Economia

Disputa eleitoral blinda mercado nacional contra influência externa

Mesmo em dia turbulento nas bolsas internacionais, operações brasileiras seguem na linha da normalidade

Crédito: Spencer Platt/Getty Images/AFP

Apesar de um dia caótico no mercado internacional, as operações brasileiras seguem na linha da normalidade nesta quinta-feira (11). O dólar abriu em queda devido sua desvalorização nas bolsas do exterior e até o início da tarde era cotado a R$ 3,76, o mesmo valor do fechamento da moeda nesta quarta-feira (10).

Para os analistas, a divulgação da pesquisa Datafolha apontando a liderança de Jair Bolsonaro (PSL) com 58% dos votos, e Haddad com 42%, blindaram o mercado nacional contra as baixas nas bolsas asiáticas e as críticas de Donald Trump ao Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos.

Segundo o coordenador do curso de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Joelson Sampaio, a tendência é de que o mercado brasileiro se abstenha das influências externas e foque no cenário eleitoral até a votação do segundo turno, em 28 de outubro.

“O foco nos próximos dias será as eleições no segundo turno. Teremos pouca influência do estrangeiro e uma atenção maior ao cenário interno”, afirma.