Giro

Desaparecimento dos dinossauros pode ter sido causado por um cometa

Crédito: Reprodução/NASA

Pesquisadores começaram a observar as taxas de impacto de asteróides e cometas em exoplanetas semelhantes à Terra alguns anos atrás. (Crédito: Reprodução/NASA)

66 milhões de anos atrás, uma rocha com cerca de dez quilômetros de diâmetro terminou sua rota em nosso planeta no pior lugar possível. A explosão e as consequências que se seguiram levaram cerca de 75% dos seres vivos à extinção. Os dinossauros foram as primeiras vítimas, mais tarde foram as criaturas marinhas e plantas.

Pelo menos, esta é a hipótese mais amplamente aceita desde o início dos anos 1980. Ela é baseada na análise de camadas sedimentares localizadas na fronteira Cretáceo-Paleogênica que inclui concentrações altas de irídio, um metal mais comumente encontrados em asteróides do que na Terra.

+ Astrônomos estão animados com descoberta de possível novo planeta

Desde então, especialistas identificaram o local de impacto mais provável: a grande cratera Chicxulub no México, descoberta pela primeira vez no final dos anos 1970. Essa hipótese foi reforçada em 2016, quando um projeto de perfuração permitiu a amostragem de testemunhos no anel da ponta da cratera, confirmando que a rocha foi submetida a uma pressão imensa por alguns minutos.

Dito isso, uma equipe de astrônomos agora propõe uma alternativa a essa origem. Seu trabalho é publicado em Scientific Reports.

O estudante de graduação de Harvard Amir Siraj e o astrofísico Avi Loeb começaram a observar as taxas de impacto de asteróides e cometas em exoplanetas semelhantes à Terra alguns anos atrás. Esse trabalho também os levou a se concentrar nos chamados cometas de vida longa de nosso próprio sistema solar.

Suas análises revelaram vários pontos. Por um lado, o campo gravitacional de Júpiter é forte o suficiente para desviar muitos cometas trazendo-os muito perto do sol. Por outro lado, uma fração significativa dos eventos de travessia da Terra desses cometas foi precedida diretamente por encontros notavelmente próximos com o sol.

Terceiro, as simulações também mostraram que cometas de dez a sessenta quilômetros de diâmetro podem ser divididos em fragmentos menores pelas poderosas forças de maré de nossa estrela.

Pesquisadores também descobriram que esses eventos ocorrem com tanta frequência que a probabilidade de causar um impacto do tamanho de Chicxulub é maior do que a taxa de impacto relacionada à população de asteróides.

Finalmente, os autores também relatam outras crateras de impacto de composição semelhante, notavelmente a cratera Vredefort na África do Sul – o resultado de um impacto há cerca de dois bilhões de anos – e a cratera Zhamanshin no Cazaquistão, que emergiu de ‘um impacto nos últimos milhões de anos.

No entanto, esses tempos são consistentes com os cálculos de Siraj e Loeb, sugerindo que tais objetos deveriam atingir a Terra a cada 250.000 a 730.000 milhões de anos.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel