Descarte de vidro ganha um aliado

Descarte de vidro ganha um aliado

Embora produzido com elementos naturais, como a sílica, presente na areia das praias, o vidro leva quatro mil anos para se decompor e até um milhão para ser totalmente absorvido pela natureza. No Brasil, o descarte de embalagens de vidro pós-consumo é de aproximadamente 1,2 milhão tonelada por ano, estima a Associação Brasileira das Indústrias de Vidro (Abividro). Disso, 550 mil toneladas acabam parando em aterros sanitários. “O vidro é reciclável, mas tem baixo valor agregado”, diz Rodrigo Jobim, sócio-fundador da Molécoola. “A indústria recicladora paga em torno de R$ 0,20 por quilograma (kg), o que é praticamente o custo com a logística.” Para mudar esse cenário, a fabricante de embalagens de vidro Owens Illinois firmou uma parceria com o Instituto Ecozinha – iniciativa privada que conta com 46 associados, entre bares, restaurantes e hotéis – para desenvolver o gerenciamento de resíduos, permitindo com que os estabelecimentos com alto nível de descarte se adequem à Lei dos Grandes Geradores de Lixo. Localizado no Distrito Federal (DF), o Ecozinha disponibiliza bunkers com capacidade de até 800 kg para acomodar embalagens de vidro, sempre em locais próximos aos estabelecimentos parceiros.

(Nota publicada na Edição 1100 da Revista Dinheiro)

Veja também

+Caixa paga hoje (13) auxílio emergencial para nascidos em maio

+Soros produzidos por cavalos têm anticorpos potentes para covid-19

+ Avó de Michelle Bolsonaro morre após 1 mês internada com covid-19

+ Nazistas ou extraterrestres? Usuário do Google Earth vê grande ‘navio de gelo’ na costa da Antártida

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

MRV planta 1,2 milhão de árvores

Enquanto alguns queimam florestas, outros plantam. Somente no primeiro semestre deste ano, a construtora MRV plantou 93.976 árvores — o [...]

Cinema solar e solidário

Criatividade, compromisso ambiental e social. Tudo junto e misturado. Essa é a essência do projeto Cinesolar, realizado pela Brazucah [...]

Limites para os agroquímicos

O Carrefour, primeira grande rede de supermercados a vender frangos orgânicos no mundo, segue forte na pressão de exigir alimentos mais [...]

Parque para o mico-leão-dourado

Considerado animal em risco de extinção, o mico-leão-dourado ganhará um parque ecológico com seu nome em Silva Jardim (RJ). Previsto [...]

Oceanos sufocados

A cada visita à praia, a cena se repete: conforme a tarde cai, mais plásticos se veem na areia. No dia seguinte, tudo limpo de novo. O [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.