Economia

Dívida global aumenta no 1º trimestre e atinge recorde de US$ 305 tri, diz IIF

Crédito: Alex Barcley/Pixabay

Moedas empilhadas; dívida global atingiu recorde de US$ 305 trilhões (Crédito: Alex Barcley/Pixabay)



A dívida global aumentou US$ 3,3 trilhões para um novo recorde de mais de US$ 305 trilhões no primeiro trimestre de 2022, segundo o Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês).

De acordo com relatório da instituição, o aumento foi impulsionado em grande parte pela China (US$ 2,5 trilhões) e pelos EUA (US$ 1,8 trilhões). Em contraste, a dívida total na zona do euro caiu pelo terceiro trimestre consecutivo, aponta o IIF.

BC espera estar perto de fim de ciclo de aperto monetário, mas depende de dados, diz diretor

Estoques de petróleo nos EUA caem 3,394 milhões de barris, diz DoE



Wall Street recua com interrupção em rali de ações de crescimento; Target despenca

Em 348% do PIB global, a dívida está 15 pontos porcentuais abaixo de seu pico, no primeiro trimestre de 2021, com “o crescimento mais forte do PIB nominal ajudando a reduzir os índices”, aponta o IIF.

O movimento reflete o aumento da inflação, e o índice dívida global em relação ao PIB caiu pelo quarto trimestre consecutivo no primeiro trimestre de 2022, destaca o levantamento.


O aumento foi impulsionado principalmente por empréstimos corporativos, excluindo financeiros, e dos governos no geral, com dívidas fora do setor financeiro agora chegando a US$ 236 trilhões – quase US$ 40 trilhões desde o início da pandemia, destaca.

Já a dívida dos mercados emergentes está agora aproximando-se de um recorde de US$ 100 trilhões, indica o estudo.

Enquanto os níveis de dívida e tolerância diferem significativamente entre os países emergentes e setores, o aumento acentuado nos níveis de dívida de tais governos colocou transparência no centro das atenções, aponta o IIF.

A falta de transparência muitas vezes significa custos de empréstimos mais altos e acesso limitado a mercados de capitais privados para mutuários emergentes, afirma a instituição.