Negócios

Disney anuncia serviço de streaming com nova saga Star Wars

Plataforma será lançada em 2019 e também terá série sobre Loki, Monstros S.A e High School Musical

Disney anuncia serviço de streaming com nova saga Star Wars

(Arquivo) Foto mostra logo da Disney em loja em Nova York, nos Estados Unidos, em 14 de dezembro de 2017 - GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP/Arquivos

A Disney anunciou o seu serviço de streaming, batizado de Disney +, para o fim de 2019. Além de todo o conteúdo original da empresa, o novo produto trará séries em live-action da saga Star Wars e do universo Marvel, divulgou a empresa nesta quinta-feira (8).

Segundo o CEO, Bob Iger, o conteúdo do novo aplicativo será segmentado pelas cinco marcas do grupo: Disney, Pixar, Marvel, Star Wars e NatGeo. Em conferência, ele afirmou que empresa investirá na produção de conteúdo “em todas as linhas.”

A série de ficção científica está sendo desenvolvida pela Lucasfim. Os episódios inéditos apresentarão Diego Luna como o espião rebelde Cassian Andor e a formação da Aliança Rebelde.

Também está em fase de produção uma série centrada em Loki, estralada por Tom Hiddleston. Não foram divulgados mais detalhes da trama ou a participação de outros personagens da Marvel na empreitada.

A Disney também deverá lançar o seu streaming com novas franquias de Monstros S.A, da Pixar, e de High School Musical.

Lucro de US$ 2,322 bi no 3º trimestre

A empresa de Mickey Mouse reportou lucro de US$ 2,322 bilhões entre julho e setembro, o equivalente a US$ 1,55 por ação, o que representa avanço de 37% em relação ao mesmo período de 2017, quando o ganho por ação foi de US$ 1,13.

Excluindo alguns itens, a Disney informou ter tido lucro líquido de US$ 1,48 por ação, número que ficou bastante acima das estimativas de analistas consultados pela FactSet, que esperavam ganho por ação de US$ 1,34 no quarto trimestre fiscal. Em todo o ano fiscal de 2018, a Walt Disney registrou lucro líquido recorde de US$ 12,598 bilhões.

A receita da empresa, por sua vez, subiu 12% entre julho e setembro na comparação com o mesmo período do ano passado, indo de US$ 12,779 bilhões para US$ 14,307 bilhões. O resultado também ficou acima da projeção de analistas ouvidos pela FactSet, que esperavam receita de US$ 13,73 bilhões no período. No ano fiscal de 2018, a empresa apresentou receita recorde de US$ 59,434 bilhões.