Edição nº 1070 18.05 Ver ediçõs anteriores

Direitos animais

A corte de Justiça do Estado de Nova York rejeitou na terça-feira 8 o pedido de liberdade para os chimpanzés Tommy e Kiko, mantidos em jaula por seus respectivos donos, entre eles, um treinador de animais. Sob a responsabilidade do advogado Steven Wise, o processo foi registrado pela organização Projeto de Direitos Não-Humanos, que desejava levá-los para um santuário de animais. A corte de apelações entendeu que a decisão da primeira instância estava correta em definir que os símios não são pessoas legais. No entanto, o juiz da corte de apelações Eugene Fahey avaliou que, como possuem 96% do DNA humano, os chimpanzés têm habilidades cognitivas avançadas e trazem um grande dilema ético e de regulação que precisa ser resolvido.

(Nota publicada na Edição 1069 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Renovação dos empregos

Grandes mudanças tecnológicas causam transformações no mercado de trabalho. De acordo com o Fórum Econômico Mundial, cerca de 7,1 [...]

Testes sem maldades

A marca britânica The Body Shop, comprada pela brasileira Natura, aderiu à campanha Forever Against Animal Testing (Para sempre contra [...]

O ar que (mal) respiramos

O Ministério Público Federal (MPF) convocou audiência pública para cobrar o Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), órgão que [...]

Embalagem sustentável

A Unilever divulgou seu relatório anual de sustentabilidade, destacando os avanços alcançados. Entre 2008 e 2017, a multinacional [...]

Ensino sem justiça

O Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado de São Paulo (Semesp) apresentou um estudo que [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.