Edição nº 1103 11.01 Ver ediçõs anteriores

Doces resultados

Doces resultados

A crise econômica pegou, praticamente, todas as empresas de bens de consumo do Brasil. Mas a divisão de confeitos da americana Mars não tem do que reclamar. Entre 2012 e 2017, as vendas de chocolates da companhia, dona de marcas como Snickers, M&M e Twix, saltaram 33% quando se analisa a receita. E a participação de mercado saiu de 2% para 7%. “Dobramos a nossa fábrica localizada em Guararema, no interior de São Paulo”, diz Filipe Fonseca, presidente das divisões de confeitos e alimentos da Mars no Brasil. A unidade, que era de 25 mil metros quadrados, agora tem 50 mil metros quadrados. Parte de um investimento de R$ 1 bilhão nos últimos cinco anos, a companhia também dobrou a capacidade produtiva de M&M e, a partir de 2019, vai fabricar o Snikers no País – hoje ele ainda é importado do México e dos Estados Unidos.

(Nota publicada na Edição 1085 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Hugo Cilo)


Mais posts

Para o alto e avante!

A expansão da economia está fazendo subir a venda de máquinas no País. Prova disso é o desempenho da subsidiária brasileira da gigante [...]

Frase da semana

“Meu filho é qualificado, e o resto é fofoca” Hamilton Mourão,  Vice-presidente da República, ao comentar a nomeação do filho Antonio [...]

Gandini volta a sorrir

O empresário José Luiz Gandini, dono da Kia Motors no Brasil e presidente da associação das importadoras de automóveis, a Abeifa, está [...]

Quem quer ser um motoqueiro?

A montadora indiana Royal Enfield, com suas motos retrô que lembram os filmes de Indiana Jones, quer acelerar no Brasil com novas [...]

Negócio de pai para filho

Um dos maiores grupos hoteleiros de capital nacional, a rede mineira Tauá Hotéis e Resorts está mudando de comando neste mês, mas não [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.