Internacional

Destino: Cascais

A cidade litorânea a apenas 25 quilômetros de Lisboa concentra o maior número de emigrantes brasileiros de alto poder aquisitivo em Portugal — o que a torna atraente para novos empreendimentos.

Crédito: Divulgação

PONTO DE ENCONTRO O Palaphita D’Guia, ecolounge criado pelo amazonense Mário de Andrade, chega a reunir 600 clientes por noite. (Crédito: Divulgação)

Boa parte dos 12 mil brasileiros residentes em Cascais, a quinta maior cidade de Portugal, com 200 mil habitantes, é formada por empresários. Além de radicados no país, eles têm investido em negócios que se estendem por setores diversos, do farmacêutico ao imobiliário, do bem-estar à gastronomia. É esse o caso do Palaphita D’Guia, restaurante à beira-mar criado pelo amazonense Mário de Andrade. Por 17 anos ele comandou o primeiro Palaphita, no Rio de Janeiro. Em em 2020, quando decidiu se mudar com a família para Cascais, levou para lá o conceito de “ecolounge” e as receitas de origem amazônica. “Ao abrir o restaurante aqui, reencontrei dezenas de amigos do Brasil e fiz centenas de novos”, afirmou Andrade à DINHEIRO. Em pouco tempo, o local se tornou ponto de encontro de empresários brasileiros, além de atrair celebridades de Portugal e do exterior. O investimento inicial foi de 400 mil euros. Na área arborizada de quase 2 mil m2, com vista para o mar e falésias, o restaurante promove eventos que chegam a reunir até 600 clientes. “Vamos fechar este ano com o faturamento de 1 milhão de euros e já estamos em estudos de expandir o Palaphita pela Europa”, disse o proprietário.

Ele não é o único otimista. A ex-modelo Rebeka Episcopo, de Mato Grosso do Sul, vive em Portugal há sete anos, sempre atuando como empresária. Primeiro, com um salão de beleza. Depois, com o Nuru Spa, voltado para o público de alto poder aquisitivo. Hoje são duas unidades, em Cascais e Lisboa. “Morei muitos anos em Bali, na Indonésia, onde conheci diversos tipos de terapias corporais”, disse. “Identifiquei carência de spas de luxo voltados, principalmente, para estrangeiros.” O sucesso do Nuru, que segue a linha tântrica, a levou a franquear a marca, em dois segmentos: boutique e resort. Sua previsão é faturar 1,5 milhão de euros em 2022.

SPA DE LUXO Ex-modelo, a sul-mato-grossense Rebeka Episcopo lançou sua franquia e pretende faturar 1,5 milhão de euros em 2022. (Crédito:Divulgação)

Deixar o Brasil para residir com a família em Portugal também foi a escolha do empresário Marlos Gonçalves. Há quatro anos, depois de mais de duas décadas de experiência no mercado financeiro em cargos executivos, ele se mudou para Cascais. “Logo que cheguei, abri uma consultoria financeira com foco em clientes brasileiros que buscam investir ou morar em Portugal”, disse. Em 2019, depois de se associar aos também brasileiros Gui Afonso e Nídia Saba, levou a Portugal a Piquet Realty, uma das maiores grifes do setor imobiliário dos Estados Unidos. “Atuamos no mercado de residências de luxo, em que os valores vão de 500 mil a 10 milhões de euros, além de imóveis comerciais e edifícios para investidores”, afirmou Gonçalves. Mesmo que o avanço da Covid tenha implicado na adoção de novas medidas de isolamento nas últimas semanas em Portugal, ele prevê que o setor imobiliário ainda terá forte crescimento. “O mercado já está aquecido de novo. Temos planos de expandir para Algarve, Porto e outros países da União Europeia”, afirmou.

“Investimos 10 milhões de euros na compra de uma tradicional indústria farmacêutica portuguesa.Vamos produzir óleo de cannabis” Luiz Conrado sócio da Sofex.

CANNABIS O também carioca Luiz Conrado e a família trocaram o Rio de Janeiro por Cascais em dezembro de 2017. Meses depois de chegar, ele identificou na cannabis uma oportunidade de negócios. À época, o parlamento português havia aprovado o uso da planta para fins medicinais. A ideia levou tempo para maturar. Agora, ela é a base de um empreendimento de fôlego. “Vim para Portugal sem interesse em fazer negócios aqui. Aos poucos, ao observar o boom no mercado imobiliário, passei a comprar e revender imóveis”, disse. Até que veio a oportunidade de atuar em um segmento dos mais promissores. Em parceria com o irmão, Leonardo, e com sócios dinamarqueses, investiu 10 milhões de euros na compra da Sofex, uma tradicional indústria farmacêutica portuguesa.“Vamos produzir óleo de cannabis destinado para os mercados da Suécia, Finlândia, Dinamarca e Alemanha”, disse Conrado. Com brasileiros à frente de negócios que rendem milhões, não é de estranhar que Cascais tenha se tornado a nova Meca dos endinheirados.

“O mercado já está aquecido de novo. Temos planos de expandir para o Algarve, Porto e outros países da União Europeia” Marlos Gonçalves sócio da Piquet Realty Portugal.