Economia

Desemprego provavelmente vai piorar antes de melhorar, diz presidente do BC

Crédito: Divulgação

Campos Neto: Entendíamos que os números de serviços ligados à indústria e à área de tecnologia viriam melhor (Crédito: Divulgação)

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que o desemprego é a pior parte da crise causada pela pandemia do coronavírus e provavelmente vai “piorar antes de melhorar”. Ele afirmou que as contas externas deverão apresentar melhoras.

Apesar dos indicadores apresentarem sinais de recuperação, Campos Neto admitiu que alguns ainda estão frustrantes.

+ Sem auxílio emergencial, nível do desemprego pode ser ainda maior
+ Pedidos de seguro-desemprego somam 653.160 em junho (-32% em relação a maio)

“A recuperação de serviços frustrou um pouco. Entendíamos que os números de serviços ligados à indústria e à área de tecnologia viriam melhor”, acrescentou o presidente do BC.



Fiscal 

Ele disse estar otimista com a recuperação da economia, mas que o governo não pode descuidar da área fiscal. Campos Neto ressaltou que existe hoje um “ambiente de convivência saudável” com um nível de dívida maior. “Todo mundo entende o desvio do ajuste fiscal, temos que mostrar convergência futura”, completou.

Ele afirmou que a saída da crise pode não ser organizada, com pressão política para manutenção de gastos.

Em relação à agenda pós-pandemia, o presidente disse que deve seguir forte com os planos de competição e inovação e avançar no Open Banking. “Temos que voltar debate legislativo para a modernização do câmbio”, completou.

Mercado secundário

O presidente do Banco Central afirmou que o BC está “totalmente preparado” para operar na compra de títulos no mercado secundário. Esta é uma das ferramentas, aprovadas recentemente no Congresso, para que a autarquia possa atuar durante a crise gerada pela pandemia do novo coronavírus.

Campos Neto pontuou, ao mesmo tempo, que a atuação do BC servirá mais como um estabilizador de mercado, sem ter tanta característica de quantitative easing (QE, ou afrouxamento quantitativo).

O presidente do BC pontuou ainda que a experiência trazida por outros países é a de que “quando você começa a usar veículos não convencionais, não tendo exaurido os convencionais, gera perda de credibilidade”.

Campos Neto participou nesta quinta-feira do evento virtual “Perspectivas para a Economia Brasileira e o Sistema Bancário”, promovido pelo Itaú.

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km