Economia

Diretora do FMI nega ter alterado relatório do BM para favorecer a China

Diretora do FMI nega ter alterado relatório do BM para favorecer a China

(Arquivo) A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva - POOL/AFP/Arquivos

A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, criticou nesta quinta-feira uma investigação independente a qual concluiu que, em seu trabalho anterior no Banco Mundial (BM), ela pressionou funcionários a alterar um relatório, em favor da China.

O BM anunciou hoje o cancelamento do relatório “Doing Business”, após uma investigação ter encontrado irregularidades nas edições de 2018 e 2020. O documento classifica os países com base em suas regulamentações comerciais e reformas econômicas.

De acordo com a investigação, Pequim reclamou de sua classificação em 78º na lista de 2017. O relatório de 2018 teria mostrado que a China havia caído ainda mais no ranking de facilidade para fazer negócios no país. A equipe do BM preparava o documento enquanto os líderes participavam de negociações delicadas para aumentar seu capital de crédito, o que exigia a concordância de seus principais membros, entre eles a China.

Nas últimas semanas antes de o relatório ser lançado, em outubro de 2017, o então presidente do BM, Jim Kim, e Kristalina Georgieva, então diretora executiva do banco, reuniram-se com a equipe e pediram a atualização da metodologia em relação à China, aponta uma investigação feita pelo escritório de advocacia WilmerHale.



Kim discutiu a classificação com funcionários do alto escalão chineses que estavam consternados com a baixa classificação do país, e os assessores de Kim apresentaram formas de melhorá-la, segundo o resumo da investigação divulgado pelo BM.

Kristalina repreendeu um executivo do BM por “má gestão da relação do banco com a China e não apreciar a importância do relatório ‘Doing Business’ para aquele país”, acrescenta a investigação, que analisou 80.000 documentos e entrevistou cerca de 30 funcionários antigos e atuais da instituição multilateral de crédito.

Em meio à pressão da diretoria, a equipe alterou alguns dados, que empurraram a China sete posições para cima na lista de 2018, para a 78ª posição, a mesma do ano anterior. O executivo do BM disse que Kristalina lhe agradeceu por ter feito sua parte “pelo multilateralismo”, destaca a investigação.

A búlgara Kristalina Georgieva, que assumiu a chefia do FMI em outubro de 2019, criticou o documento. “Discordo profundamente das descobertas e interpretações da investigação no que se refere ao meu papel no relatório ‘Doing Business’ 2018 do Banco Mundial”, expressou. “Tive uma reunião inicial com a diretoria executiva do FMI sobre este assunto.”

Paul Romer, ganhador do Prêmio Nobel e então economista-chefe do BM, pediu demissão em janeiro de 2018, após dizer a um jornalista que a metodologia do ranking havia sido alterada de forma que poderia dar a impressão de que os resultados eram influenciados por considerações políticas. Na época, o banco negou qualquer tipo de influência política nas classificações.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km