Edição nº 1092 19.10 Ver ediçõs anteriores

Direitos animais

A corte de Justiça do Estado de Nova York rejeitou na terça-feira 8 o pedido de liberdade para os chimpanzés Tommy e Kiko, mantidos em jaula por seus respectivos donos, entre eles, um treinador de animais. Sob a responsabilidade do advogado Steven Wise, o processo foi registrado pela organização Projeto de Direitos Não-Humanos, que desejava levá-los para um santuário de animais. A corte de apelações entendeu que a decisão da primeira instância estava correta em definir que os símios não são pessoas legais. No entanto, o juiz da corte de apelações Eugene Fahey avaliou que, como possuem 96% do DNA humano, os chimpanzés têm habilidades cognitivas avançadas e trazem um grande dilema ético e de regulação que precisa ser resolvido.

(Nota publicada na Edição 1069 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O calor joga contra a cerveja

O aquecimento global é uma ameaça para a produção global de cerveja, um mercado que movimentou US$ 281 bilhões em 2017. De acordo com [...]

Mudança de hábito

A pesquisa Indicador de Consumo Consciente (ICC), coordenada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostra que 31% dos [...]

O museu do exílio

O terreno da estação de trem Anhalter Bahnhof, em Berlim, deve receber um museu dedicado às pessoas que fugiram do nazismo. Em 1942, [...]

Papel social

A Netshoes investiu em práticas sustentáveis para reduzir seu impacto energético e ambiental. Uma das apostas da empresa foi a mudança na forma como os produtos chegam às casas dos clientes. Neste ano, 80% dos pedidos foram entregues em embalagens oxibiodegradáveis – os outros 20%, em papelão reciclável. Além disso, a Netshoes também destinou 513 […]

Projeto ganha destaque na ONU

Em 26 de setembro, o Novo Ciclo, um projeto social com foco em cooperativas de reciclagem, foi destaque em um evento da Organização das [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.