Economia

Devemos manter uma política ‘normal’ por maior tempo possível, diz PBoC

A China deve manter uma política monetária “normal” pelo maior tempo possível, à medida que a economia global pode estar “em um período de ajuste descendente de longo prazo”, afirmou o presidente do Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês), Yi Gang, em artigo publicado pelo jornal Qiushi, do Partido Comunista.

“Mesmo que a política monetária das principais economias do mundo esteja se aproximando de taxas de juros nulas, devemos seguir um progresso e precisão constantes, e não nos envolver em taxas de juros zero competitivas ou políticas de flexibilização quantitativa (QE, em inglês)”, argumentou.

Yi Gang enfatizou ainda que a taxa de câmbio do yuan é determinada pela oferta e demanda do mercado e não será usada como instrumentos. “Não instrumentaremos a taxa de câmbio e nunca nos envolveremos em desvalorizações competitivas de vizinhança”, disse. Ele afirmou ainda que o banco vai continuar as reformas do mecanismo da taxa de câmbio de sua moeda, para manter sua flexibilidade e “implementar a gestão macroprudencial necessária quando o mercado mostrar sinais de prociclicidade”.

O país também deve estar atento ao papel da política fiscal ativa da “otimização da estrutura”, reduzindo impostos e taxas”.

Veja também

+ Receita abre consulta a segundo lote de restituição de IR, o maior da história
+ Homem encontra chave de fenda em pacote de macarrão
+ Baleias dão show de saltos em ilhabela, veja fotos!
+ 9 alimentos que incham a barriga e você não fazia ideia
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança