual à sua maneira, merecem ser conhecidos e apreciados.

Começando pelo João Pires, elaborado com a casta autóctone Moscatel de Setúbal. Sua produção teve início na década de 1970 e desde então conquistou espaço pelos aromas únicos, marcados por notas florais intensas, sobretudo a flor de laranjeira, e pelo paladar fresco e equilibrado. Atualmente, a produção é de 900 mil garrafas por ano.

+ Uma feira para conhecer e comprar rótulos de alta gama com desconto

A safra 2021 já está no mercado brasileiro pelo atraente preço de R$ 99,99 (Interfood) e pôde ser degustada na companhia de António Maria Soares Franco, pertencente à sétima geração da família proprietária da vinícola José Maria da Fonseca, fundada em 1834. Dona de 650 hectares de vinhedos, a empresa tem no portfólio mais de 30 marcas, entre elas a Periquita, cujo tinto é o mais vendido do Brasil. Com apenas 11,5% de álcool, boa acidez e frescor, o João Pires Branco pode ser bebido sem muita moderação.




ESPORÃO – Já do Alentejo vem o mais inusitado e surpreendente dos brancos portugueses, o Esporão Private Selection 2020. Ele é provavelmente o único do país a ser 100% produzido com a casta francesa Sémillon, a mesma que dá origem aos deliciosos Sauternes em Bordeaux. A variedade foi introduzida na região pelo enólogo australiano David Baverstock, que por décadas foi responsável pelos rótulos do Esporão.

Lançado em 2001 com o nome Garrafeira, denominação que em Portugal se refere a vinhos que passam mais tempo em madeira. Neste caso, a fermentação foi feita em barricas de 500 litros de carvalho francês e o vinho permaneceu mais seis meses em barricas menores e outros na garrafa.

Segundo Rui Falcão, consagrado jornalista português especializado em vinhos que hoje responde pelo marketing da Esporão e esteve na última semana em São Paulo, o intuito da empresa ao lançar esse rótulo foi desafiar o perfil clássico dos grandes vinhos do Alentejo. A uva Sémillon se adaptou perfeitamente ao clima quente da região.


Hoje, a maturidade das vinhas, aliada ao tipo de solo (predominantemente argiloso), permitem extrair uma matéria-prima superior. Com aromas de limão maduro e amêndoa, é rico e exuberante no paladar. A safra 2018 obteve 95 pontos da Wine Enthusiast. A agricultura é biológica e o vinho é certificado no Brasil como orgânico. Chegará por aqui ainda em julho pela Qualimpor, empresa de João Roquette, da mesma família proprietária do Esporão. O preço para o consumidor final será R$ 299,00.







Sobre o autor

Celso Masson, 53, é jornalista, diretor de núcleo da Editora Três, winemaker e palestrante de vinhos. Nos últimos dez anos, vem estudando e acompanhando a produção, os negócios e os prazeres do mundo da enologia. Se formou winemaker após integrar um exigente programa oferecido pela Escola do Vinho Miolo. Já tem três rótulos produzidos em parceria com a inovadora vinícola brasileira.


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright ©2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.