Giro

Dinamarca suspende vacina da AstraZeneca após problemas de coagulação em pacientes

Crédito: AFP/Arquivos

(Arquivo) A vacina contra a covid-19 da AstraZeneca em um centro de vacinação de Stuttgart, Alemanha (Crédito: AFP/Arquivos)

O governo da Dinamarca decidiu suspender o uso da vacina da AstraZeneca contra a covid-19 como medida preventiva, devido a temores relacionados com a formação de coágulos sanguíneos nos vacinados – informou sua Agência Nacional de Saúde, nesta quinta-feira (11).



A suspensão se dá, “depois dos informes de casos graves de formação de coágulos de sangue em pessoas que foram vacinadas com a vacina contra covid-19 da AstraZeneca”, anunciou a Agência Nacional de Saúde, acrescentando que, “por enquanto, não se pode concluir que tenha uma relação entre a vacina e os coágulos de sangue”.

+ Nova reação à vacina contra o coronavírus é identificada
+ Anvisa regulamenta importação de vacinas sem registro no Brasil

Na segunda-feira (8), a Áustria informou que parou de administrar um lote de imunizantes produzidos pelo laboratório anglo-sueco. O anúncio se deu após a morte de uma enfermeira de 49 anos que sucumbiu a “graves distúrbios de sangramento”, dias depois ser vacinada.

Outros quatro países europeus – Estônia, Lituânia, Letônia e Luxemburgo – suspenderam imediatamente a vacinação com doses desse lote, que foi entregue a 17 países e incluía um milhão de vacinas.

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!



Já a Dinamarca interrompeu o uso de todas as suas vacinas da AstraZeneca.

Ontem (10), uma investigação preliminar da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) destacou que não havia relação entre a vacina da AstraZeneca e a morte na Áustria.

Até 9 de março, 22 casos de trombose foram notificados em um universo de mais de três milhões de pessoas vacinadas no Espaço Econômico Europeu, de acordo com a EMA.

“É importante ressaltar que não desistimos da vacina da AstraZeneca, mas estamos fazendo uma pausa em seu uso”, afirmou o diretor da agência dinamarquesa, Søren Brostrøm, em um comunicado.