Edição nº 1117 18.04 Ver ediçõs anteriores

Diversidade nas empresas: produtividade X marketing

Tentando acompanhar essa tendência empresas brasileiras, em sua maioria, entraram nesse processo de forma atrasada e algumas erroneamente vêm pulando processos

Diversidade nas empresas: produtividade X marketing

Desde que acompanho, há algumas décadas, o movimento pela inclusão e incentivo à diversidade nas empresas percebo que passamos por três fases distintas em nosso país: A primeira, das pioneiras, empresas multinacionais norte-americanas que seguiam as diretrizes de suas matrizes do Norte e tentavam fazer algo aqui inspiradas em suas matrizes. Nesse primeiro momento, 30 anos atrás, destaco Levis Strauss, marca de roupa e de uma fabricante de bip. A tataravó do celular, a empresa Motorola.

A segunda fase veio já no despertar deste século 21: empresas preocupadas com a globalização, a maioria novamente multinacionacionais e com o advento de um mundo cada vez mais diversos e globalizado, produzir para pessoas tão diversas como europeus, asiáticos, africanos, latino-americanos com religiões, culturas e etnias tão diferenciadas, a diversidade passa também a ser um bem de consumo.

A terceira fase e olhando especificamente para o Brasil, houve uma corrida nos últimos 10 anos não só por conta do atraso nosso em termos de diversidade, mas também por uma pressão cada vez maior do público interno com uma população gigantesca, diversa, desigual e cada vez mais informada e atenta aos malefícios das discriminações de raça e gênero.

Tentando acompanhar essa tendência empresas brasileiras, em sua maioria, entraram nesse processo de forma atrasada e algumas erroneamente vêm pulando processos, ao invés de atacar o problema e enfrentá-lo no cerne da questão, que é a área de recursos humanos, têm transferido o problema para o marketing, mudando um pouco a cara da empresa colocando negros e mulheres para apresentar seus produtos, o que também ajuda, mas não muda de parâmetro as diferenças gritantes quando se trata de cargos e salários em algumas companhias.

Se analisarmos, por exemplo, a pesquisa Etos de pouco mais de 10 anos comparada com a mesma pesquisa que mandei encomendar quando ainda era secretário da igualdade racial da cidade de São Paulo junto às 500 maiores empresas do país, veremos que o que mais mudou em 10 anos foi o marketing e a visibilidade do problema, porque de forma estrutural negros e mulheres continuam altamente discriminados em cargos e salários na economia brasileira.

A boa notícia é que as poucas empresas, que levaram a sério a máxima de que a diversidade dá lucro e é um bom negócio, estão vendo seus produtos e a relação com seus consumidores prosperarem, investiram só em marketing, começam a ser cobradas pelos números cada vez mais públicos de como é que estão negros e mulheres nos cargos decisórios das empresas, e começam a ter consciência de que a importancia da diversidade no mundo corporativo é um caminho que não tem volta.


Mais posts

Contra números não há argumentos

Separando o IDH de brancos e negros, temos dois países: um rico e desenvolvido, que figuraria entre as 50 maiores economias, e o outro [...]

Brasil Diverso se consagra na luta por igualdade racial nas empresas

Em sua primeira edição a nível nacional, o Fórum Brasil Diverso se consolidou como um dos maiores encontros sobre o assunto

Maior encontro sobre diversidade no Brasil

São Paulo sediará, em dezembro, o “Fórum Brasil Diverso” no Museu da Imagem e do Som (MIS). Com formato inovador e criado a partir de [...]

Primavera da inclusão

Setembro sempre traz inspiração. Mês de renascer, florescer, afinal, é primavera. Neste contexto realizei duas palestras em dos bancos [...]

A diversidade no centro do debate

Há mais de 30 anos acompanho a evolução das ações afirmativas no Brasil. Inicialmente lenta, que eu me recordo apenas três empresas [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.