Giro

Diretor da ISTOÉ, Mario Simas Filho morre em São Paulo aos 59 anos

Diretor da ISTOÉ, Mario Simas Filho morre em São Paulo aos 59 anos

Na madrugada desta sexta-feira (17), em São Paulo, faleceu o jornalista Mario Simas Filho, diretor do núcleo da revista ISTOÉ.  De grande coração e um talento notável, Simas perdeu a luta contra um câncer no rim aos 59 anos.

O velório será a partir das 9h, desta sexta (17), no cemitério Gethsemani do Morumbi. O sepultamento será no mesmo local às 15h30. O endereço é Praça da Ressurreição, 1, Morumbi.

O jornalista era filho do advogado Mario Simas, especializado em direitos humanos e um defensor ativo desta causa durante a ditadura militar. Foi dele que Simas Filho herdou o jeito humano de lidar com informação. Na juventude, o jornalista chegou a trabalhar no Centro São Tobias de Direitos Humanos, onde conheceu D. Paulo Evaristo Arns.

Com passagens pelo jornal Folha da Tarde e Folha de S. Paulo e na ISTOÉ, Simas teve um grande marco na carreira quando revelou em reportagem que PC Farias, aliado do ex-presidente Collor, havia sido assassinado, e não cometido suicídio.

Em 2001, ele conquistou o prêmio Esso de Jornalismo, junto com outros colegas da ISTOÉ, com a série de reportagens  “Senadores Envolvidos na Fraude do Painel de Votação do Senado”.  A reportagem transcrevia fita com uma conversa do então senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), que dizia conhecer a lista dos votos da cassação do senador Luiz Estevão. ACM renunciou.

 

Veja também

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?