Economia

Desigualdade de renda cresceu e mais ricos ganharam mais na pandemia

Crédito: AFP

O Rio de Janeiro é um exemplo de capital que viu os mais pobres perderem muito e os mais ricos ganhando mais na outra ponta (Crédito: AFP)

O boletim da “Desigualdade nas Metrópoles”, conduzido pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) em conjunto com outros parceiros, mostrou que a desigualdade de renda aumentou nas metrópoles brasileiras durante a pandemia da covid-19, com todos os segmentos econômicos sofrendo algum tipo de queda no rendimento. Somente os mais ricos tiveram aumento na renda mensal.

Esse estudo considera a renda individual média domiciliar e retirou do cálculo rendas que tenham sido complementadas pelo auxílio emergencial, ou pelo Bolsa Família. Na média das 22 regiões metropolitanas, os 40% mais pobres perderam 32,1% da renda, os 50% na faixa intermediária perderam 5,6% e os 10% mais ricos perderam apenas 3,2% da renda, segundo o jornal Folha de SP.

+ Medidas para Renda Cidadã vão de fim de abono a corte de salários
+ Vereadores de SP rejeitam proposta de cortes em ‘supersalários’ para renda básica
+ Debate sobre renda básica precisa ir além do financiamento, alertam especialistas

Mesmo que a pandemia tenha afetado em algum modo a renda dos mais ricos, em 9 regiões metropolitanas, como Manaus, Belém, Rio de Janeiro e Florianópolis, eles ficaram ainda mais ricos.

As capitais que mais sofreram com a pandemia foram Salvador, com uma queda de 57,4% na renda entre os mais pobres; João Pessoa, com queda de 50,6%; Rio de Janeiro, com perda de 47,6%; Teresina, com queda de 44,2% da renda.

Na ponta positiva, os mais ricos de Florianópolis aumentaram a renda em 24,2%, seguidos pelos de Manaus, com 19,9% a mais no saldo do mês e Belém, com 13,1%. Mas como nem tudo são flores, os mais ricos de Maceió tiveram queda de 27,2% na renda mensal, a maior apontada no estudo.

No Rio de Janeiro, onde a variação para os mais pobres foi uma das maiores do País (47,6%), os mais ricos tiveram aumento de 8,7% na renda, igualmente uma das maiores do estudo, agora no outro extremo.

O estudo também contou com a parceria do Observatório das Metrópoles e Observatório da Dívida Social na América Latina (RedODSAL).

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?