Sustentabilidade

Desmatamento da Amazônia no Brasil bate recorde desde 2008

Desmatamento da Amazônia no Brasil bate recorde desde 2008

Imagem aérea de 23 de agosto de 2019 mostra terrenos desmatados na Amazônia - AFP/Arquivos

O desmatamento da Amazônia brasileira aumentou 29,5% entre agosto de 2018 e julho de 2019, totalizando 9.762 km2, um recorde em dez anos – informaram fontes oficiais na segunda-feira (18).

O período de referência inclui os sete primeiros meses do governo de Jair Bolsonaro.

O aumento já tinha sido detectado pelo sistema de alertas mensais do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que anualmente bate essas observações com outros satélites de um sistema chamado Prodes.

A área desmatada é a maior desde 2008, quando alcançou 12.911 km2.

Dos nove estados amazônicos, o mais afetado foi o Pará, com 3.862 km2 desmatados nesses 12 meses.

O Greenpeace denunciou a redução de meios de combate ao desmatamento desde a chegada de Bolsonaro ao poder.

“(O) governo está jogando no lixo praticamente todo trabalho realizado nas últimas décadas pela proteção do meio ambiente”, afirmou Cristiane Mazzetti, da organização.

O WWF também acendeu os alertas. “Cerca de 20% da Amazônia já foi destruída, e a floresta se aproxima do ponto de não retorno, em que a Amazônia se transformará em uma savana”, escreveu o diretor-executivo da entidade no Brasil, Mauricio Voivodic.

“A ciência já mostrou o papel fundamental desempenhado pela Amazônia no fornecimento de água para outras regiões – tanto cidades, como para o agronegócio”, acrescentou.

“Nosso posicionamento é claro: desmatamento zero já!”, completou.